TABATA CONTRARIA PDT E APOIA REFORMA

EM OPOSIÇÃO AO PRÓPRIO PARTIDO, CONTRÁRIO À PROPOSTA, DEPUTADA DEFENDE MUDANÇAS NA PREVIDÊNCIA QUE, SEGUNDO ELA, PERPETUA DESIGUALDADES

07/05/2019 08:16 - Atualizado em 07/05/2019 08:29

A jovem deputada Tabata Amaral, de 25 anos (Flávio Santana / Biofoto/EXAME)

Integrante de um partido de oposição ao governo Jair Bolsonaro (PSL), a jovem deputada federal Tabata Amaral (PDT-SP) ganhou os holofotes ao contrariar o próprio partido e defender publicamente a necessidade de uma reforma da Previdência. Autodeclarada progressista e considerada um dos destaques do Congresso, ela afirmou ao Estadão/Broadcast que sente "uma tristeza muito grande" ao ver deputados e partidos se posicionarem contra.

Um deles é o próprio PDT, que fechou questão contra. "Eu não consigo entender. Quem é progressista, quem tem a luta social como algo do sangue mesmo, como que essas pessoas não se posicionam contra a desigualdade que é perpetuada pela Previdência?", disse.

Embora não esteja na Comissão Especial que analisará a partir desta terça-feira (7) o texto da reforma da Previdência no Congresso Nacional, ela disse que trabalhará para esclarecer parlamentares e população sobre pontos bons e ruins da proposta.

Tabata fez críticas, por exemplo, às mudanças apresentadas pelo governo no benefício assistencial para idosos de baixa renda, o BPC, na aposentadoria rural, na aposentadoria de professores (cuja maior crítica da parlamentar é a ausência de uma valorização da carreira, a exemplo da proposta dos militares) e à falta de detalhes sobre o regime de capitalização que o governo quer criar para que os futuros trabalhadores tenham uma espécie de poupança individual para a aposentadoria.

Por outro lado, disse que o Congresso não pode se furtar diante da grave situação da Previdência, que deve ter um rombo superior a R$ 300 bilhões neste ano, considerando INSS e regime de servidores federais.

Para ela, a discussão sobre uma idade mínima, as alíquotas progressivas (que aumentam quanto maior é a renda do trabalhador) e o combate a privilégios nas aposentadorias de servidores vão na direção certa.

ELEIÇÃO

Ao admitir méritos na proposta, Tabata se coloca em um campo distinto ao do deputado Paulinho da Força (SD-SP), que descartou votar em proposta capaz de reeleger Bolsonaro. Ela classificou como "lamentável" colocar o cenário eleitoral como variável. "Espero que os deputados entendam o quão grave é a gente aprovar uma proposta injusta e o quão grave é não aprovar nenhuma proposta", disse.

Tabata é deputada de primeiro mandato e uma das fundadoras do Movimento Acredito, que pretende formar nova geração de lideranças políticas. Nascida na periferia de São Paulo, formou-se em Harvard, prestigiosa universidade americana. Foi a sexta deputada mais votada de São Paulo em 2018.

Já no Congresso, chamou a atenção ao travar duro debate com o ex-ministro da Educação Ricardo Vélez, criticando a falta de dados na audiência. E vem sendo alvo de críticas tanto da esquerda quanto da direita por não se denominar em nenhum dos campos e divergir com lideranças desses dois polos.

Embora sua principal bandeira seja a educação, ela disse que vem há dois anos estudando o tema da Previdência e critica o "debate raso". "Nossa Previdência leva dinheiro de quem tem menos para quem tem mais, perpetua desigualdades. Essa é a minha discordância da esquerda", disse.

A falta de profundidade nas discussões também atinge, em sua visão, a trincheira dos governistas. Para ela, esses parlamentares aceitam medidas que podem ser injustas com trabalhadores para garantir a economia de R$ 1,2 trilhão em dez anos pretendida pelo governo.

Tabata já apresentou seis emendas sugerindo mudanças no texto e pretende apresentar outras três: "Não posso esperar de braços cruzados".

Fonte: Estadão

Comentários (0)

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Nome:
mensagem:
Notícias relacionadas
MP DISPENSA ESCOLAS DO CUMPRIMENTO DOS 200 DIAS LETIVOS
MP DISPENSA ESCOLAS DO CUMPRIMENTO DOS 200 DIAS LETIVOS
PP VAI STF PARA SUSPENDER PRAZO DE FILIAÇÕES
PP VAI STF PARA SUSPENDER PRAZO DE FILIAÇÕES
CIRO PUBLICA ARTIGO E DIZ QUE ADIAR ELEIÇÃO É ATO HUMANITÁRIO
CIRO PUBLICA ARTIGO E DIZ QUE ADIAR ELEIÇÃO É ATO HUMANITÁRIO
"OU RENUNCIA OU SE FAZ O IMPEACHMENT DELE"