Coluna Justiça Dinâmica Política Dinâmica
Justiça condena réu a 22 anos de reclusão por assassinar ex-companheira

JÚRI POPULAR NA COMARCA DE PIRIPIRI FOI CONDUZIDO PELO JUIZ ANTONIO OLIVEIRA, TITULAR DAQUELA UNIDADE JUDICIÁRIA

29/11/2019 00:44 - Atualizado em 29/11/2019 01:18

O réu Fernando José Sousa Silva, vulgo José Ioiô, foi condenado a 22 anos e três meses de reclusão pelo crime de feminicídio na cidade de Piripiri. O Júri Popular foi conduzido pelo Juiz Titular daquela Comarca, Antonio Oliveira.

Segundo a denúncia apresentada pelo Ministério Público, o réu era acusado de assassinar a ex-companheira Irismar Castro, de 38 anos, com 32 facadas no dia 18 de julho de 2018. A vítima estava em seu trabalho. 

Ao julgar o caso, o Júri Popular condenou o acusado por homicídio qualificado, reconhecendo quatro qualificadoras, quais sejam, o meio cruel, o motivo fútil, recurso que dificultou a defesa da vítima e a qualificadora em razão do sexo da vítima (feminicídio).

"O réu também foi condenado em concurso material pelo crime de descumprimento de medida protetiva, totalizando uma pena de 22 anos e três meses de reclusão", informou o Juiz Antônio Oliveira ao Justiça Dinâmica.

SEMANA DA JUSTIÇA PELA PAZ EM CASA
A condenação do réu acontece na Semana da Justiça Pela Paz em Casa, esforço concentrado de todos os tribunais do país no sentido de julgar a  maior quantidade de ações envolvendo violência doméstica e familiar, sobretudo, crimes contra a mulher. A Semana também visa estimular que as pessoas vítimas de violência doméstica possam denunciar seus agressores.

Notícias relacionadas
OAB aciona CNJ para retomada facultativa das audiências de instrução
OAB aciona CNJ para retomada facultativa das audiências de instrução
Justiça nega pedido para abertura de academias, barbearias e salões
Justiça nega pedido para abertura de academias, barbearias e salões
Município não é obrigado a criar cargos de advocacia pública; entenda
Município não é obrigado a criar cargos de advocacia pública; entenda
MPPI cobra assistência aos venezuelanos que moram em Teresina
MPPI cobra assistência aos venezuelanos que moram em Teresina