Coluna Gustavo Almeida
  • 23 de outubro 2017

    segunda, 23 de outubro de 2017, às 15:55h

    A prefeita de São Raimundo, Carmelita Castro (Foto: Jailson Soares/PoliticaDinamica.com)

    A prefeita de São Raimundo Nonato, Carmelita Castro (PP), falou com o Política Dinâmica nesta segunda-feira (23) sobre o incêndio no entorno do Parque Nacional da Serra da Capivara. A gestora disse que as equipes foram rapidamente mobilizadas para a região e negou ter havido dificuldades para conter o fogo por falta de recursos humanos e estruturais.

    “Nós fomos prontamente atendidos. Ocorre que a aeronave que a gente solicitou estava fazendo uma diligência aqui em Teresina. Mas está controlado. É preocupante, mas todas as equipes já chegaram. Chegou o helicóptero e outra aeronave. O estado do Maranhão nos mandou o helicóptero que estava mais próximo e desde ontem as equipes começaram. Brigadistas e Corpo de Bombeiros foram pra lá e já está tudo sob controle”, garantiu a prefeita.

    Conforme disse a gestora, o fogo está controlado, mas não quer dizer que foi extinto. Por isso, as equipes que se deslocaram para a região continuam monitorando a área a fim de evitar que os incêndios voltem a se alastrar. O fogo no entorno do Parque Nacional da Serra da Capivara começou ainda no sábado (21), mas ganhou proporções nas primeiras horas do domingo (22).

    Edson apresentou indicativo de projeto de lei (Foto: Jailson Soares/PoliticaDinamica.com)

    DEPUTADO QUER CORPO DE BOMBEIROS EM SRN
    Após o incêndio no entorno da Serra da Capivara, o deputado estadual Edson Ferreira (PSD) apresentou um Indicativo de Projeto de Lei na Assembleia Legislativa do Piauí nesta segunda-feira (23). A proposta tem como objetivo a criação de uma Companhia Destacada do Corpo de Bombeiros no município de São Raimundo Nonato.

    O parlamentar justifica que a região possui grande importância para o Estado, pois além do Parque Nacional da Serra Capivara existem também diversos casarões tombados pelo Patrimônio Histórico. Edson também cita a grande diversidade da fauna e da flora na região. O indicativo de projeto de lei foi lido em plenário na sessão desta segunda-feira (23).

    • Casa do Carneiro - Rações e Derivados
    • 4a. Corrida UNINOVAFAPI - Zero86 - 19 de novembro de 2017
    • Full banner
  • segunda, 23 de outubro de 2017, às 13:24h

    Parlamentar vê provas robustas na denúncia (Foto: Jailson Soares/PoliticaDinamica.com)

    O deputado federal Assis Carvalho (PT) é abertamente a favor do prosseguimento da denúncia contra o presidente Michel Temer (PMDB). Nesta segunda-feira (23), ele afirmou que o Congresso está diante de uma vasta materialidade dos crimes pelos quais Temer é acusado e acredita que o governo está mais enfraquecido com relação à primeira denúncia. Assis afirma que ninguém é “abestado”, pois as provas são muito robustas.

    “É uma denúncia robusta, bem profunda, necessária para que a Justiça seja igual para todos. Eu não estou pré-julgando, só estou dizendo que aquilo que está sendo denunciado seja continuado pelo STF. O ruim é não investigar de jeito nenhum. Eles tentam passar para a sociedade uma certa tranquilidade, mas não tem como ter. Você vai no apartamento do Geddel e encontra malas e malas de dinheiro. Ninguém é abestado de achar que aquilo era feito se não fosse com a anuência do PMDB e do seu comandante que é o Temer”, disse.

    De acordo com Assis, a segunda denúncia chega forte ao Congresso, ao contrário do que o governo e sua base querem transparecer. “O que temos é o inverso [de uma suposta denúncia enfraquecida]. Eles tiveram 267 votos na última e hoje sabem que não chegam a 200. E aí nós estamos lutando para que possamos chegar aos 342 que é o necessário”, falou.

