Coluna Gustavo Almeida
  • sexta, 04 de outubro de 2019, às 19:10h

    Chapa da situação em 1994. Nela, os dois senadores venceram e Átila Lira perdeu

    O ano de 1994 protagonizou uma das mais emblemáticas disputas eleitorais no Piauí. Após largar como franco favorito na eleição para o Governo do Estado, o então pefelista Átila Lira, candidato as situação, perdeu a disputa para Mão Santa, à época no PMDB.

    Nesta publicação, o Política Dinâmica mostra alguns rostos conhecidos que já figuravam na cena política piauiense naquela época. Para todos eles, o tempo parece ter sido bastante generoso. Passados 25 anos daquele pleito, a maioria dos rostos abaixo segue na política, outros nunca tiveram êxito nela e alguns ocupam outros postos de destaque.

    Na legenda de cada foto, o PD diz quem é a figura.

    Pompílio Evaristo, à epoca eleito deputado estadual, e Ciro Nogueira, hoje senador da República, em sua primeira campanha para deputado federal.

    O hoje conselheiro do TCE, Kennedy Barros, se elegeu deputado estadual em 1994. Já Wilson Brandão segue com mandato na Assembleia Legislativa até hoje.

    Roncalli e Ismar Marques foram deputados estaduais por alguns mandatos no Piauí

    O jornalista Luiz Carlos, hoje presidente do Sindjor, disputou, sem sucesso, a eleição de 1994. Já Carboreto foi deputado estadual por vários anos.

    Os emedebistas João Henrique Sousa e Warton Santos se elegeram em 1994.

    Os médicos Wilson Martins e Ubiratan Martins, ambos naturais de Santa Cruz do Piauí, disputaram a eleição de 1994. Wilson venceu e construiu sólida carreira na política estadual

    Flora Izabel e Osmar Júnior já figuravam na política do Piauí em 1994.

    O hoje governador Wellington Dias (PT) se elegeu deputado estadual em 1994. No mesmo pleito, o atual conselheiro do TCE Olavo Rebelo também foi eleito pelo PT.

    O petista João de Deus se candidatou a deputado estadual em 1994.

    O politico picoense Zé Neri, pai do atual deputado estadual Nerinho, se elegeu em 1994. Mão Santa foi eleito governador do Piauí naquele pleito.

    • InthegrARTE
    • Casa do Carneiro - Rações e Derivados
  • sexta, 04 de outubro de 2019, às 9:33h

    Homem gravou vídeo ao lado de José Guimarães dentro de avião proferindo ofensas contra o parlamentar (Foto: Reprodução/Internet)

    Viralizou nas redes sociais esta semana um vídeo onde o deputado federal José Guimarães (PT-CE) aparece sendo ofendido e achincalhado por um homem que sentava ao seu lado no avião durante uma viagem de Fortaleza a Brasília. O vídeo com ataques constrangedores ao petista foi celebrado por muita gente como se fosse uma grande vantagem.

    Qualquer cidadão tem o direito de protestar contra os políticos, mas o ataque rasteiro em momentos e lugares inadequados não pode ser encarado como algo natural. As ofensas e acusações feitas pelo homem identificado como Gilberto Alves Júnior rebaixam a atividade política e não devem ser dignas de aplausos, por mais que haja restrições ao político.

    É necessário entender que existem limites na hora de expressar descontentamento ou qualquer tipo de repulsa. Atacar políticos em aviões, salas de cinema, restaurantes ou em momentos com a família não é atitude salutar para cidadãos que cobram dos seus representantes. No caso de José Guimarães, o agressor ainda disseminou informações falsas.

    A maioria dos que compartilham sequer procura se informar antes de espalhar o vídeo. Ao contrário do que afirmou o homem que hostilizou Guimarães, o deputado cearense nunca foi preso com dinheiro na cueca. O episódio ocorrido 14 anos atrás, na verdade, envolveu um então assessor dele. Mas, independentemente disso, os ataques devem ser condenados.

    É natural que muita gente não goste do PT, do PSDB ou de qualquer partido político. Também é natural que os cidadãos se revoltem contra essa classe política que, em sua grande parte, envergonha o nosso país. Mas essa revolta não pode abrir espaço para que figuras públicas sejam achincalhadas de forma sorrateira, como ocorreu com José Guimarães.

    Assim como o deputado petista, o atual ministro da Educação do governo Bolsonaro, Abraham Weintraub, também foi hostilizado quando jantava com a família em um restaurante no Pará. Acompanhado da esposa e dos filhos pequenos, ele ouviu xingamentos de um grupo de manifestantes que o abordou durante o momento de lazer com a família.

