Coluna Gustavo Almeida Política Dinâmica
PIAUÍ PODE LEVAR CALOTE MILIONÁRIO NA COMPRA DE RESPIRADORES

ESTADO DO PIAUÍ REPASSOU DINHEIRO PARA CONSÓRCIO NORDESTE COMPRAR RESPIRADORES NO EXTERIOR, MAS OS PRODUTOS NUNCA CHEGARAM

26/05/2020 10:10 - Atualizado em 26/05/2020 13:07

Eles pagaram antes de receber (Fotos: Jailson Soares/PoliticaDinamica.com)

O Governo do Piauí pode levar um calote de mais de R$ 4 milhões na compra de respiradores. Trata-se de uma compra feita através do Consórcio Nordeste. Cada estado da região repassou dinheiro para que o Consórcio, presidido pelo governador da Bahia, Rui Costa (PT), fizesse a compra dos respiradores numa empresa dos Estados Unidos.

No entanto, a compra do material foi cancelada e os respiradores nunca chegaram ao Brasil. Mas o pior de tudo é que o Governo da Bahia, que representou o Consórcio na compra, antecipou o pagamento de uma parcela de R$ 49 milhões. O valor se referia a 80% do preço de um lote de 600 respiradores que deveriam ter sido entregues até 20 de abril. A Bahia ficaria com metade do carregamento e o restante com os demais estados.

Conforme matéria do jornal Folha de S. Paulo publicada no dia 7 de maio, o representante da empresa norte-americana Ocean 26, da Califórnia, que assinou o contrato com o Governo da Bahia, já teve o nome envolvido em suspeitas de corrupção, nunca comprovadas, no clube de futebol São Paulo. O nome dele é Jack Banafsheha.

Informação obtida pelo Política Dinâmica através de fonte da Secretaria de Fazenda do Piauí (Sefaz) deu conta de que cerca de R$ 10 milhões teriam sido repassados pela Sefaz para a Secretaria de Saúde do Piauí destinados à compra dos respiradores via Consórcio Nordeste. Em alguns setores do Governo, muitos não creem mais na chegada dos produtos.

Florentino admite que Piauí repassou recursos ao CN (Foto: Jailson Soares/PoliticaDinamica)

Ao Política Dinâmica, o secretário de Saúde do Piauí, Florentino Neto (PT), confirmou que o Governo do Piauí antecipou valor para a compra, mas disse que foi pouco mais de R$ 4 milhões. Florentino argumentou que a compra foi prejudicada em razão da corrida mundial por respiradores e da interferência dos Estados Unidos, mas garantiu que o Consórcio Nordeste está fazendo todos os esforços para ainda garantir o recebimento dos produtos.

“A compra foi prejudicada em razão do mercado e da interferência dos Estados Unidos. O Consórcio está envidando todos os esforços para garantir o recebimento dos produtos. Essa compra foi uma compra que nós, na verdade, colocamos os recursos à disposição do Consórcio Nordeste e a compra foi toda executada pelo Consórcio. Nós compramos ali quatro milhões e pouco, não me lembro ao certo. Mas foi quatro milhões e pouco”, informou Florentino.

Apesar do secretário ainda falar que acredita na chegada dos aparelhos, o próprio Governo da Bahia, que representou o Consórcio Nordeste na compra, não acredita mais. Conforme matéria da Folha de S. Paulo, no dia 29 de abril a Secretaria de Saúde da Bahia notificou a empresa norte-americana sobre o cancelamento do contrato e solicitou o reembolso do adiantamento pago. Até a publicação da matéria da Folha, o dinheiro não havia sido devolvido.

A reportagem do Política Dinâmica procurou esta semana o Governo da Bahia, cujo governador é presidente do Consórcio Nordeste, para saber se os valores foram devolvidos. Os assessores do governador Rui Costa não deram resposta. O PD procurou também a Secretaria de Saúde da Bahia, que prometeu se posicionar, mas não enviou resposta até a publicação da matéria.

Compra foi feita pelo Consórcio Nordeste (Foto: Marina Silva/Correio24Horas)

Na matéria publicada pela Folha de S. Paulo, o secretário de Saúde da Bahia diz que a empresa Ocean 26, da Califórnia, foi recomendada por outras empresas após o cancelamento de uma compra anterior feita na China e que ficou retida no aeroporto de Miami, onde fazia conexão para ser enviada para o Brasil. Nessa primeira compra não houve antecipação de recursos. 

Numa nota enviada à Folha também no começo do mês, o Consórcio Nordeste tentou explicar. “O Estado da Bahia e o Consórcio Nordeste estabeleceram estratégia de comprar de fornecedores diferentes visando justamente previnir-se de compras frustradas num momento de grande concorrência no mercado internacional e de risco elevado de muitas mortes em virtude da não chegada dos equipamentos”, dizia o texto.

Enquanto o sistema de saúde pública do Piauí está à beira do colapso, como afirma o próprio governador Wellington Dias (PT), levar um calote milionário certamente vai agravar ainda mais a situação no Estado. Como se trata de dinheiro público, os responsáveis pela compra com antecipação de recursos terão que se explicar.

ANTERIOR

BOLSONARO DEVE DESEMBARCAR EM SÃO RAIMUNDO NONATO NO DIA 10

PRÓXIMA

DR. PESSOA: “NÃO DEVERIA TER UM DIA SEQUER DE FECHAMENTO DO COMÉRCIO”