SENADORA CUSTOU MAIS DE R$ 140 MIL APÓS CASSAÇÃO

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL CASSOU MANDATO DE SENADORA NO DIA 10 DE DEZEMBRO DE 2019, MAS ELA SEGUE NO CARGO NORMALMENTE

17/01/2020 11:14 - Atualizado em 17/01/2020 11:28

Selma teve o mandato cassado pelo TSE (Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado)

A senadora Juíza Selma (Podemos-MT) gastou mais de R$ 140 mil com pessoal e cota parlamentar já depois de ter o mandato cassado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em 10 de dezembro. No mês inteiro, os gastos passam dos R$ 200 mil.

O TSE decidiu, por 6 votos a 1, pela cassação do mandato da senadora, acusada de ter praticado os crimes de caixa 2 e abuso de poder econômico durante a campanha para o Senado em 2018. A Corte ratificou decisão proferida em abril pelo Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TRE-MT).

Selma, contudo, continua exercendo seu mandato normalmente. Daí os gastos continuarem sendo efetuados. Para que a congressista, conhecida como "Moro de Saias", de fato deixe sua cadeira no Senado, é preciso que a Mesa Diretora da Casa se reúna para definir qual o rito deverá ser seguido para o processo.

Segundo o Senado, já há um rito estabelecido para casos assim. Nele, a Mesa toma conhecimento da decisão do Tribunal e instala o processo, dá um prazo para a defesa do senador envolvido, analisa parecer da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) sobre a cassação e, então, decide sobre o caso.

Ainda assim, é possível que este procedimento seja alterado conforme a vontade da atual Mesa Diretora, comandada pelo presidente da Casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP). Mas para que qualquer decisão seja tomada e o processo de cassação da senadora ande, é preciso que o colegiado responsável se reúna – caso raro na atual legislatura, iniciada em 2019.

Questionado pela reportagem, o Senado informou que só recebeu a notificação do TSE sobre a cassação de Selma em 19 de dezembro e que a Mesa Diretora se reunirá em "tempo hábil" para analisar o caso. No ano passado, o 1º sob o comando de Alcolumbre, foram apenas duas reuniões – ambas em abril.

Em 2015 (o 1º ano da legislatura passada), por exemplo, foram realizadas sete reuniões do colegiado. Se o ritmo de reuniões se mantiver como em 2019, é possível que a definição sobre a saída de Juíza Selma fique para lá do segundo semestre de 2020.

Procurada, a senadora disse, via assessoria de imprensa, que não deixou o cargo pois depende justamente do rito da Casa. Além disso, ainda cabe recurso em seu processo. Ela ressaltou ainda que o trâmite fica parado durante o recesso congressual, que só termina em 2 de fevereiro.

Fonte: Poder 360

Comentários (0)

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Nome:
mensagem:
Notícias relacionadas
TSE NEGA PEDIDO DE CRIAÇÃO DO PARTIDO NACIONAL CORINTHIANO
TSE NEGA PEDIDO DE CRIAÇÃO DO PARTIDO NACIONAL CORINTHIANO
ADMINISTRAÇÃO PELO WHATSAPP
ADMINISTRAÇÃO PELO WHATSAPP
CIRO NOGUEIRA É DENUNCIADO AO STF MAIS UMA VEZ
CIRO NOGUEIRA É DENUNCIADO AO STF MAIS UMA VEZ
Inscrições para concurso de procurador e fiscal de serviços públicos abrem nesta segunda (10)