    O Brasil é um país duramente castigado com maus gestores públicos e com uma roubalheira desenfreada cujos protagonistas são, em boa parte, políticos e até mesmo membros do Poder Judiciário. No entanto, é importante compreender o momento adequado para protestar, se revoltar e expressar indignação contra esse tipo de comportamento.

    Apesar de tudo, não se pode optar pelo achincalhe, principalmente em locais e momentos inadequados. Os protestos e as livres manifestações são importantes na democracia, mas é preciso diferenciar as coisas. O brasileiro tem que protestar ainda mais, se revoltar ainda mais, no entanto, não se deve enveredar pelo caminho errado da difamação e da baixaria.

    • InthegrARTE
    • Casa do Carneiro - Rações e Derivados
  • quinta, 03 de outubro de 2019, às 14:52h

    Petista considera ter havido ilegalidade na ação (Foto: Jailson Soares/PoliticaDinamica.com)

    O governador Wellington Dias (PT) avisou nesta quinta-feira (3) que não vai deixar barato a ação da Polícia Federal que cumpriu mandado de busca e apreensão dentro do Palácio de Karnak, sede do governo estadual. O petista evitou entrar em detalhes, mas deu o recado.

    "Eu já fiz uma declaração pública. Estou adotando as providências da minha parte. Onde teve ilegalidade eu vou estar acionando", informou ao ser perguntado sobre a operação.

    No dia 25 de setembro, agentes da Polícia Federal entraram na sede do Governo do Piauí para cumprir mandados de busca na operação Satélites, um desdobramento da Operação Topique. A ação investiga um robusto esquema criminoso no serviço de transporte escolar no Piauí.

    O cumprimento do mandado no Karnak se deu pelo fato de um dos investigados na operação estar lotado no Gabinete Militar do governador. Wellington não foi alvo dos mandados da PF.

    • InthegrARTE
    • Casa do Carneiro - Rações e Derivados
  • quinta, 03 de outubro de 2019, às 13:20h

    Mãe e filho divergiram na votação da reforma da Previdência (Fotos: Agência Senado)

    Um fato inusitado chamou atenção na votação da Reforma da Previdência na noite da quarta-feira (2) no Senado Federal. A senadora Kátia Abreu (PDT-TO) contrariou a orientação do partido e votou a favor do projeto. Já o filho dela, senador Irajá (PSD-TO), votou contra.

    O texto base da reforma foi aprovado com 65 votos favoráveis e 19 contrários. O voto favorável da senadora Kátia Abreu é um dos que mais têm repercutido, já que o PDT vem fazendo retaliações aos deputados que contrariaram a orientação do partido na votação na Câmara.

    Após a votação, Kátia afirmou que não tem medo de retaliação, disse que respeita o PDT, mas que votou de acordo com a própria consciência. Já o filho Irajá alega que ficou ao lado dos trabalhadores ao votar contra. Para ele, a reforma sacrifica famílias de baixa renda.

    SENADOR MAIS NOVO DA HISTÓRIA

    Filho de Kátia Abreu, Irajá se elegeu senador em 2018, sendo o mais novo político da história do Brasil a se eleger senador, com 35 anos, idade mínima para ser candidato ao cargo. Antes de chegar ao Senado, ele foi deputado federal por dois mandatos consecutivos.

    • InthegrARTE
    • Casa do Carneiro - Rações e Derivados
  • quarta, 02 de outubro de 2019, às 16:38h

    Regina achou ação da PF exagerada (Foto: Jailson Soares/PoliticaDinamica.com)

    Setores do governo do Estado ainda não engoliram a operação da Polícia Federal que cumpriu mandado de busca dentro do Palácio de Karnak. A vice-governadora Regina Sousa (PT) disse ao Política Dinâmica que não havia necessidade "daquilo tudo" e afirmou que nos últimos anos o espetáculo tem sido uma marca das aperações da Polícia Federal.

    "A Polícia Federal nos últimos cinco anos é dada a um pequeno espetáculo. Faz parte", disse.

    Para Regina, não era necessário todo o aparato policial ir até a sede do Governo. Na avaliação dela, bastava um único agente federal ir até lá e, gentilmente, pedir documentos e objetos.

    "É uma continuação de uma investigação e acho natural. Agora teve um exagero de colocar lá dentro do Karnak. O que eles queriam, se pedissem, era dado. Se chegasse lá um só policial federal e dissesse: 'eu vim aqui buscar documento tal e computador tal', seria entregue", falou.

