Coluna Lídia Brito Política Dinâmica
ESSA FOTO JÁ NÃO SERÁ A MESMA

WELLINGTON REÚNE EQUIPE EM CLIMA DE DESPEDIDA DOS SECRETÁRIOS QUE DEVEM SER CANDIDATOS NO ANO DE 2018

21/12/2017 08:30

Wellington Dias reuniu a equipe que deve mudar drasticamente em 2018 (Foto:Ascom)

A foto que abre essa matéria deverá mudar completamente no próximo ano. A equipe de secretários do governador Wellington Dias (PT) irá sofrer uma mudança drástica no ano eleitoral. Dos 21 secretários da linha de frente da administração do petista, 14 serão candidatos e terão que se ausentar para se dedicarem às campanhas eleitorais de 2018.

Wellington já se prepara para as mudanças que irão ocorrer e antes de iniciar o próximo ano, reuniu toda a equipe para fazer um balanço de 2017 e traçar metas para 2018. No encontro, as palavras que predominaram foram “crise” e “dificuldades”.

A esperança do governador é que a situação possa ser amenizada com a liberação da segunda parcela de empréstimo da Caixa Econômica Federal. O valor do recurso é de R$ 300 milhões. Se isso não se concretizar, a equipe econômica tem certeza que a realidade pode ser pior do que as previsões.

Mas em meio as previsões de dificuldades, tem muito secretário que só pensa em uma coisa: se eleger a uma cargo na Câmara Federal ou na Assembleia Legislativa. São pré-candidatos que estiveram nos últimos três anos comandado uma fatia da máquina pública e que ficarão à frente dos cargos pelos menos nos primeiros meses do ano eleitoral, como manda a legislação.

Os secretários têm contato direto com prefeitos e lideranças políticas do interior na negociação de matérias de interesses das cidades. Há quem diga que eles saem em vantagem em relação aos demais pré-candidatos.

Entre os secretários que devem sair candidatos em 2018 estão:

Franzé Silva é secretário de Administração. Considerado o candidato do governador Wellington Dias (PT), a candidatura dele é temida dentro do próprio PT. Ele é visto como ameaça para os deputados petistas que tentarão buscar a reeleição em 2018. Chateado com as reações negativas no partido, o secretário chegou a cogitar até mesmo mudar de sigla.

Fábio Novo é deputado estadual e secretário de Cultura. Ela vai buscar a reeleição como deputado pelo Partido dos Trabalhadores.

Outro petista que comanda secretaria e deve ser candidato é o secretário de Desenvolvimento Rural (SDR), Francisco Limma. Ele é uma liderança forte da região Norte do Piauí.

Na Sasc, o deputado estadual José Santana (PMDB) deve concorrer à reeleição em 2018. Ele assumiu o comando da secretaria após o PMDB ingressar oficialmente no governo de Wellington Dias. A SASC é uma pasta reconhecida pelo trabalho de assistência social.

Hélio Isaias (PP) é secretário da Defesa Civil desde o início do terceiro governo de Wellington Dias. Ele deve retornar à Assembleia em abril para concorrer à reeleição. O deputado é bem votado na região de São Raimundo Nonato.

Rejane Dias é secretária de Educação.  Ela comanda uma das pastas mais importantes da administração de Wellington Dias (PT). Esposa do petista, ela foi a deputada federal mais bem votada na eleição de 2014. A reeleição dela é dada como certa pelo PT.

A deputada estadual Janaína Marques é uma importante liderança da região Norte do Estado. Ela é atualmente secretária de Infraestrutura e deve buscar a reeleição no próximo ano.

O secretário de Segurança Fábio Abreu também é mais um secretário pré-candidato a reeleição em 2018. Atualmente no PTB, ele deve mudar de partido para disputara reeleição como deputado federal. O novo destino político do secretário deve ser o PR.

E por falar no PR, o presidente estadual da sigla e deputado estadual Fábio Xavier vai disputar a reeleição no próximo ano. Ele é atualmente secretário de Cidades e está no cargo desde o início do terceiro mandato de Wellington Dias (PT).

Na secretaria de Desenvolvimento Econômico e Tecnológico, o deputado estadual Nerinho é pré-candidato à reeleição. Ele é atualmente do PTB, mas também há a possibilidade de mudar de partido até lá. Fiel a Wellington Dias, o secretário faz parte da administração estadual desde o início do governo.

O petista Merlong Solano ocupa a secretaria de Governo, considerada a mais polivalente da administração de Wellington Dias (PT). Ele é suplente na Câmara Federal e chegou a assumir o mandato por poucos dias. Deve ser candidato a uma vaga na Câmara Federal.

A secretária de Meio Ambiente também é comandada por um pré-candidato. O deputado estadual Ziza Carvalho do PDT. Ele deve concorrer a reeleição por uma vaga Assembleia Legislativa do Estado.

O deputado estadual Gessivaldo Isaías (PRB) é secretário do Trabalho e deputado estadual. Ele é considerado pré-candidato à reeleição por uma vaga na Assembleia.

O deputado estadual Flávio Júnior (PDT) deve concorrer a reeleição de deputado estadual.  Ele é secretário de Turismo de Wellington Dias,  cargo que já foi de seu pai,  Flávio Nogueira.

Pablo Santos foi beneficiado com a reforma administrativa que resultou na criação de novas pastas. O deputado estadual ficou com o comando da Fundação Hospitalar que tem status de secretaria. Com a pasta, ele vai comanda seis hospital, entre eles o de Picos, cidade onde ele é bem votado.

Outro coordenador cotado para ser candidato no próximo ano é Marllos Sampaio. Ele é irmão do presidente da Assembleia Legislativa do Estado, deputado Themístocles Filho (PMDB). Marllos já foi deputado federal e não conseguiu se reeleger. Agora é coordenador do Programa Mais Vida com Cidadania para o Idoso.

É o caso do ex-prefeito de Novo Oriente,  Marcus Vinícius. Ele é a aposta do PTC para concorrer uma vaga de deputado federal. Marcus assumiu o comando da Coordenadoria do Programa de Modernização e Qualificação de Empreendimentos Públicos.

O ex-prefeito de Campo Maior Paulo Martins (PT) também encontrou espaço dentro do generoso governo de Wellington Dias. O petista assumiu recentemente o comando da Fundação dos Esportes do Piauí (Fundespi). Ele é apontado como candidato a deputado federal.

Comente!

ANTERIOR

WELLINGTON ACEITA SUGESTÃO DE CIRO DE FAZER PESQUISA PARA DEFINIR VICE

PRÓXIMA

GOVERNO TEM PRESSA NA FORMAÇÃO DAS COMISSÕES