    MARCELO CASTRO DISCORDA
    Minutos antes da entrevista de Assis Carvalho, o deputado federal Marcelo Castro (PMDB) afirmou que a segunda denúncia contra Michel Temer chega ao Congresso "grandemente enfraquecida". Segundo ele, que ainda não revela claramente como vai votar, os fatos envolvendo o ex-procurador Rodrigo Janot enfraqueceram a peça acusatória. Além disso, Castro afirmou que a apresentação da segunda denúncia é “perseguição desnecessária”.

    • Casa do Carneiro - Rações e Derivados
    • 4a. Corrida UNINOVAFAPI - Zero86 - 19 de novembro de 2017
    • Full banner
  • segunda, 23 de outubro de 2017, às 12:39h

    Gil (à esquerda) impôs derrota histórica à família Paes Landim em 2012 e tirou clã do poder após décadas de hegemonia em São João (Fotos: Jailson Soares/PoliticaDinamica)

    O prefeito de São João do Piauí e presidente da Associação Piauiense de Municípios (APPM), Gil Carlos (PT), disse que sua cidade se orgulha em ter o deputado federal mais antigo do Piauí, referindo a Paes Landim (PTB). A afirmação foi feita nesta segunda-feira (23) após discurso do deputado federal para prefeitos no auditório da APPM.

    Em sua fala, Landim elogiou a atuação de Gil Carlos, chamando-o “de grande liderança e grande gestor público”. Logo em seguida, viu o prefeito petista retribuir os afagos.

    “Quero dizer que nós respeitamos muito a sua liderança. Apesar de as vezes estarmos em campos políticos diferentes, mas com certeza a causa em favor de São João do Piauí supera qualquer interesse menor. Fico muito feliz do deputado mais antigo do Piauí ser um sanjoanense, ser da minha cidade. Isso é motivo de orgulho em São João do Piauí”, disse Gil.

    Paes Landim está no oitavo mandato consecutivo como deputado federal. Ele se elegeu a primeira vez para o cargo em 1986 e desde então nunca perdeu uma eleição. São mais de 30 anos exercendo o mandato na Câmara Federal.

    ADVERSÁRIOS
    Na cidade de São João, Gil Carlos é adversário político da família Paes Landim. Em 2012, ele venceu as eleições para prefeito e impôs uma derrota histórica para o clã dos Landins que governava a cidade por várias décadas consecutivas. Em 2016, o petista repetiu o feito e se reelegeu derrotando o candidato apoiado pela família Paes Landim.

    • Casa do Carneiro - Rações e Derivados
    • 4a. Corrida UNINOVAFAPI - Zero86 - 19 de novembro de 2017
    • Full banner
  • segunda, 23 de outubro de 2017, às 11:04h

    Deputado sinaliza apoio a Michel Temer (Foto: Jailson Soares/PoliticaDinamica.com)

    O deputado federal Marcelo Castro (PMDB) disse nesta segunda-feira (23) que ainda está analisando "com profundidade" sobre como vai votar a segunda denúncia contra Michel Temer. Apesar disso, afirmou que trata-se de uma perseguição ao presidente. Na primeira denúncia, Castro não apareceu na votação após passar vários dias sem revelar como votaria.

    "Eu ainda estou analisando, vendo em profundidade essa denúncia. O que posso adiantar é que ela chega grandemente enfraquecida. Primeiro pelos escândalos e a participação do Janot nessa confusão toda. Então já perde um pouco a autoridade que tinha na primeira. Depois, todo mundo tá percebendo que é uma perseguição desnecessária. A denúncia deveria ser uma só, mas fatiaram para criar um clima de trauma que prejudica o país", falou.

    Questionado sobre o que está faltando para tomar a decisão, Castro sorriu e disse que só falta "chegar a hora". Ele garantiu que dessa vez irá comparecer à sessão na Câmara dos Deputados. A votação da denúncia vai ocorrer na próxima quarta-feira (25) e com esse discurso o deputado piauiense sinaliza que irá votar com Temer. 

