NOTÍCIAS

INDECISÕES ATRASARAM A CAMPANHA DOS REPUBLICANOS

DOUTOR PESSOA DEMOROU PARA DEFINIR RUMOS DO PARTIDO EM 2022 E CANDIDATOS TIVERAM QUE APOIAR NOMES DE OUTRAS SIGLAS PARA ELEIÇÕES DE 2022

22/08/2022 11:35

As decisões e indecisões dos líderes do Republicanos no Piauí podem ajudar a afastar as chances dos candidatos do próprio partido a conquistarem vagas no Legislativo estadual e na Câmara Federal nestas eleições de 2022. No Estado, a sigla passou a ser comandada de "última hora" pelo prefeito de Teresina, Doutor Pessoa (Republicanos), que desde que começou a administrar a Prefeitura de Teresina em janeiro de 2021, já tentava viabilizar seu nome ou mesmo buscar uma "cobaia" para se colocar como candidato da terceira via ao Governo do Estado, para fugir da polarização dos grupos políticos comandados por Wellington Dias (PT) e Ciro Nogueira (PP). Porém, apesar de sair amplamente vitorioso numa eleição municipal na histórica capital dos tucanos, Doutor Pessoa não conseguiu nem mesmo permanecer no seu partido o MDB.  

Doutor Pessoa demorou a dizer qual o rumo o Republicanos tomaria nas eleições de 2022 (foto: Jailson Soares/ PD)

Sem um partido para chamar de "seu", o prefeito acabou se rendendo a ajuda do presidente Jair Bolsonaro (PL) e do ministro Ciro Nogueira (PP-PI) para conseguir a liderança do Partido Republicanos no Piauí. Mas, o partido chegou tarde, já em fevereiro de 2022, e o prefeito não conseguiu encontrar um nome competitivo para disputar o Governo do Piauí, além disso, os recorrentes problemas na sua gestão em Teresina, adiaram mais uma vez os anseios do gestor. Para piorar a situação, o líder do Republicanos precisou se ausentar do partido, por motivo de doença, em pleno período pré-eleitoral, numa semana decisiva para construção de apoios políticos entre os partidos para eleições de 2022. Como resultado, o partido ficou divido entre o presidente da Câmara de Vereadores de Teresina e pré-candidato a deputado estadual, Jeová Alencar (Republicanos), e o vice-prefeito de Teresina, Robert Rios (Republicanos), cada um tentando levar a sigla para um lado. 

Veja matérias:

ROBERT RIOS COM RAFAEL FONTELES

JEOVÁ ALENCAR APOIA SÍLVIO MENDES

Sem uma decisão ou manifestação maior do líder do partido [Doutor Pessoa], as lideranças do Republicanos acabaram escolhendo lados distintos na campanha eleitoral de 2022. O prefeito "voltou ao batente", mas ja era tarde para costurar uma nova aliança e o resultado foi que já se era esperado. O prefeito acabou  decidindo que não iria decidir de qual lado iria ficar nas eleições para governador do Estado, liberando oficialmente os membros da partido a escolherem seus lados. Para agravar ainda mais a situação, no “apagar das luzes” Doutor Pessoa fez uma exigência lógica, porém descabida ao ser feito de última hora, decidindo que todos os candidatos do partido deveriam apoiar outro candidato da sigla nas eleições proporcionais formando "dobradinhas internas".  

Doutor Pessoa foge da briga e não escolhe lado que poderia apoiar para o Governo do Piauí nas eleições de 2022 (foto: ascom)

Segundo Doutor Pessoa, um deputado estadual do Republicanos deveria apoiar um deputado federal do próprio partido e vice-versa. Porém, com a demora de decisão da cúpula e com uma eleição atípica devido ao período de pré-campanha já acirrado, quase todos os candidatos, inclusive do republicanos já haviam estabelecido alianças com políticos de outros siglas na busca por base maiores.

FIEIS A INDECISÃO DE DOUTOR PESSOA

Apesar da decisão por "dobradinhas internas" de última hora, alguns dos candidatos do Republicanos conseguiram permanecer fieis a “imposição” do prefeito. Dentre esses estão a candidata a deputada federal Vânia Queiroz (esposa do vereador de Teresina Capitão Roberval) que vai apoiar o candidato Jeová Alencar para deputado estadual. Jeová é o presidente da Câmara de Vereadores de Teresina e um dos principais líderes da nova composição do Republicanos.

 Vânia Queiroz vai apoiar candidatura de Jeová Alencar, assim como boa parte dos vereadores da Câmara de Teresina (foto: redes sociais)

A ex-secretária da Prefeitura de Teresina Karla Berger vai concorrer ao cargo de deputado federal e apoiar dois nomes do partido para vaga na Alepi, sendo eles Jeová Alencar e a, também, candidata a estadual Dalva Fernandes (Republicanos). Já o vereador republicano Antônio José Lira, que concorre a vaga de deputado federal é apoiador certo de Jeová Alencar.

Jeová é o candidato a deputado estadual que mais tem apoio dos colegas do Republicanos (foto: redes sociais)

A deputada federal e candidata a reeleição Marina Santos vai apoiar o ex-marido Marcus Vinícius que é candidato a deputado estadual, ambos pelo Republicanos.

O candidato a deputado federal Thiago Duarte (Republicanos), apontado como o "preferido" da gestão municipal para o pleito, vai apoiar a candidatura a deputado estadual do ex-vereador Joninha (Republicanos), mas também tem participado de reuniões com o candidato a deputado estadual Doutor Vinicius (PV+PT). O presidente da Câmara e candidato a deputado estadual, Jeová Alencar, vai apoiar para deputado federal o empresário Jardyel Alencar (PV+PT). 

O ex-vereador de Teresina e candidato a deputado estadual Lazaro Carvalho (Republicanos) vai apoiar o nome da esposa e candidata a deputada federal, Elisvania Rodrigues (União Brasil). 

GESSIVALDO QUASE "SOZINHO", MAS COM FÉ

Quem até agora parece caminhar quase que sozinho nestas eleições de 2022 é o deputado estadual e candidato a reeleição, pastor Gessivaldo Isaías (Republicanos). Na convenção do partido, no início de agosto, o deputado disse que vai seguir totalmente as orientações do Prefeito Doutor Pessoa e não anunciou apoio a nenhum dos candidatos ao Governo do Estado do Piauí.

Até agora, o deputado tem feito reuniões e participado de ações na companhia da candidata a deputado federal Ana Fidelis (Republicanos). Ambos têm como base eleitoral a comunidade evangélica.

Candidato tem feito comícios distribuindo seus santinhos só com seu nome para deputado estadual (foto: reprodução)

Durante seus últimos mandatos, Gessivaldo esteve sempre apoiando as gestões do ex-governador Wellington Dias (PT), porém, com a mudança na direção do Republicanos e sem conseguir migrar para outra sigla, o pastor permaneceu no Republicanos por achar ter mais chances na sigla para conquistar a reeleição. Nessa disputa, o pastor ao mesmo tempo que contará com ajuda da votação do seu colega partidário e candidato Jeová Alencar, também, terá o desafio de conseguir mais votos que ele [Jeová] para garantir a sua permanência na Alepi. 


Comente