Coluna Gustavo Almeida Política Dinâmica
ASSOCIAÇÃO CRIMINOSA E DESVIO DE RECURSOS

ALVOS DA OPERAÇÃO REAGENTE PODEM RESPONDER POR CRIMES DE ASSOCIAÇÃO CRIMINOSA E DESVIO DE RECURSOS PÚBLICOS

02/07/2020 10:01 - Atualizado em 02/07/2020 10:12

Os empresários e agentes públicos investigados na operação Reagente, da Polícia Federal, deverão responder por crimes de associação criminosa, desvio de recursos públicos e dispensa indevida de licitação. A ação da PF foi deflagrada nesta quinta-feira (2) e cumpriu mandados de busca e apreensão em Teresina, Picos, Bom Jesus e Uruçuí.

"Os investigados vão responder, na medida de suas culpabilidades, pelos crimes de associação criminosa (art. 288 do CP), desvio de recursos públicos (art. 312 do CP) e dispensa indevida de licitação (art. 89 da lei 8.666/93), cujas penas somadas podem chegar a 20 anos de reclusão", diz nota divulgada pela Polícia Federal.

A operação investiga esquema criminoso na venda de testes rápidos da Covid-19 para prefeituras do Piauí. Os testes, segundo a Polícia Federal, eram vendidos com sobrepreço de quase 40% em relação ao valor da venda para clínicas particulares.

LEIA TAMBÉM:
Covid-19: PF deflagra operação no Piauí

ANTERIOR

EX-PREFEITO PIAUIENSE MORRE DE COVID-19

PRÓXIMA

COM COVID, MARGARETE RELATA QUE ESTÁ “TOTALMENTE INDISPOSTA”