    • Casa do Carneiro - Rações e Derivados
    • 4a. Corrida UNINOVAFAPI - Zero86 - 19 de novembro de 2017
    • Full banner
  • segunda, 23 de outubro de 2017, às 9:11h

    Robert Rios usou rede social para alfinetar colega (Foto: Reprodução/Facebook)

    O deputado estadual Robert Rios (PDT) começou a segunda-feira (23) bastante afiado nas redes sociais. Pouco depois das 7h da manhã, ele jogou uma indireta [bem direta] para um parlamentar da oposição que fica “em cima do muro” e não toma uma posição como opositor.

    “Deputado de oposição, covarde, que fica em cima do muro, não merece o respeito do povo”, escreveu Robert em seu perfil no Facebook.

    O deputado do PDT tem se mostrado incomodado com colegas que se dizem da oposição, mas não adotam tom crítico contra o governador Wellington Dias (PT). Para Robert, não se pode ficar em cima do muro diante da situação em que o petista conduz a gestão estadual.

    • Casa do Carneiro - Rações e Derivados
    • 4a. Corrida UNINOVAFAPI - Zero86 - 19 de novembro de 2017
    • Full banner
  • domingo, 22 de outubro de 2017, às 10:19h

    Encontro político reuniu vários moradores na cidade de Floriano, no Sul do Piauí

    O deputado estadual Evaldo Gomes (PTC) cumpriu agenda política na tarde do sábado (21) em Floriano, na região Sul. Junto com ele estava o pré-candidato a deputado federal do partido, Marcos Vinicius Dias. Visando fortalecer as bases eleitorais para 2018, eles reuniram cerca de 170 pessoas em um almoço numa casa.

    Evaldo e Marcus Vinicius foram recebidos pela família que mora no local, cujos membros mantêm vínculo político com ele. A intenção é atrair mais gente para o círculo que acompanha Evaldo na Princesa do Sul. Durante o encontro, os portões ficaram o tempo todo abertos.

    Dupla do PTC tem intensificado movimentação política pelo interior do Piauí

    A partir de agora, a agenda política da dupla deve se intensificar cada vez mais. Um dos focos de Evaldo e Marcos Vinicius tem sido justamente as pequenas e médias lideranças do interior. Concorrentes já encaram a dupla como uma “predadora” de votos que precisa ser monitorada.

    • Casa do Carneiro - Rações e Derivados
    • 4a. Corrida UNINOVAFAPI - Zero86 - 19 de novembro de 2017
    • Full banner
  • sábado, 21 de outubro de 2017, às 17:45h

    No encontro, novo presidente do G13 foi empossado (Foto: PoliticaDinamica.com)

    Um grupo formado por prefeitos da região Sul do Piauí se reuniu na tarde deste sábado (21) na cidade de Sebastião Leal, a 400 km de Teresina. Foi o encontro do G13, que apesar do nome, conta com 15 municípios, sendo 12 da região dos Tabuleiros do Alto Parnaíba e três [Colônia do Gurguéia, Manoel Emídio e Eliseu Martins] do território da Chapada das Mangabeiras.

    O presidente da Associação Piauiense de Municípios (APPM), prefeito Gil Carlos (PT), esteve no encontro. Também participaram o deputado federal Júlio Cesar (PSD), o secretário estadual de Saúde Florentino Neto (PT) e o deputado estadual Georgiano Neto (PSD). Na ocasião, os gestores debateram a crise que os municípios enfrentam e discutiram formas de unir forças para reivindicar mais atenção às causas municipalistas.

    Pres. da APPM, Gil Carlos, defende formação de consórcios (Foto: PoliticaDinamica)

    No encontro, o prefeito de Sebastião Leal, Ângelo Sousa (PT), tomou posse como novo presidente do G13. De acordo com o presidente da APPM, Gil Carlos, os temas mais importantes debatidos no encontro foram a crise nacional que prejudica os municípios, o melhoramento da gestão fiscal e o fortalecimento da arrecadação própria nas cidades.