    Carro da Polícia Federal dentro do Karnak (Foto: Jailson Soares/PoliticaDinamica.com)

    A Polícia Federal andava atrás de documentos que pudessem servir de provas para a investigação de corrupção no transporte escolar do Piauí, apurada na Operação Topique. Algumas pessoas ainda acreditam que suspeitos entregariam provas de modo tão fácil. 

    • InthegrARTE
    • Casa do Carneiro - Rações e Derivados
  • quarta, 02 de outubro de 2019, às 14:44h

    Vereador levou melancias para a Câmara (Foto: Jailson Soares/PoliticaDinamica.com)

    Quem esteve na Câmara Municipal de Teresina na manhã desta quarta-feira (2) só não comeu melancia porque não quis. O vereador Joninha (Avante) estava com uma caminhonete abarrotada da fruta e partiu algumas na frente do gabinete da presidência.

    Frutas foram partidas em frente à presidência (Foto: Jailson Soares/PoliticaDinamica.com)

    As melancias são produzidas em uma propriedade dele, na zona rural de Teresina. O próprio vereador pegou uma faca bem afiada e partiu as melancias na calçada. Jornalistas, servidores da Câmara e até alguns vereadores participaram da comilança.

    Vereadora Cida Santiago também comeu (Foto: Jailson Soares/PoliticaDinamica.com)

    Não faltaram brincadeiras. Alguns colegas de parlamento passavam e brincavam dizendo que Joninha estava comprando a imprensa com melancias. O vereador retrucou em tom bem humorado dizendo que o ato incentivava a produção de frutas na capital.

    Joninha fez a festa com melancias na Câmara (Foto: Jailson Soares/PoliticaDinamica.com)

    As melancias estavam vermelhinhas e bem doces. Joninha ainda fez uma observação ao comer: é melhor vereador gostar de melancia do que de porca.

    • InthegrARTE
    • Casa do Carneiro - Rações e Derivados
  • quarta, 02 de outubro de 2019, às 8:13h

    Representação contra Maria do Rosário foi arquivada (Foto: Marcelo Camargo/Agência Br)

    O Conselho de Ética da Câmara dos Deputados arquivou na terça-feira (1º) representação por quebra de decoro parlamentar contra a deputada federal Maria do Rosário (PT-RS). A representação havia sido movida pelo PSL, que acusava a petista de ter empurrado parlamentares durante uma sessão em que o ministro da Educação esteve na Câmara.

    Na reunião, o relator do caso votou pelo arquivamento da representação, mas pediu no relatório a aplicação de advertência — censura verbal — à parlamentar, com base no Artigo 10, inciso I do Código de Ética da Câmara. Membro do conselho, o deputado federal piauiense Flávio Nogueira (PDT) sugeriu a retirada da censura, pedido que foi acolhido por unanimidade.

    “Peço vênia para não concordar com essa censura. Uma das justificativas para a aplicação de censura é a existência de indícios suficientes da autoria. Quando vossa excelência faz opção pela ausência da justa causa, então censurá-la seria como se tivesse indícios de alguma culpabilidade, o que o próprio voto do relator aponta não existir. Peço a vossa excelência que, se puder retirar essa parte da censura, seu voto ficariá mais integral”, argumentou.

    Flávio Nogueira pediu retirada de punição (Foto: Jailson Soares/PoliticaDinamica.com)

    O pedido do deputado piauiense foi acatado por todos os membros da Comissão e a petista Maria do Rosário agora está livre da representação movida pelo PSL.

    COMEMORAÇÃO

    Após a reunião, a deputada federal gaúcha comemorou nas redes sociais a decisão do Conselho de Ética da Câmara e chamou de infundada a denúncia contra ela.

    "Considero uma vitória a decisão do Conselho de Ética que, por unanimidade, decidiu pelo arquivamento de infundada denúncia. É preciso dar um basta à banalização das falsas denúncias, que prejudicam pessoas, mandatos e à própria instituição Câmara dos Deputados. Também é fundamental a manutenção do respeito aos instrumentos legais e regimentais da Câmara dos Deputados, que não podem ser utilizados para a intimidação", escreveu.

    FLÁVIO NOGUEIRA RELATOR

    Na mesma reunião, o presidente da Comissão de Ética e Decoro Parlamentar, Juscelino Filho (DEM-MA), informou que o deputado piauiense Flávio Nogueira foi designado relator do processo de quebra de decoro parlamentar contra o deputado federal Glauber Rocha (PSOL-RJ). O parlamentar carioca também foi denunciado pelo PSL após chamar o ministro Sérgio Moro de "juiz ladrão" durante audiência na Câmara dos Deputados.

