Coluna Gustavo Almeida Política Dinâmica
UM DESCASO QUE SALTA AOS OLHOS

UTIS DO HOSPITAL DA POLÍCIA MILITAR NÃO FUNCIONAM JUSTAMENTE NO MOMENTO EM QUE CASOS DE COVID-19 CRESCEM NO PIAUÍ. MP COBRA ATITUDE.

18/05/2020 09:55 - Atualizado em 18/05/2020 10:35

Hospital da PM funciona muito aquém da sua estrutura (Foto: Divulgação/PM-PI)

Enquanto outros estados do país enfrentam filas por vagas em Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) devido à pandemia do novo coronavírus (covid-19), o Piauí se dá ao luxo de ter 10 unidades praticamente prontas, mas sem funcionar. Essa é a realidade no Hospital Dirceu Arcoverde da Polícia Militar do Piauí (HPM), na Zona Sul de Teresina.

O descaso tem chamado atenção do Ministério Público do Piauí (MP-PI). O promotor de Justiça Eny Pontes, que coordena o Grupo Regional de Promotorias Integradas no Acompanhamento da Covid-19 - Eixo Saúde (SUS), cobra o funcionamento do hospital em sua plenitude. 

Apesar da pandemia, a unidade de saúde está funcionando muito aquém da sua estrutura. Até agora, as 10 UTIs montadas no local nunca começaram a funcionar. Elas estão praticamente prontas, mas por falta de contratação de pessoal e alguns ajustes seguem fechadas.

A Justiça chegou a conceder liminar, a pedido do MPPI, mas até o momento a estrutura segue sem funcionar. De acordo com Eny Pontes, o HPM possui 99 leitos clínicos, centro cirúrgico e local próprio para funcionamento dos 10 leitos de UTI. No entanto, só está funcionando com 10 leitos de internação, dois de estabilização e uma área de triagem de pacientes.

Promotor Eny Pontes cobra funcionamento do hospital da PM-PI em sua plenitude

O promotor informou que no dia 22 de abril, o secretário de Saúde do Piauí, Florentino Neto, prometeu colocar as UTIs em funcionamento até 15 de maio, o que ainda não aconteceu. Eny Pontes considera desarrazoado que em meio ao crescimento exponencial dos casos de Covid-19, o estado do Piauí não faça o mínimo para ampliar sua rede de saúde.

“No momento de grande circulação de um vírus novo, que não se tem vacina, e com o aumento progressivo dos casos da doença, não é razoável que não se tenha um incremento mínimo da rede de saúde pública existente e não seja usado em sua plenitude um hospital com 99 leitos clínicos e possibilidade de instalação de UTI para 10 leitos”, falou.

Eny Pontes alertou que nos estados do Maranhão e do Ceará já existe fila por vaga de UTIs e questionou se o Piauí vai esperar que aconteça o mesmo para tomar providências. 

“Não há o mínimo de racionalidade em deixar de aproveitar um equipamento do porte do Hospital da Polícia Militar, com UTI estruturada praticamente concluída, no enfrentamento daquele que, segundo as autoridades de saúde, é o maior desafio do século”, desabafou.

O Política Dinâmica procurou a Secretaria de Saúde do Piauí (Sesapi) para comentar o assunto. A pasta enviou uma nota tentando se explicar e jogou a culpa no Ministério da Saúde. 

Leia a nota abaixo, na íntegra.

A Secretaria de Estado da Saúde (Sesapi) informa que já preparou toda a estrutura física e de equipamentos para o funcionamento da UTI do Hospital da Polícia Militar (HPM). Além das obras já executadas, a Sesapi está implantando todo o sistema de gases medicinais nas enfermarias e UTIs, possibilitando assim o seu pleno funcionamento, além disso, também já foi feita a seleção e convocação dos profissionais para assumir os seus postos de trabalho.

No entanto, o que surge como impeditivo, neste momento, para funcionamento imediato dos 10 leitos de UTIs é a aquisição dos respiradores mecânicos. O Estado do Piauí conseguiu garantir judicialmente a entrega dos equipamentos adquiridos pelo Governo do Estado e que não foram entregues em razão da requisição administrativa feita pelo Ministério da Saúde junto às empresas contratadas pela Secretaria de Saúde.

A Sesapi e a Procuradoria Geral do Estado estão envidando todos os esforços para o cumprimento dos mandados judiciais no estado de São Paulo, nos quais garantem a entrega de equipamentos a que tem direito a Secretaria de Estado da Saúde. A Sesapi reitera que com o recebimento dos respiradores, a prioridade será a instalação dos equipamentos na UTI do Hospital da Polícia Militar. É importante ressaltar que a Sesapi sempre esclareceu que a entrega dos respiradores era a condição determinante para a instalação dos referidos leitos.

Por isso, que a Sesapi tem trabalhado diuturnamente na ampliação do número de respiradores disponíveis na rede de combate a Covid-19.

Notícias relacionadas
MARGARETE CELEBRA ANIVERSÁRIO DO PARQUE SERRA DA CAPIVARA
MARGARETE CELEBRA ANIVERSÁRIO DO PARQUE SERRA DA CAPIVARA
PREFEITURA DE DOM INOCÊNCIO ANUNCIA LOCKDOWN PARCIAL
PREFEITURA DE DOM INOCÊNCIO ANUNCIA LOCKDOWN PARCIAL
PROFISSIONAIS DE SAÚDE AMEAÇAM ENTREGAR CARGOS EM FLORIANO
PROFISSIONAIS DE SAÚDE AMEAÇAM ENTREGAR CARGOS EM FLORIANO
CONVENÇÕES VIRTUAIS: SEM FESTA NO INTERIOR
CONVENÇÕES VIRTUAIS: SEM FESTA NO INTERIOR