    “O foco do encontro foi essa crise nacional que afeta de maneira mais contundente os municípios. Também debatemos o melhoramento da gestão fiscal dos municípios e o foco na arrecadação própria. Essa região, por exemplo, é forte no agronegócio e tem um potencial de aumentar arrecadação através dos impostos compartilhados, como o ICMS. Também debatemos um tema preocupante que é a questão do rio Gurguéia, um importante afluente do Parnaíba que banha boa parte deste vale”, falou Gil Carlos.

    Prefeitos cobram apoio para enfrentar crise nos municípios (Foto: PoliticaDinamica.com)

    Os gestores municipais cobram do governo federal um repasse extra no final do ano para que as prefeituras consigam fechar as contas de 2017 e ainda discutiram reforço no atendimento à saúde na região. Conforme o presidente da APPM, um dos objetivos da instituição é incentivar a formação e o fortalecimento de consórcios como o G13, união que segundo ele beneficia os municípios e fortalece as reivindicações dos gestores municipais.

    “Na APPM nós estamos fortalecendo essas associações e consórcios regionais. A ideia é que municípios vizinhos, que possuem problemas mais semelhantes e as mesmas peculiaridades, consigam manter o debate de maneira mais contínua e assim fortalecendo todo o movimento municipalista do Estado do Piauí”, disse Gil Carlos.

    • Casa do Carneiro - Rações e Derivados
    • 4a. Corrida UNINOVAFAPI - Zero86 - 19 de novembro de 2017
    • Full banner
  • sábado, 21 de outubro de 2017, às 9:10h

    Parlamentar do PV mira as eleições de 2018 (Foto: Jailson Soares/PoliticaDinamica.com)

    A vereadora Teresa Britto (PV) disse na sexta-feira (20) durante evento do partido na Câmara Municipal de Teresina que pode ser candidata ao governo do Piauí em 2018, mas deixou claro que sua principal pretensão é concorrer a uma vaga na Assembleia. O objetivo dela é não deixar passar a oportunidade que esteve na sua frente em 2014, quando tinha grandes chances de se eleger deputada estadual numa coligação com o PTC de Evaldo Gomes. Na época, ela preferiu disputar o cargo por outro bloco partidário, teve mais de 19 mil votos e não se elegeu.

    “Não descartamos nada. Hoje eu digo que sou pré-candidata a deputada estadual, mas não descarto [concorrer ao governo]. Já fui candidata a governadora e foi uma das melhores coisas que eu fiz. Conheci o Piauí, os seus problemas e as suas potencialidades. Sei o que é isso, tenho três mandatos de vereadora, mas percorro o Piauí e sou uma pessoa qualificada”, falou.

    Teresa Britto lembrou que possui duas formações superiores, especialização e muita vivência política. Por conta disso, afirma não ter medo de debater com nenhum outro candidato a governador. Ela diz que todos os problemas que conheceu ao percorrer o Piauí quando foi candidata em 2010 não foram solucionados pelos governadores que comandaram o Estado nos últimos anos e citou a problemática da seca.

    “[A falta de água no semiárido] é uma questão que o pessoal diz que perpassa pelo fator da natureza, mas não. Falta também muita organização por parte do Estado, que não se organizou para enfrentar e fazer a convivência do homem do semiárido, mesmo com pouca chuva, mas tendo água para sobreviver, plantar e criar. Poderia já ter isso”, afirmou.

    A vereadora também fez duras críticas à segurança pública e aos problemas enfrentados no atendimento de saúde no Estado. Segundo ela, a cidade de Teresina está gastando 36% do seu orçamento com saúde porque o Estado não faz sua parte no interior e acaba sobrecarregando a capital. “O Estado não ajuda Teresina. Nem os repasses que são obrigatório ele não está fazendo. É um estado super desorganizado e não está tendo gestão”, finalizou.

