Coluna Justiça Dinâmica Política Dinâmica
STF VOLTA A JULGAR COMPARTILHAMENTO DE DADOS BANCÁRIOS E FISCAIS

RECURSO COMEÇOU A SER JULGADO NA SEMANA PASSADA E JÁ TEM DOIS VOTOS DOS MINISTROS TOFFOLI E ALEXANDRE DE MORAES

27/11/2019 06:48

O Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) dará continuidade nesta quarta-feira (27), a partir das 14h, ao julgamento do Recurso Extraordinário (RE) 1055941, que trata do compartilhamento de dados financeiros pelos órgãos de controle com o Ministério Público e autoridades policiais sem prévia autorização judicial. O recurso, com repercussão geral reconhecida, começou a ser julgado na semana passada e, até o momento, votaram o relator, ministro Dias Toffoli, presidente do STF, e o ministro Alexandre de Moraes. O próximo a proferir voto é o ministro Edson Fachin.

BALIZAS
O relator, ministro Dias Toffoli, considera importante que a administração pública tenha acesso a dados bancários e fiscais para coibir práticas criminosas e de sonegação fiscal, mas propôs que o STF estabeleça balizas para que não haja comprometimento das garantias constitucionais do direito à intimidade e ao sigilo de dados dos cidadãos. O presidente do STF detalhou em seu voto as condições  em que o compartilhamento de dados pode ser efetuado, tanto pela Receita Federal quanto pela Unidade de Inteligência Financeira (UIF, antigo Coaf).

ESCUDO
O ministro Alexandre de Moraes, que divergiu em parte do relator, considera constitucional o compartilhamento de todos os dados da Receita Federal que embasem o lançamento de tributos e dos relatórios da UIF com os órgãos de persecução penal, desde que se garanta o sigilo dos dados compartilhados. Em sua avaliação, os direitos fundamentais não podem servir de escudo para a atuação de organizações criminosas.

RECURSO PARADIGMA
O recurso que está em julgamento foi interposto pelo Ministério Público Federal (MPF) contra decisão do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF-3) que anulou ação penal por considerar ilegal o compartilhamento de dados obtidos pela Receita Federal com o Ministério Público sem autorização judicial.


FONTE: Com informações do STJ

Comentários (0)

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Nome:
mensagem:
Notícias relacionadas
João Viana assume presidência da Asconpepi para biênio 2020/2021
João Viana assume presidência da Asconpepi para biênio 2020/2021
'MP 905 favorece empresários, mas requer cautela', afirma advogado
'MP 905 favorece empresários, mas requer cautela', afirma advogado
TCE detecta descumprimento da carga horária em escolas do Piauí
TCE detecta descumprimento da carga horária em escolas do Piauí
Evento vai debater atuação das mulheres na campanha eleitoral