Coluna Lídia Brito Política Dinâmica
ELEIÇÕES 2018
OPOSIÇÃO PROCURA UMA REFERÊNCIA

OPOSIÇÃO INICIA O ANO SE UM NOME DE REFERÊNCIA E VIVE À ESPERA DOS DESCONTENTES E INDEFINIDOS

29/12/2017 09:33

A oposição no Piauí inicia o ano de 2018 cercada de desconfianças.Na disputa pelo comando do Palácio de Karnak, até agora nenhum nome se apresentou como candidato de fato e os que são apontados como favoritos se destacam pelas dúvidas e declarações imprecisas. 

Nomes vistos como fortes vivem indefinição sobre 2018 (Foto:PoliticaDinamica.com)

Falta uma referência forte, um nome, para a oposição iniciar o próximo ano. Até agora o de maior peso é do ex-senador João Vicente Claudino(sem partido), mas recaem sobre ele algumas dúvidas  partidárias. Ele já anunciou que irá se filiar ao PTB, mas o impasse é que muitos nomes da sigla fazem parte do grupo de sustentação de Wellington Dias(PT) e não garantem apoio ao ex-senador. Não se sabe quem o seguirá e até que ponto ele conseguirá agregar um grupo forte. 

Outro nome de peso, mas visto com desconfiança, é o deputadoestadual Dr. Pessoa (PSD). O parlamentar é popular, carismático, maspoliticamente recaem sobre ele algumas questões que ficaram mais evidentes nadisputa pela prefeitura de Teresina em 2016. Dr. Pessoa é visto como umcandidato com dificuldades de agregar aliados. Além disso, ele também procuraum partido e faz críticas duras ao presidente do PSD, deputado JúlioCésar. 

A demora do prefeito de Teresina Firmino Filho (PSDB) em definir um futuro também afeta o processo de consolidação oposicionista. O tucano é visto como capaz de agregar um grupo forte, mas ao mesmo tempo ele receia em abandonar a prefeitura e ainda possui uma ligação muito forte como senador Ciro Nogueira (PP), que chega a incomodar muita gente dentro do PSDB e na oposição como um todo. A tendência é que ele continue no Executivo municipal.João Vicente e Firmino podem ficar do mesmo lado em 2019

As indefinições apontam que para o próximo ano a oposição parece viver à espera dos descontentes. O grupo aguarda uma definição não só dos nomes visto como quase certos para a disputa pelo Karnak, mas também, daquelas legendas e políticos, que sem o espaço desejado, devem deixar a base de sustentação do governador Wellington Dias (PT). 

A maior expectativa fica por conta do resultado da batalha entre PP e PMDB pela vaga de vice na chapa de reeleição do governador. Um dos dois sairá perdendo e a oposição aposta que o derrotado deverá sair do barco do governo e navegar nas águas oposicionistas. Os descontentes são aguardados como peças fundamentais para fechar a conta. Só depois das definições da base aliada é que o outro lado terá coragem de fato de dizer para o que veio. 

A cautela dos nomes considerados decisivos para a formação do quadro da disputa de 2018 mostra que há um certo receio em se anunciar candidato ao governo do Estado. Isso se deve em parte a força política do governador Wellington Dias. O petista é considerado por muitos invencível apesar das dificuldades administrativas enfrentadas em ano de crise. A oposição parece viver também à espera de que algo de extraordinário, que enfraqueça Wellington e dê coragem aos que vivem na espera por algo para se definir. 

Comentários (0)

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Nome:
mensagem:
Notícias relacionadas
ELEIÇÕES 2018
WELLINGTON ACEITA SUGESTÃO DE CIRO DE FAZER PESQUISA PARA DEFINIR VICE
WELLINGTON ACEITA SUGESTÃO DE CIRO DE FAZER PESQUISA PARA DEFINIR VICE
VIAGEM
GOVERNO TEM PRESSA NA FORMAÇÃO DAS COMISSÕES
GOVERNO TEM PRESSA NA FORMAÇÃO DAS COMISSÕES
ELEIÇÕES 2018
“MAIORES PARTIDOS DEVEM FICAR COM AS VAGAS MAJORITÁRIAS”, DIZ MARCELO CASTRO
“MAIORES PARTIDOS DEVEM FICAR COM AS VAGAS MAJORITÁRIAS”, DIZ MARCELO CASTRO
DISPUTA
“É CHOVER NO MOLHADO”, DIZ FIRMINO SOBRE DECLARAÇÕES DE JEOVÁ
“É CHOVER NO MOLHADO”, DIZ FIRMINO SOBRE DECLARAÇÕES DE JEOVÁ