Coluna Justiça Dinâmica Política Dinâmica
Promotor de Justiça denuncia SEDUC por falta de intérprete para aluno

AÇÃO PEDE QUE ESTADO CONTRATE IMEDIATAMENTE INTÉRPRETE DE LIBRAS PARA ACOMPANHAR ALUNO COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA

22/05/2019 11:30

O Ministério Público do Piauí, por meio da Promotoria de Justiça de Cocal, ingressou com ação civil pública contra a SEDUC (Secretaria de Estado da Educação) para que o órgão disponibilize serviços de intérprete de LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais) a um estudante do município. O promotor de Justiça Túlio Mendes, autor da ação, requer ao Poder Judiciário deferimento de medida liminar obrigando a SEDUC a contratar, urgentemente, o profissional. O membro do Ministério Público pede também a aplicação de multa pessoal no valor de R$ 100 mil a ser aplicada ao secretário de educação do Estado, Ellen Gera, caso o gestor descumpra a decisão judicial.

Na ação civil pública, o promotor de Justiça explica que a mãe do estudante informou que a escola estadual em que o filho estuda teria providenciado um intérprete da língua de sinais. O estudante em questão iniciou o curso técnico em zootecnia, na modalidade Proeja (Programa Nacional de Integração da Educação Profissional), no CEEP Rural Deputado Ribeiro Magalhães, no ano passado. A escola foi informada sobre a deficiência do aluno. A direção da unidade de ensino reportou o caso à Gerência Regional de Ensino, que declarou que o estudante não teria direito a ser assistido por intérprete de Libras, porque já teria concluído o curso técnico de Informática, que corresponde ao ensino médio, e, portanto, o estado não teria obrigação de disponibilizar o profissional. Cobrada sobre a situação do estudante, a SEDUC disse que o intérprete de libras encontra-se lotado em outra escola da rede estadual pública de ensino, acompanhando um aluno que ainda não terminou o ensino médio.

Após receber essa resposta, o promotor Túlio Mendes expediu um recomendação orientando ao então secretário de educação, Hélder Jacobina, a providenciar um intérprete de Libras no prazo de 10 dias. Depois da mudança de secretários de educação, o CAODEC (Centro de Apoio Operacional de Defesa da Educação e Cidadania) reiterou a solicitação ao atual chefe da pasta, Ellen Gera, solicitando o atendimento da orientação feita ao seu antecessor. Em resposta, a Gerente de Educação Especial, Maria Eleonora Sá, disse que algumas providências foram adotadas, mas que não incluem o município de Cocal. Ela ainda declarou que “a SEDUC não conta mais com classificados no cadastro de reserva dos Testes Seletivos, visto que todos foram contratados;” e que “em razão da atual situação financeira do estado, o momento não permite arcar com maiores gastos realizando outro teste seletivo, que também demandaria um tempo prolongado para sua execução”.

“Em vista de tal resposta, considerando que a Notícia de Fato foi instaurada pela Promotoria de Justiça em 20/09/2018, e que desde então vem tentando conseguir que a 1ª GRE e a própria SEDUC adotem providências para disponibilizar o intérprete de Libras ao aluno com deficiência auditiva, que já estudou todo o ano de 2018 e os meses de janeiro a maio de 2019 sem o devido e necessário acompanhamento do intérprete de Libras; e considerando ainda que a resposta da SEDUC deixa claro o completo descaso frente à situação, não restou outra alternativa a esta Promotoria de Justiça, senão ingressar com a Ação Civil Pública, para salvaguardar, judicialmente, o direito à educação do aluno com deficiência", afirma o promotor de Justiça, em um trecho da ação.

FONTE: Com informações da Assessoria

Comente!

ANTERIOR

MP-PI cobra partidos e coligações cumprimento das regras sanitárias

PRÓXIMA

Cooperação entre órgãos acelera e desburocratiza Justiça brasileira, diz CNJ