    • Casa do Carneiro - Rações e Derivados
    • 4a. Corrida UNINOVAFAPI - Zero86 - 19 de novembro de 2017
    • Full banner
  • sexta, 20 de outubro de 2017, às 12:53h

    O diretor-geral do DER-PI, Castro Neto (Foto: Jailson Soares/PoliticaDinamica.com)

    Na data em que se comemorou o Dia do Piauí, o governo do Estado deu um presente aos teresinenses. Entregou, na quinta-feira (19), a primeira etapa do elevado da avenida Miguel Rosa, obra iniciada ainda na gestão de Wilson Martins (PSB) e que se arrastava nos últimos anos. Tudo bem que foi a primeira etapa, mas já é um bom presente para a população.

    Um dos mais felizes na entrega era o diretor-geral do Departamento de Estradas de Rodagem do Piauí (DER), José de Castro Neto. Ele assumiu a direção do órgão estadual em março deste ano, portanto, há sete meses. Apesar do pouco tempo, a obra ganhou ritmo intenso nesse período. É preciso reconhecer que sob o comando dele, a construção foi acelerada.

    Entrega do primeira etapa do elevado (Foto: Divulgação/Governo do Piauí)

    Entregar a obra foi um dos compromissos de Castro Neto quando assumiu o DER, que até março era dirigido pelo engenheiro José Dias, tio do governador Wellington Dias (PT). A conclusão da primeira etapa do elevado é mais uma realização que vai para a conta de Castro Neto. Como todos sabem, ele é filho do deputado federal Marcelo Castro (PMDB).

    O menino já se orgulhava bastante de duas outras importantes obras que entregou no Piauí. Quando era secretário de Infraestrutura do governo de Wilson Martins, conseguiu concluir e, enfim, inaugurar o Parque Potycabana, em Teresina. Também foi ele que entregou concluída a urbanização da orla da praia de Atalaia, em Luís Correia, no litoral do Estado.

    Em seu discurso quando tomou posse na direção do DER, em solenidade ocorrida no Palácio de Karnak, Castro Neto falou do orgulho das duas obras. Ele carrega o nome do avô José de Castro e tem se revelado um gestor pé quente. Tem tido sorte também, é verdade, mas é preciso reconhecer sua eficiência num Estado onde obras se arrastam ao longo dos anos e cheio de gestores desleixados com os empreendimentos públicos que conduzem.

    • Casa do Carneiro - Rações e Derivados
    • 4a. Corrida UNINOVAFAPI - Zero86 - 19 de novembro de 2017
    • Full banner
  • sexta, 20 de outubro de 2017, às 12:04h

    Ele criticou o PT, partido que ajudou fundar (Foto: Jailson Soares/PoliticaDinamica.com)

    O médico sanitarista e ex-deputado federal Eduardo Jorge (PV) esteve em Teresina nesta sexta-feira (20) para participar de uma formação política do partido. Ex-petista e companheiro de Lula até 2003, ele criticou o ex-presidente, disse que nos 12 anos do seu governo ele só piorou e ainda chamou o maior líder do PT de desesperado.

    “Infelizmente, para eu que vivi e convivi com ele durante muito tempo, e foi uma esperança muito grande para o Brasil, votar no Lula hoje é muito diferente de 2002 e de 1998. Nos 12 anos, em vez dele ter melhorado e crescido, ele só piorou. É um homem hoje desesperado e extremado”, falou o médico que ajudou a fundar o PT.

    Eduardo Jorge disse ainda que o Brasil corre perigo em 2018, pois é grande a possibilidade de termos um segundo turno entre uma “extrema direita reacionária e violenta e uma esquerda recalcada e vingativa”. Para ele, é preciso haver um campo democrático que encare essas duas realidades que ameaçam polarizar o pleito eleitoral do próximo ano.

