Coluna Justiça Dinâmica Política Dinâmica
Em 300 dias de gestão, AGU assegura judicialmente R$ 163 bi para investimentos

NO PIAUÍ, O TRABALHO É CONDUZIDO PELO PROCURADOR CHEFE CAIO COÊLHO, CUJA ATUAÇÃO TEM TRAZIDO BONS RESULTADOS

11/11/2019 06:42

Nos primeiros 300 dias de gestão, a atuação da Advocacia-Geral da União (AGU) trouxe resultados positivos de R$ 260 bilhões aos cofres públicos. Os valores economizados, arrecadados e garantidos por meio de monitoramento e defesa judicial são resultado do trabalho conjunto das diferentes unidades da AGU.

Além disso, o trabalho da instituição em plantões judiciais preparatórios a concessões de infraestrutura possibilitará investimentos de aproximadamente R$ 164 bilhões no setor, totalizando um impacto econômico de R$ 424 bilhões desde o dia 1º de janeiro deste ano.

O advogado-geral da União, André Mendonça, ressaltou que os incrementos nos resultados são fruto da profissionalização constante da instituição, em busca de alcançar “novos patamares de êxito e conquistar a segurança jurídica que a sociedade requer”.

“Os números demonstram a capacidade, não só da AGU, mas de todo o governo, de trabalhar em prol da sociedade, garantir investimentos e empregos, e que o Brasil está num rumo de crescimento e desenvolvimento. E fazendo isso com foco no interesse público, na eficiência, na moralidade, na legalidade, com respeito aos princípios jurídicos”, elogiou.

O trabalho da Procuradoria-Geral da União, Procuradoria-Geral Federal, Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional, Procuradoria-Geral do Banco Central e Secretaria-Geral de Contencioso evitou o desembolso de cerca de R$ 219 bilhões pela União e suas autarquias, graças à atuação nas diferentes instâncias da Justiça.

Já a Consultoria-Geral da União, unidade da AGU responsável pelo assessoramento e consultoria jurídica do Poder Executivo, garantiu a assinatura de 65 mil pareceres consultivos, sendo oito vinculantes para toda a Administração Pública, após terem sido assinados pelo presidente da República. Dentre eles está o entendimento de que órgãos de controle como a Polícia Federal e os tribunais de contas poderão ter acesso a informações sobre empréstimos envolvendo recursos públicos, retirando destas situações o sigilo bancário.

Com um acréscimo de 22% em relação ao mesmo período do ano passado, quase 117 mil acordos foram firmados entre janeiro e setembro de 2019.

Por meio da criação de forças-tarefas que atuaram em regime de plantão às vésperas de leilões nas diferentes áreas da infraestrutura, R$ 163,5 bilhões foram assegurados judicialmente. Somente a venda de refinarias da Petrobras deve gerar investimentos de R$ 60 bilhões.

Graças aos mecanismos de cobrança e recuperação de ativos, a AGU arrecadou outros R$ 36 bilhões. Dentre eles está o retorno de mais de R$ 11 bilhões, somente no primeiro semestre, em créditos tributários, não tributários e previdenciários da União; e a arrecadação de uma multa de R$ 100 milhões por irregularidades constatadas pela Agência Nacional de Petróleo.

Em cooperação com a Controladoria-Geral da União, a assinatura dos acordos de leniência com empresas que admitiram a prática de irregularidades também faz parte do balanço. A previsão de retorno aos cofres públicos de R$ 5 bilhões foi garantida após negociação com as empresas Braskem (maio), Camargo Corrêa (julho) e Technip (junho), sendo este o primeiro que envolveu instituições de outros países.

Com média no ano de 59,8%, a taxa de sucesso judicial da atuação da AGU bateu recorde histórico em agosto, quando chegou a 61,1%. O número segue desde fevereiro acima da média estipulada, de 56,9%.

Além da economia para o Tesouro Nacional e os cofres das autarquias e fundações públicas federais, a renegociação de contratos administrativos pela direção da AGU resultou na redução das despesas anuais da ordem de R$ 48,6 milhões. Atuando em diversas cidades por conta da necessidade de estar próxima dos prédios do Poder Judiciário, a Advocacia-Geral da União conseguiu reduzir o número de sedes de 249 para 220.


FONTE: Com informações da Assessoria

Notícias relacionadas
OAB aciona CNJ para retomada facultativa das audiências de instrução
OAB aciona CNJ para retomada facultativa das audiências de instrução
Justiça nega pedido para abertura de academias, barbearias e salões
Justiça nega pedido para abertura de academias, barbearias e salões
Município não é obrigado a criar cargos de advocacia pública; entenda
Município não é obrigado a criar cargos de advocacia pública; entenda
MPPI cobra assistência aos venezuelanos que moram em Teresina
MPPI cobra assistência aos venezuelanos que moram em Teresina