Coluna Justiça Dinâmica Política Dinâmica
Agressão a LGBTQI+ impedirá acesso aos quadros da OAB

CONDUTA, SEGUNDO A SÚMULA, DEMONSTRA QUE O AGRESSOR FALTA COM IDONEIDADE MORAL PARA INSCRIÇÃO NA ORDEM

11/06/2019 10:13

O Conselho Federal da OAB aprovou uma proposta de súmula para estabelecer que a violência contra pessoas LGBTQI+ é um dos fatores que podem impedir o ingresso nos quadros da Ordem. Para o conselho, a prática caracteriza ausência de idoneidade moral.

A decisão foi unânime. Veja abaixo o texto da súmula aprovada:

"A prática de violência física, sexual, psicológica, material e moral contra pessoa LGBTI configura fator apto a demonstrar a ausência de idoneidade moral para a inscrição de bacharel em direito na OAB, independentemente da tipificação penal, existência de processo judicial ou condenação, assegurado ao conselho seccional a análise de cada caso concreto."

Durante sessão, os conselheiros analisaram a proposição 49.0000.2019.003152-3, do conselheiro Federal e presidente da Comissão Nacional de Direitos Humanos, Hélio Leitão. O autor da proposta comemorou a aprovação, classificando-a como um avanço no respeito aos direitos humanos.

"O Conselho Federal da OAB dá um passo importante na promoção do respeito aos direitos humanos desse segmento vulnerável e invisibilizado da sociedade. Fico feliz de ter podido fazer essa proposição, acolhida à unanimidade pelo plenário do Conselho Federal."

O relator da proposição, conselheiro Federal Carlos Neves, lembrou que, em março deste ano, o CFOAB aprovou outras duas súmulas, as quais fixaram que a prática de violência contra a mulher, crianças e adolescentes, idosos e pessoas com deficiência física ou mental constituem fatos aptos a caracterizar a ausência de idoneidade moral e, portanto, podem impedir a inscrição de bacharel em Direito nos quadros da OAB.

O relator, Carlos Neves, propõe ao Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil a redação sumular, que foi aprovada à unanimidade pelo conselho pleno.


FONTE: Com informações do Migalhas

Comentários (0)

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Nome:
mensagem:
Notícias relacionadas
Justiça condena réu a 9 anos de prisão no 1º Júri Popular por videoconferência do PI
Justiça condena réu a 9 anos de prisão no 1º Júri Popular por videoconferência do PI
Preposto é condenado por crime de falso testemunho durante depoimento
Preposto é condenado por crime de falso testemunho durante depoimento
Juiz segue STF, solta preso, em seguida, decretar prisão cautelar
Juiz segue STF, solta preso, em seguida, decretar prisão cautelar
Renata Gil vence eleição e será a primeira mulher a assumir presidência da AMB