NOTÍCIAS

DIEGO DESISTE: BOLSONARISTAS VÃO PRA SÍLVIO

CORONEL DIEGO MELO DESISTE DA CANDIDATURA E ANUNCIA UNIÃO DAS OPOSIÇÕES EM TORNO DO NOME DE SÍLVIO MENDES PARA O GOVERNO DO PIAUÍ

29/09/2022 10:54

O Coronel Diego (PL) não é mais candidato ao Governo do Piauí. Ele anunciou nesta quinta-feira (29/09), há três dias das eleições gerais de 2022, que desistiu de sua campanha eleitoral e vai apoiar o candidato Sílvio Mendes (União Brasil). Apesar de ser do mesmo partido do presidente e candidato a reeleição, Jair Bolsonaro (PL), semana passada Diego foi surpreendido pelo anuncio de apoio de Bolsonaro a Sílvio. Como o ministro mais importante do Governo Federal, Ciro Nogueira (PP), já apoiava Mendes desde sempre, o coronel viu sua permanência na campanha insustentável. 

Candidato do PL convoca coletiva de imprensa para anunciar desistência de sua candidatura e apoio ao candidato Sílvio Mendes (foto: Jailson Soares / PD)

QUEDA

Diego Melo foi lançado candidato ao governo do Estado no dia 7 de fevereiro deste ano. Uma semana depois, se colocando como o legítimo representante do governo Bolsonaro no Piauí, talvez, alcançou 7,7% de intenções de voto em pesquisa publicada. A expectativa de crescimento era boa, mas os fatos se impuseram contra ele: quase nenhuma estrutura para fazer campanha e todos os esforços do ministro Ciro Nogueira em torno da candidatura de Sílvio Mendes. E o bolsonarismo passou a preferir o candidato que já estava à frente nas pesquisas. 

A LIVE MATOU A CAMPANHA

A gota d’água para decisão do coronel teria sido uma live no Youtube realizada no dia 15/09, na qual o presidente Jair Bolsonaro anunciou quais os candidatos apoiavam pelo país. Citando o Piauí, seus eleitores ouviram sair da boca do presidente a recomendação de que deveriam votar em Sílvio Mendes para o Governo e Joel Rodrigues (PP) para o Senado. 

Cabisbaixo e desolado: frustração no momento da desistência foi visível no grupo de Diego Melo; beneficiado, Sílvio Mendes não apareceu no evento (foto: Jailson Soares | PD)

Na ocasião, o próprio candidato ao governo do Piauí pelo PL disse ter se surpreendido com o anúncio de Bolsonaro.

CARTA ABERTA

Porém, nesta quinta-feira, em seu anúncio que chamou de “Carta aberta ao povo do Piauí”, Diego Melo disse que sua decisão é por conta da necessidade de união de forças da oposição para derrotar o candidato do PT ao Governo, partido que já administrou o Estado por 16 anos.

O coronel Diego Melo não conseguiu esconder em seu semblante que desistir o deixou desolado (foto: Jailson Soares | PD)

“Enxergarmos nesse momento uma oportunidade imperdível de superarmos a era PT no nosso Estado e iniciar um novo tempo para nosso povo piauiense (...). Nesse momento vejo uma janela de oportunidade, histórica, de afastarmos o PT e não podemos perde-la. Da minha parte sempre coloquei os interesses do povo do Piauí, acima de tudo e de todos, portanto, precisamos reconhecer que esse é o momento certo para tirarmos, finalmente, o PT e isso deve acontecer ainda neste primeiro turno. Para tanto, faz-se necessário dar união a oposição piauiense”, ressaltou Diego Melo.

SENTIRAM FALTA

O coronel disse ainda que tem poucas divergências de posicionamento com o candidato Sílvio Mendes, uma delas é o fato dele não apoiar a reeleição de Bolsonaro abertamente. Porém, apontou que, nesta hora, é preciso unir forças para que o candidato com melhores condições políticas possa ganhar do PT no primeiro turno.

Beneficiado pela desistência de Diego Melo, Sílvio Mendes não foi ao encontro do coronel para receber o apoio bolsonarista (foto: Jailson Soares | PD)

“Eu defendo a reeleição do nosso presidente Jair Messias Bolsonaro e ele a eleição do partido dele, mas tenho por ele, respeito e admiração que estão acima de nossas divergências. Reconheço seu grande valor como gestor da nossa capital e como hoje é o único candidato que reúne as condições políticas de derrotar o PT no Piauí, ainda no primeiro turno, o motivo dessa coletiva é comunicar a minha decisão para o bem do Piauí, para contribuir para libertação da nossa gente das amarras do PT, eu a partir de agora, retiro minha candidatura ao Estado do Piauí e peço a compreensão de todos para importância deste gesto para que também se somem a união das oposições do nosso estado, passando agora a comigo, apoiar para Governo do Estado Sílvio Mendes”, explicou o coronel Diego.

Curiosamente, Sílvio Mendes, o candidato beneficiado pela desistência, não esteve presente no ato para receber a adesão. Em sua agenda de campanha desta quinta-feira (29/09), estava previsto que Sílvio Teria reuniões com grupos políticos na capital, o que na teoria não o impediria de comparecer ao evento importante de adesão de Diego Melo à sua campanha. Por outro lado, sabe-se que o candidato do União Brasil tem tentado se afastar de qualquer junção de seu nome com o do presidente Jair Bolsonaro. 

Assim, é compreensível que ele não tenha feito nenhum esforço para ir até o encontro dos fieis representantes do bolsonarismo do Piauí, mas queira o apoio declarado de todos eles para somar em sua disputa ao Governo do Estado, tendo em vista que nesta reta final de campanha, seu principal oponente, o candidato Rafael Fonteles (PT) cresceu nas últimas pesquisas de intenção de voto.    

PL NO PIAUÍ

A presidente do PL no Piauí e candidata a deputada estadual, Samantha Cavalca, falou que após reunião o partido decidiu seguir unido em torno da decisão do coronel Diego. “Ele [Coronel Diego] decidiu não ser mais candidato para apoiar o Doutor Sílvio Mendes, todo grupo do PL está fechado em torno dessa decisão do Coronel. A intenção é tirar o PT no primeiro turno. Chega de 16 anos de desmando e corrupção, chega dessa esculhambação e do povo do Piauí abandonado pelo PT”, ressaltou Samantha.

Presidente do PL Piauí disse que rejeição de Sílvio Mendes à Bolsonaro incomoda, mas é preciso superar as divergências para tira o PT do Piauí (foto: Jailson Soares/ PD)

Samantha Cavalca ainda falou que, apesar de bolsonaristas estarem incomodados com o fato de Sílvio Mendes rejeitar o apoio nacional do presidente Bolsonaro, é preciso superar as divergências e unir forças. “Pra mim Samantha, incomoda, porque eu sou bolsonarista. No meu material de campanha estou lá com o presidente Bolsonaro. Mas, temos que superar essas divergências, afinal de contas, a democracia é isso: são divergências entres as pessoas e mais diversos grupos e nós precisamos focar num objetivo em comum, que é escorraçar o PT do Governo do Estado do Piauí”, afirmou Cavalca .

Comente