Coluna Justiça Dinâmica Política Dinâmica
Advogado cita BPC/LOAS como opção para algumas pessoas após fim do auxílio emergencial

Hielbert Ferreira explica que é necessário que o requerente declare ter renda bruta mensal per capita (por pessoa da família) de até 1/4 ou 25% do salário mínimo vigente

18/02/2021 19:07

O advogado Hielber Ferreira participou de entrevista à Rádio Pioneira de Teresina falando sobre o benefício do BPC/LOAS como alternativa para muitas pessoas com o término do auxílio emergencial.

Segundo o advogado, tendo em vista a possibilidade de encerramento ou pelo menos a diminuição do número de beneficiários do auxílio emergencial por conta da pandemia, o benefício de prestação continuada - BPC, popularmente conhecido como BPC/LOAS, pode ser uma alternativa vantajosa para as pessoas que se enquadrem nos requisitos legais.

"O art. 203 da CF/88 prevê que a assistência social será prestada a quem dela necessitar, independentemente de contribuição à Seguridade Social. Dentre seus objetivos (inciso V) está a garantia de um salário mínimo de benefício mensal à pessoa com deficiência e ao idoso que comprovem não possuir meios de prover a própria subsistência ou de tê-la provida por sua família, conforme dispuser a lei", explica Hielbert Ferreira.

As regras constitucionais estão regulamentadas pela Lei n. 8.742/1993 - (Lei Orgânica da Assistência Social - LOAS), que instituiu o benefício de prestação continuada ao idoso e ao deficiente.

"A pessoa idosa deverá comprovar, de forma cumulativa, que:  possui 65 anos de idade ou mais; família cuja renda mensal per capita seja inferior a ¼ (um quarto) do salário mínimo; além de não possuir outro benefício no âmbito da Seguridade Social ou de outro regime, inclusive o seguro-desemprego, salvo o benefício de assistência médica e a pensão de natureza indenizatória. Já a pessoa com deficiência deverá comprovar, de forma cumulativa: a existência de impedimentos de longo prazo de natureza física, mental, intelectual ou sensorial, os quais, em interação com uma ou mais barreiras, obstruam sua participação plena e efetiva na sociedade em igualdade  de condições com as demais pessoas; família cuja renda mensal per capita seja inferior a ¼ (um quarto) do salário mínimo; não possuir outro benefício no âmbito da Seguridade Social ou de outro regime, inclusive o seguro-desemprego, salvo o de assistência médica e a pensão de natureza indenizatória", destacou o advogado.

Hielbert Ferreira esclarece que para poder solicitar o benefício assistencial, seja ao idoso ou à pessoa com deficiência, é necessário que o requerente declare ter renda bruta mensal per capita (por pessoa da família) de até 1/4 ou 25% do salário mínimo vigente. O que corresponde hoje a R$ 275,00.

"Antes de fazer o requerimento, é necessário realizar o cadastramento do beneficiário e de sua família no Cadastro Único de Programas Sociais do Governo Federal, o CadÚnico, administrado pelos Centros de Referência de Assistência Social (Cras) de cada cidade. E ainda se certificar que o CPF de todas as pessoas da família estão atualizados há menos de dois anos no Cadastro. Após o devido cadastramento no CadÚnico, é possível solicitar o benefício assistencial à pessoa com deficiência ou ao idoso. Para isso, não é preciso comparecer presencialmente nas unidades do INSS. O pedido pode ser feito totalmente pela internet, por meio do site ou aplicativo "Meu INSS", aponta.

Por fim, Hielbert Ferreira assinala que como o INSS é "extremamente legalista" na concessão do BPC, nem sempre pessoas que precisam conseguem ter acesso ao benefício pedindo direto ao INSS de maneira administrativa. "Em situações do tipo é recomendável que o requerente procure imediatamente a ajuda de um advogado especialista em Direito Previdenciário", pondera Ferreira.

Comente!

ANTERIOR

Em assembleia, AJUSPI aclama advogado Felipe Lira como seu novo presidente

PRÓXIMA

Advogado piauiense está na lista tríplice para o Conselho Nacional de Proteção de Dados