    Para Eduardo, Dilma foi incompetente (Foto: Jailson Soares/PoliticaDinamica.com)

    CRÍTICAS A DILMA
    O ex-petista faz questão de comemorar o fato de ter saído do PT em 2003. Além de criticar Lula, ele também fez críticas a ex-presidente Dilma Rousseff, cassada em 2016 após processo de impeachment no Congresso Nacional.

    “Infelizmente o governo Dilma naufragou por incompetência de um lado, mas não foi por esse caso que ela foi afastada e sim por irregularidades. Na Democracia existe lei e a lei previa que, em caso de irregularidades como cometeu o governo dela, ela teria que ser afastada. O impeachment foi legal, constitucional, correto e necessário. Mas a lei prevê que só assume o vice dela, eleito com ela e com o programa dela, escolhido pelo próprio PT”, falou.

    No entanto, ele destaca que Temer assumiu e logo se viu que ele também estava comprometido com as irregularidade anteriores e as novas, motivo que também o faz defender a saída do peemedebista do cargo. Apesar disso, ele afirma que o governo Temer tem melhorado a economia do país e deixado as empresas estatais “mais a salvo dos assaltos e do clientelismo político”. Para Eduardo Jorge, e equipe econômica de Dilma era péssima.

    • Casa do Carneiro - Rações e Derivados
    • 4a. Corrida UNINOVAFAPI - Zero86 - 19 de novembro de 2017
    • Full banner
  • sexta, 20 de outubro de 2017, às 11:06h

    Eduardo veio à Teresina proferir palestra (Foto: Jailson Soares/PoliticaDinamica.com)

    O médico sanitarista Eduardo Jorge, nome do PV para disputar a presidência da República em 2018, esteve em Teresina nesta sexta-feira (20) onde participou de um encontro de formação política do partido. Na capital piauiense, ele falou sobre a atual conjuntura política do Brasil e disse que prefere ficar bem longe dos atuais pré-candidatos que se apresentam.

    “Graças a Deus eu vejo eles bem longe de mim. A convivência com alguns desses candidatos é insalubre e eu, que sou um mero funcionário público, médico concursado da Secretaria de Saúde do estado de São Paulo, tenho esse privilégio de poder evitar ter convivência com certas pessoas. Não dependo de ninguém, só dependo do meu trabalho e só convivo com quem eu gosto”, falou.

    De acordo com Eduardo Jorge, que foi candidato a presidente em 2014, as eleições de 2018 serão completamente diferente das duas últimas disputas presidenciais. Ele afirma que em 2010 e 2014 seus adversários pertenciam a uma “mesma família”. Para ele, todos eram da ala “socialista social democrata”, sendo o PSDB social democrata tropicalista, o PT socialista radical semi-marxista e Marina Silva socialista verde.

    Ele ainda não se coloca como pré-candidato (Foto: Jailson Soares/PoliticaDinamica.com)

    “Eram essas as pessoas que a gente tinha em 2014, com algumas diferenças de programas, mas eram de dentro de uma mesma família. Agora em 2018 a coisa é extremada. Ela vai de um nacionalismo retrógrado reacionário e violento a uma esquerda desesperada. Isso é muito grave no Brasil. A necessidade de ter um campo democrático que seja capaz de unificar o país é muito grande”, falou.

    Eduardo Jorge não se coloca como pré-candidato em suas viagens, pois diz cumprir a lei. “Eu estou aqui pela fundação [Herbert Daniel, ligada ao PV] e a fundação é formação política e não política eleitoral. Portanto, não é o meu caso [ter vindo fazer pré-campanha]. Primeiro, eu respeito a lei, segundo porque eu não sou mesmo [pré-candidato]”, disse.

    • Casa do Carneiro - Rações e Derivados
    • 4a. Corrida UNINOVAFAPI - Zero86 - 19 de novembro de 2017
    • Full banner
  • quarta, 18 de outubro de 2017, às 13:46h

    Para Rafael, proposta de FHC mudaria tudo (Foto: Montagem/PoliticaDinamica.com)

    Um dos técnicos mais renomados do governo Wellington Dias (PT), o secretário de Fazenda Rafael Fonteles disse que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) poderia ter evitado toda a crise financeira atual, mas que não deixaram ele fazer isso. Durante audiência com deputados na Assembleia Legislativa nesta quarta-feira (18), ele falou que todo o gargalo previdenciário não existiria se tivessem concordado com uma proposta de FHC em 1999.