    • InthegrARTE
    • Casa do Carneiro - Rações e Derivados
  • terça, 01 de outubro de 2019, às 16:12h

    Irmã Dulce será canonizada (Foto: Reprodução/Site da Osid/Arquivo)

    Até mesmo a mãe dos pobres, Irmã Dulce, é vista como motivo para o adiamento da votação do segundo turno da reforma da Previdência do Senado Federal. Pelo menos foi o que disse nesta terça-feira (1º) o senador baiano Ângelo Coronel (PSD).

    O motivo é a canonização de Irmã Dulce. A freira baiana será canonizada no próximo dia 13 em uma grande cerimônia presidida pelo Papa Francisco, no Vaticano. Para Ângelo Coronel, muita gente, inclusive senadores, devem ir para a celebração, o que deve adiar a votação no Senado.

    "Não acredito [que será votada na próxima semana]. Teremos a canonização da Irmã Dulce e muitos deverão ir [para o Vaticano] no dia 10. Sou a favor de votar a reforma no dia 15", falou.

    A SANTA DOS POBRES

    A freira baiana Irmã Dulce ficou conhecida mundialmente como "mãe dos pobres". Ela morreu aos 77 anos em março de 1992, em Salvador, na Bahia.

    Dulce ganhou notoriedade por suas obras de caridade e seu grande trabalho de assistência aos pobres, doentes e necessitados. Com a canonização, Irmã Dulce será a primeira santa brasileira.

    Com informações de O Antagonista

    • InthegrARTE
    • Casa do Carneiro - Rações e Derivados
  • terça, 01 de outubro de 2019, às 15:18h

    Deputado sonha com vitória em 1º turno (Foto: Jailson Soares/PoliticaDinamica.com)

    O deputado estadual Themístocles Filho (MDB) acredita que Dr. Pessoa pode ganhar a eleição para prefeito de Teresina no 1º turno. Ele se apega ao passado para alimentar esse sonho. Themístocles lembra que em 2016 Dr. Pessoa disputou a prefeitura de Teresina sozinho e só não foi para o segundo turno por pouco menos de 5 mil votos.

    "Vamos lembrar o passado. No passado ele estava sozinho e só não foi para o segundo turno porque faltaram 4.600 votos. Com certeza o Dr. Pessoa irá para o segundo turno [em 2020]. E se Deus e o povo ajudarem, nós podemos ganhar é no primeiro turno", falou.

    Pessoa disputou eleições majoritárias em 2016 e em 2018 e nos dois pleitos acabou derrotado. Em 2016, quando enfrentou Firmino Filho (PSDB) na disputa pela prefeitura da capital, o médico teve quase 40% dos votos válidos. Na época, Pessoa era filiado ao PSD.

    • InthegrARTE
    • Casa do Carneiro - Rações e Derivados
  • terça, 01 de outubro de 2019, às 14:32h

    Regina defende decisão do ex-presidente Lula (Foto: Jailson Soares/PoliticaDinamica.com)

    A vice-governadora do Piauí, Regina Sousa (PT), concorda que o ex-presidente Lula não aceite deixar a prisão para progredir para o regime semiaberto. Segundo ela, o líder petista quer ter sua inocência declarada e por isso só deve sair da cadeia se for livre da pena que lhe foi imposta. Para Regina, quem duvida da inocência de Lula tem maldade no coração.

    "Ele está correto [em não aceitar o semiaberto]. Eu acho o Lula coerente com o que sempre disse. Ele quer ter sua inocência declarada. Eu acho que ninguém tem dúvida da inocência dele. Pode ter ainda maldade no coração de muita gente que não gosta dele. Mas ninguém tem dúvida da sacanagem que aprontaram com ele", falou a petista.

    A vice-governadora mencionou trecho do livro do ex-procurador-geral Rodrigo Janot, onde ele revela que procuradores da Lava Jato o procuraram para inverter sua ordem de trabalho. No pedido, eles queriam que Janot denunciasse Lula por organização criminosa, passando o caso do petista à frente de outras denúncias que estavam a cargo da Procuradoria-Geral da República.

    "O Dallagnol, depois de fazer aquela palhaçada do power point, foi lá correr para pressionar o Janot a legalizar o que ele fez de errado. Tá dito lá no livro, não tem pra onde correr. Então o Lula está coerente com sua postura. Ele quer declaração de inocência, não quer ir para casa de tornozeleira eletrônica. Para quem não é culpado, ir para casa de tornozeleira dói", afirmou.

    • InthegrARTE
    • Casa do Carneiro - Rações e Derivados


voltar para 'Política Dinâmica'