Coluna Gustavo Almeida Política Dinâmica
UM PASSO CONTRA A IMPUNIDADE

APÓS TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO PIAUÍ NEGAR RECURSO, ACUSADOS DE MATAR BRUTALMENTE O EX-VEREADOR EMÍDIO REIS DEVEM IR A JÚRI POPULAR

24/10/2019 20:00 - Atualizado em 24/10/2019 20:27

Emídio Reis foi brutalmente assassinado em 2013 (Foto: Divulgação/Família)

Os acusados de participarem de um dos crimes políticos mais bárbaros do Piauí vão à júri popular. Esta semana, o Tribunal de Justiça do Piauí negou, por 3 votos a 0, um recurso de Francimar Pereira e Valter Ricardo Silva, acusados de matarem o ex-vereador de São Julião, Emídio Reis. O crime aconteceu em 2013. Segundo a polícia, Emídio foi enterrado ainda vivo.

Francimar e Valter foram pronunciados em agosto do ano passado a responderem pelas acusações no Tribunal do Júri. A defesa deles recorreu, mas a 1ª Câmara Especializada Criminal do TJ-PI negou o recurso e manteve, na quarta-feira (23), a decisão tomada pela Justiça de Picos. Com isso, os dois vão à Júri Popular pelo assassinato brutal do ex-vereador.

Assassinato teve repercussão nacional em série da Record (Foto: Reprodução/TV Record)

O CRIME QUE CHOCOU O PIAUÍ

Emídio Reis tinha disputado a prefeitura de São Julião em 2012, quando perdeu a eleição por apenas 279 votos. Ele entrou com uma ação na Justiça Eleitoral para cassar os mandato da chapa vencedora, cujo acusado Francimar Pereira era vice-prefeito. Meses depois, Emído foi vítima de uma emboscada e acabou morto quando se deslocava de Picos para São Julião.

Ele foi enterrado em uma cova rasa, ainda vivo. O corpo foi encontrado alguns dias depois. Francimar é apontado pelo Ministério Público e pela polícia como mandante do crime.

Em 2015, o caso foi tema de uma série de reportagens da Rede Record. A série "Alvo Político", do repórter Luiz Carlos Azenha, contou os detalhes da história do assassinato de Emídio.

A BUSCA POR JUSTIÇA

No final de 2014, quase dois anos após o assassinato, a Justiça Eleitoral cassou, em primeira instância, o mandato da chapa vencedora na ação movida por Emídio. A cassação foi confirmada posteriormente pelo Tribunal Regional Eleitoral do Piauí (TRE).

Antigo comitê de Emídio virou espécie de memorial (Foto: Reprodução/TV Record)

Passados seis anos do crime, Francimar Pereira segue ativo na política de São Julião. Ele chegou a ficar preso, mas está em liberdade desde 2016. Nesse mesmo ano, o grupo político de Emídio Reis venceu as eleições para prefeito do município. Embora tenha conseguido conquistar a prefeitura, a família do ex-vereador ainda luta para conseguir justiça.

Comentários (0)

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Nome:
mensagem:
Notícias relacionadas
"SEM MUITAS PERSPECTIVAS"
ENZO SAMUEL SE FILIA AO PDT
ENZO SAMUEL SE FILIA AO PDT
STF NEGA PEDIDO DO PROGRESSISTAS PARA SUSPENDER PRAZO DE FILIAÇÕES
STF NEGA PEDIDO DO PROGRESSISTAS PARA SUSPENDER PRAZO DE FILIAÇÕES
VICE-PREFEITO DE TERESINA SE FILIA AO PSL
VICE-PREFEITO DE TERESINA SE FILIA AO PSL