    Rafael explica que o grande problema para as contas públicas do país e nos Estados são os gastos previdenciários. No Piauí, por exemplo, a folha de servidores inativos cresceu 17% em um ano. Mas tudo isso seria diferente se a proposta de Fernando Henrique tivesse sido aprovada no Congresso. É que atualmente a contribuição previdenciária do servidor público no Brasil está em 11%, mas naquela época FHC propôs que ela fosse de 25%.

    O secretário foi categórico ao afirmar que, se tivessem deixado a proposta prosperar, o Piauí e nenhum outro Estado viveria o déficit previdenciário atual, apontado como o maior responsável pela crise financeira nos governos estaduais. Ao ouvir a afirmação, o deputado estadual Mauro Tapety (PMDB) fez questão de perguntar se o aumento proposto por FHC há 18 anos teria sido a solução e Rafael reafirmou o que disse.

    Secretário de Fazenda foi à Assembleia (Foto: Jailson Soares/PoliticaDinamica.com)

    SEM CHORORÔ
    Rafael Fonteles disse que a reforma da Previdência é urgente para evitar que o Brasil entre em estado de colapso. Ele destacou que dificilmente a reforma será aprovada no atual governo, mas que o próximo presidente da República tem que ter a coragem de fazê-la, independente da reação negativa daqueles que não concordarem com as mudanças.

    “Tem que fazer. Pode até não dizer na campanha, mas vai ter que fazer. Não tem jeito”, falou. 

    Ele ainda criticou a postura do governo de recuar toda vez que uma categoria faz quebradeira no Congresso em protesto contra as mudanças que a afetam. Para Rafael, todos têm que compreender a necessidade urgente das mudanças em nome do bem do país.

    • Casa do Carneiro - Rações e Derivados
    • 4a. Corrida UNINOVAFAPI - Zero86 - 19 de novembro de 2017
    • Full banner
  • quarta, 18 de outubro de 2017, às 12:58h

    Secretário diz que 13º pode não ser pago (Foto: Jailson Soares/PoliticaDinamica.com)

    O secretário estadual de Fazenda, Rafael Fonteles, admitiu nesta quarta-feira (18) que o Piauí caminha seriamente para “quebrar” e disse que o risco de colapso nas finanças do Estado é real. Ele também falou que o governo pode não pagar o 13º salário dos servidores e deixar de honrar pagamentos com prestadores de serviço até o final do ano. As afirmações foram feitas a deputados estaduais na Assembleia Legislativa do Piauí.

    De acordo com Rafael, atualmente o Piauí gasta mais de 95% da sua receita para pagar servidores ativos e inativos e manter despesas de custeio essenciais. Tudo o que resta para outras finalidades, como obras e investimentos, é pouco menos de 5%, percentual que segue caindo. Os gastos com inativos, por exemplo, são crescentes e a escassa margem que resta deverá facilmente ser comprometida. A estimativa do governo é que 10 mil servidores já têm o direito a se aposentar atualmente no Estado, o que vai agravar de vez a situação.

    Rafael expôs a situação para deputados (Foto: Jailson Soares/PoliticaDinamica.com)

    “O Estado não está quebrado, mas caminha seriamente para isso. Essa situação [de colapso] é o que nós queremos evitar. Se nada for feito e as reformas em âmbito nacional não foram feitas, essa vai ser a realidade de vários estados, inclusive do Piauí. O risco de atrasar salários e não pagar o 13º continua e estamos tomando medidas duras para evitar que haja o colapso das finanças, porém a prioridade é não haver atraso no calendário de pagamento. Continuamos vigilantes para o Piauí não colapsar como vários estados já colapsaram”, falou.

