Coluna Justiça Dinâmica Política Dinâmica
Defensores questionam omissão do Governo do PI em repasse de duodécimos

ENTIDADE AFIRMA QUE OMISSÃO IMPEDE QUE NOVOS DEFENSORES PÚBLICOS APROVADOS EM CONCURSO SEJAM NOMEADOS

27/10/2019 16:03

A Associação Nacional de Defensores Públicos (Anadep) ajuizou no Supremo Tribunal Federal a Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 628 para questionar a ausência dos repasses orçamentários obrigatórios (duodécimos) do Poder Executivo do Estado do Piauí à Defensoria Pública local (DPE-PI) até o dia 20 de cada mês. A entidade sustenta que os atos omissos do Governo do Piauí impediram nomeações de defensores públicos aprovados em concurso, em violação à autonomia financeira e orçamentária da Defensoria Pública estadual e o desempenho da sua função constitucional.

Segundo a associação, o governador do Piauí, a Defensoria Pública Geral do Estado e os candidatos aprovados para o cargo de defensor público estadual (Edital 001/2003) realizaram acordo, nos atos de um mandado de segurança, para a nomeação escalonada a cada quadrimestre de 2016. Na ocasião, o Executivo estadual se comprometeu a realizar a suplementação orçamentária à Defensoria Pública para as despesas decorrentes das nomeações. A mesma situação ocorreu em outra ação relativa ao Edital 11/2010.

Segundo a Anadep, a falta do repasse entre 2016 e 2019 pelo Executivo afeta ano a ano as finanças da Defensoria Pública estadual, “tornando insustentável a execução orçamentária da instituição”. Por essa razão, pede que o Supremo determine ao Governo do Piauí o repasse de créditos suplementares e especiais e, no caso de descumprimento, o bloqueio e o sequestro da verba correspondente aos valores devidos à Defensoria Pública local, além da fixação de multa a ser convertida para a instituição. Também requer que, nos exercícios posteriores, os créditos suplementares sejam repassados mensalmente até o dia 20.

DESPACHO
A relatora da ação, ministra Cármen Lúcia, aplicou o artigo 10 da Lei 9.868/1999, que remete o exame da medida cautelar ao Plenário, e solicitou informações ao governador do Piauí, a serem prestadas no prazo de cinco dias. Posteriormente, os autos serão encaminhados à Advocacia-Geral da União e à Procuradoria-Geral da República, para que se manifestem sobre a matéria no prazo de três dias.


FONTE: Com informações do STF

Comentários (0)

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Nome:
mensagem:
Notícias relacionadas
Procurador do Trabalho alerta para precarização do trabalho no Piauí
Procurador do Trabalho alerta para precarização do trabalho no Piauí
TRE-PI empossa nova diretoria dia 6 de abril para biênio 2020-2022
TRE-PI empossa nova diretoria dia 6 de abril para biênio 2020-2022
Filho de desembargador de TJ não pode ser indicado a vaga de juiz de TRE
Filho de desembargador de TJ não pode ser indicado a vaga de juiz de TRE
Prefeito no PI é denunciado por irregularidade na locação de veículos
Prefeito no PI é denunciado por irregularidade na locação de veículos