Coluna Lídia Brito Política Dinâmica
DIVISÃO
BRIGA DE EGOS EM UM MDB DIVIDIDO

PARTIDO ENTRA 2018 BUSCANDO RESOLVER AS PENDÊNCIAS INTERNAS QUE SE ACIRRARAM COM O INGRESSO DA SIGLA NO GOVERNO DE WELLINGTON DIAS

04/01/2018 09:25 - Atualizado em 04/01/2018 11:39

A mudança de nome de PMDB para MDB não significou grandes transformações no partido. E muito menos alterou o clima de divisão que vive a sigla no Piauí. O grande desafio político do MDB do Piauí será buscar a unidade em 2018. A aproximação da eleição de outubro evidência disputas de egos e interesses contrastante, que se acirraram com o ingresso da legenda no governo de Wellington Dias no início do ano de 2017.

PMDB passa a ser MDB, mas segue dividido no Piauí (Foto:JailsonSoares/PoliticaDinamica.com)

O apoio ao governador petista é hoje um dos motivos da divisão interna peemedebista no Piauí. Apesar da ala ligada ao presidente da Assembleia Legislativa do Piauí, Themístocles Filho - hoje a mais forte no partido - trabalhar para continuar com o petista, surge no interior o desejo de um novo caminho para a legenda.

O ex-ministro João Henrique Sousa tem percorrido o estado em busca de apoio para ser candidato em 2018. Ele tem recebido adesões de gestores do interior insatisfeitos com o governo de Wellington Dias. Esses prefeitos se dizem desprezados pela direção da legenda no estado e insatisfeitos, também, com a posição do MDB no governo. Segundo eles, apenas os deputados seriam beneficiados.  

A direção estadual da sigla, comandada pelo deputado Marcelo Castro, tem feito uma espécie de vista grossa em relação às reclamações dos gestores municipais. Recentemente, o partido chegou a perder quatro prefeitos que se filiaram ao PP, considerado o principal adversário da sigla na disputa pela vaga de vice de Wellington Dias (PT). Ao assinarem ficha de filiação à nova legenda, eles acusavam o MDB de não ouvir o interior.

João Henrique chegou a propor a realização de uma convenção, em janeiro, para que os delegados da sigla definissem sobre a candidatura própria. Depois de muita confusão interna, o grupo que defende a aliança com Wellington Dias conseguiu enterrar a proposta.

Enquanto o governador Wellington Dias não anuncia a composição da chapa majoritária, o MDB faz ameaças veladas de possível rompimento. Depois de crescer a pressão do PP para continuar com a vaga de vice, o deputado Themístocles Filho andou conversando com nomes da oposição como o deputado Dr. Pessoa (PSD) e o ex-governador Wilson Martins (PSB). Esses encontros foram interpretados como recado ao governador.

Nacionalmente, o MDB e PT estão em palanques opostos. O partido do presidente Michel Temer é acusado de golpe depois que ele alcançou o poder com o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT). Com Temer na presidência, João Henrique defende que esse seria o momento do partido ter candidato próprio.

Há no partido quem se preocupe com o impacto das disputas internas no desempenho da sigla no pleito de outubro. A tendência é que o partido continue na base de sustentação do governador Wellington Dias, com Themístocles Filho como vice, mas dificilmente seguirá unido. Os dissidentes devem incomodar.

Comentários (0)

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Nome:
mensagem:
Notícias relacionadas
ALIANÇAS
PEN BUSCA SE REESTRUTURAR APÓS SAÍDA DE GRUPO DE BOLSONARO
PEN BUSCA SE REESTRUTURAR APÓS SAÍDA DE GRUPO DE BOLSONARO
DISPUTA
“ZIZA NÃO TEM CACIFE PARA FALAR EM NOME DO GOVERNADOR”, DIZ EVALDO
“ZIZA NÃO TEM CACIFE PARA FALAR EM NOME DO GOVERNADOR”, DIZ EVALDO
FÉRIAS
PROFESSORES PROTESTAM CONTRA ATRASOS
PROFESSORES PROTESTAM CONTRA ATRASOS
FISCALIZAÇÃO
PREFEITO QUE GASTAR COM CARNAVAL PODE TER CONTAS REPROVADAS
PREFEITO QUE GASTAR COM CARNAVAL PODE TER CONTAS REPROVADAS