    Rafael Fonteles disse que o Piauí só não entrou em colapso ainda por conta do trabalho de arrecadação própria que tem aumentado nos últimos meses. Rafael foi questionado sobre a quantidade de servidores comissionados no governo estadual e disse que eles representam algo em torno de 2% das despesas do governo. O percentual, apesar de pequeno, representa mais de R$ 5 milhões por mês aos cofres da administração estadual.

    Rafael ouviu questionamentos na Alepi (Foto: Jailson Soares/PoliticaDinamica.com)

    O secretário disse ainda que vai haver atraso no pagamento de fornecedores e/ou prestadores de serviço para o Estado. Ele admite que, nesses casos, sempre ocorrerá situações onde a dívida com essas pessoas será empurrada para os anos seguintes, aumentando ainda mais os chamados “restos a pagar”. Já existem atrasos com fornecedores.

    • Casa do Carneiro - Rações e Derivados
    • 4a. Corrida UNINOVAFAPI - Zero86 - 19 de novembro de 2017
    • Full banner
  • quarta, 18 de outubro de 2017, às 8:33h

    Bloco partidário se articula para a disputa proporcional nas eleições de 2018

    Dirigentes de sete partidos políticos se reuniram na terça-feira (17) em Teresina para discutirem uma coligação nas eleições estaduais do próximo do ano. O bloco deve ser composto por PV, PSL, PSC, PPS, PRP, PEN e PSDC.

    A coligação entre os partidos traça o objetivo de eleger três deputados estaduais e um deputado federal. O bloco se auto intitula como uma renovação da política piauiense, principalmente em razão do descrédito que atinge a classe política.

    O presidente estadual do PSL, Sérgio Bandeira, disse que o grupo de partidos está unido em prol do Estado. “Estamos unidos e compromissados com o desenvolvimento do Piauí", falou.

    • Casa do Carneiro - Rações e Derivados
    • 4a. Corrida UNINOVAFAPI - Zero86 - 19 de novembro de 2017
    • Full banner
  • terça, 17 de outubro de 2017, às 16:07h

    O prefeito do município de Várzea Branca, no Piauí (Foto: Reprodução/Facebook)

    Uma polêmica inusitada envolve o prefeito do município de Várzea Branca, a 574 km de Teresina, e um dos sanfoneiros mais conhecidos da região do Sul do Piauí. O motivo é o não pagamento pela apresentação do artista na festa da vitória do gestor no 3 de outubro de 2016. Na ocasião, o prefeito Idevaldo Ribeiro (PSB) foi reeleito.

    A comemoração foi animada por Maurinho do Acordeon, sanfoneiro consagrado na região. No entanto, ele alega nunca ter recebido pela apresentação. Nesta terça-feira (17), a filha do artista fez uma postagem no Facebook desabafando sobre o episódio e dizendo que Maurinho nunca recebeu pela festa que celebrou a vitória do prefeito.

    Maurinho chegou a ser cogitado para tocar nos festejos do município este ano e deveria ter animado uma festa no dia 1º deste mês na cidade, mas a apresentação, conforme o relato da filha, foi cancelada após o prefeito ter ficado ofendido com a cobrança referente à festa da vitória. Na publicação, ela diz que a contratação para as festividades não será mais possível.

    Maurinho é um dos artistas mais conhecidos da região Sul (Foto: Reprodução/Facebook)

    A filha do artista ainda pediu desculpas aos moradores de Várzea Branca que estavam na expectativa de Maurinho do Acordeon se apresentar nos festejos da cidade. A publicação encerra com a hashtag #paguemeucachê.

    O Política Dinâmica não conseguiu contato com o prefeito Idevaldo para comentar o episódio.

    • Casa do Carneiro - Rações e Derivados
    • 4a. Corrida UNINOVAFAPI - Zero86 - 19 de novembro de 2017
    • Full banner


voltar para 'Política Dinâmica'