NOTÍCIAS

DOUTOR PESSOA PERDE O CONTROLE

CRITICADO POR ONDE ANDA PELOS PROBLEMAS EM TERESINA, PREFEITO DISCUTE E TROCA XINGAMENTO COM SERVIDORES DURANTE PROTESTO

08/09/2022 10:41

Não bastasse os problemas na cidade de Teresina, o prefeito da Capital, Doutor Pessoa (Republicanos) agora tem reforçado sua segurança nos eventos públicos que participa. Nessa quarta-feira (07/09), o gestor acompanhava o tradicional desfile cívico de comemoração do 7 de setembro (Independência do Brasil), quando ao sair do local foi cercado por manifestantes e trocou xingamentos e palavrões contra a população. “Vai trabalhar, vagabundo”, gritou o Prefeito.

Após protestos, Doutor Pessoa teve que sair do desfile de 7 de Setembro cercado por seguranças e pela Guarda Municipal (foto: Jailson Soares/ PD)

A situação do prefeito nas ruas, enfrentando diariamente manifestações dos servidores públicos municipais, na maioria professores, que reclamam do não cumprimento do piso e de aumento de 33% nos salários, perdura desde o início do ano com os docentes da rede pública municipal de ensino em Greve. Sem negociar com os manifestantes sindicalizados, o prefeito tem sido hostil e sido tratado da mesma forma pelos manifestantes.

Algumas semanas atrás, uma professora da rede municipal chegou a registar um Boletim de Ocorrência por agressão supostamente sofrida contra ela pelo prefeito. A denúncia é que o prefeito Doutor Pessoa teria chutado a professora uma manifestação do Sindicato dos Servidores Municipais de Teresina (Sindserm) em frente a uma escola pública na zona Leste de Teresina (Veja matéria!).

PROBLEMA NO TRANSPORTE PÚBLICO

Nas ruas, a administração de Doutor Pessoa tem sido alvo de críticas. Desde o início do seu governo há problemas com o transporte público, que não opera com qualidade na cidade. A situação esteve ainda mais grave com paralisação do setor por mais de 10 meses durante sua gestão, mas desde que voltou a operar, o sistema não suporta a demanda. Sem solução e sem acreditar nas promessas da gestão municipal, muitos usuários já desistiram de usar o sistema e utilizam-se de outros meios como transporte por aplicativo, táxi ou mototáxi para se locomoverem na capital, mesmo tendo que gastar mais caro para isso.  

“O transporte não tamo parte caducado para que tomemos em conjunto com as empresas que tenha condições de operar ou com outras empresas já está em processo final. Eu acredito, que já nas primeiras de setembro, com mais finalidade. Porque nós já melhoremos, mas melhoremos pouco, precisamos melhorar mais. Teresina precisa de uma frota no entorno de 400 ou mais e nós temos duzentos e pouco, fora que tem empresas que não tem capacidade de operacionalizar”, disse o prefeito em entrevista ao Política Dinâmica, ao ser questionado de como resolveria o problema do transporte público.  

PROBLEMA NA SAÚDE

No setor da saúde, a Prefeitura também enfrenta graves problemas. O Ministério Público do Piauí (MP-PI) e até os vereadores aliados da Prefeitura na Câmara têm cobrado da gestão municipal mais transparência e agilidade nos serviços prestados à população. Recentemente, o gestor da Fundação Municipal de Saúde (FMS), Gilberto Albuquerque, convocou a imprensa para alertar que o município não havia conseguido comprar insumos básicos para o pleno funcionamento do Hospital de Urgência de Teresina (HUT), Unidades de Pronto Atendimento (Upas) e até das unidades básicas de saúde da capital. 

Gestão do doutor Gilberto Albuquerque na FMS virou mais um problema da administração do prefeito Doutor Pessoa devido a constante falta de insumos básicos na rede hospitalar (foto: Jailson Soares / PD)

Por conta do problema, o gestor da FMS foi convidado para prestar esclarecimentos aos vereadores na Câmara Municipal, mas saiu de lá ouvindo dos parlamentares que não havia conseguido convencer os vereadores que os problemas seriam resolvidos. (veja matéria!). O Ministério Público, através do promotor Eny Pontes convidou o gestor da FMS para prestar esclarecimentos numa audiência pública, porém Gilberto Albuquerque não compareceu. Para o promotor, o setor da Saúde em Teresina está um caos devido a falta de planejamento. (veja matéria!)

“É uma falha muito grande, não há planejamento. Sei que há uma dificuldade grande de pagamento de fornecedores, por isso, dificulta a entrega desses medicamentos. Isso compromete a saúde dos pacientes, a segurança dos profissionais de exerceram suas atividades. É um caos geral”, disse o promotor Eny Pontes, durante a audiência no fim do mês de agosto.

GREVE NA EDUCAÇÃO

Desde o início do ano, a gestão do prefeito Doutor Pessoa e do secretário municipal de educação, Nouga Cardoso, enfrentam mais de 200 dias de greve dos professores da rede municipal de ensino. Os servidores acusam o prefeito de crime de improbidade administrativa em razão do descumprimento da Lei do Piso do Magistério.

Professores membros do Sindicato dos Servidores Municipais não têm dado descanso e sempre fazem protestos por onde o Prefeito faz agenda pública (foto: Jailson Soares/ PD)

Os mais de 3 mil profissionais em greve, querem que o cumprimento da Lei do Piso, que segundo eles, determina que o valor de reajuste dos salários seja de 33,23%. Porém, o projeto aprovado na Câmara, com conivência da Prefeitura, destinou somente 16% de aumento para categoria. O Sindserm também denuncia que a PMT gastou apenas 47% dos recursos do Fundo Nacional de Educação Básica (Fundeb) com a remuneração dos professores no primeiro bimestre, quando a lei determina que seja de 70%.

Diante dos problemas causados pela Pandemia com alteração do calendário escolar e ainda mais com uma greve que já dura mais de 200 dias. O secretário da Semec, Nouga Cardoso, já declarou que o calendário escolar da rede municipal só deverá se regularizar no ano de 2024. O período letivo de 2022 está atrasado e só deve finalizar em 2023. Com isso, o de 2023 só terminar em 2024.

SITUAÇÃO POLÍTICA DO PREFEITO

Para piorar, a situação política da gestão municipal também não anda harmonizada. Nessa última terça-feira (06/09), após uma certa polêmica, os vereadores de Teresina arquivaram o pedido do Ministério Público para votação de impeachment contra o prefeito Doutor Pessoa. Por outro lado, nos bastidores o que se comenta é que estaria estremecida a relação do gestor com o presidente da Câmara e candidato a deputado estadual, Jeová Alencar (Republicanos).

Situação política entre a Prefeitura e a Câmara poderá ficar estremecida caso prefeito decida cortar relações com o atual presidente da Câmara, Jeová Alencar (foto: Jailson Soares/ PD)

O líder do prefeito na Câmara e fiel escudeiro de Jeová Alencar, vereador Antônio José Lira (Republicanos), nega qualquer desavença entre os poderes. Ele explicou que na semana passada os vereadores não votaram a proposta de arquivamento por um equívoco no trâmite do processo.

“Na semana passada houve um equívoco era um requerimento do vereador Dudu, do PT, em que ele pedia arquivamento (processo de impeachment do prefeito). Mas, não se pode pedir arquivamento de algo que não tramitou. Hoje, foi diferente, o processo de impeachment foi lido e ai para tramitar precisa de maioria simples ou o plenário decide se houver o recebimento continua, se não houver é arquivado. Como todas as dúvidas fora elucidadas pelo próprio órgão de controle, o TCE, não foi aceito, não vai ser encaminhado e aí, automaticamente, baseado na lei passa a ser arquivado”, explicou o vereador Antônio José Lira.

Ainda segundo o parlamentar, estariam tentando usar o não arquivamento do processo de impeachment na semana anterior, para causar briga entre a Prefeitura e a Câmara. “Para acabar de vez com essa politicagem tentando atrapalhar o bom relacionamento do poder executivo e do legislativo. A casa aqui está para trabalhar pela cidade e não atrapalhar um prefeito que tá com um ano e meio de mandato, não tem nem metade, e fica essa fuxicada. Acabou o fuxico, agora é todo mundo trabalhar, os poderes são harmônicos e independentes, não vamos aceitar que fiquem criando embaraços, acabou foi arquivado”, ressaltou Lira.

Atualmente, a gestão de Doutor Pessoa tem como aliados mais de 20 dos 29 vereadores da Câmara de Teresina (foto: Jailson Soares/ PD)

Por outro lado, nos bastidores, o que se comenta até entre os próprios vereadores é que a relação entre Doutor Pessoa e a Câmara (leia-se Jeová Alencar) está estremecida. O próprio Jeová, em plena campanha para deputado estadual, não tem sido mais visto nas reuniões e caravanas do prefeito pela região de Teresina, nem Doutor Pessoa tem sido visto nos encontros promovidos por Jeová. Há quem diga, que um eminente e antecipado duelo entre Doutor Pessoa e Jeová na briga pela Prefeitura nas eleições de 2024 teriam esquentando ainda mais a cabeça do Prefeito, já cheia de outros problemas que precisa sanar pela capital. Além do mais, Jeová tem mostrado força na sua campanha pra deputado estadual e tem como aliados os principais opositores políticos da gestão municipal. 

Comente