Coluna Gustavo Almeida Política Dinâmica
OPINIÃO
QUANDO A CONTRADIÇÃO ENFRAQUECE A RENOVAÇÃO

PRINCIPAIS DEFENSORES DA CANDIDATURA DE HÉLIO ISAÍAS PARA PRESIDÊNCIA DA ASSEMBLEIA PREGAM DISCURSO DA ALTERNÂNCIA DE PODER

17/01/2019 17:42 - Atualizado em 17/01/2019 18:06

Ciro, Assis, Hélio e Júlio pregam renovação (Fotos: Jailson Soares/PoliticaDinamica.com)

Ao longo do processo eleitoral para a mesa diretora da Assembleia Legislativa do Piauí, temos visto deputados e líderes políticos que defendem o nome de Hélio Isaías (Progressistas) falarem exaustivamente na necessidade de renovação e de alternância no poder. Argumentam que o atual presidente e candidato à reeleição Themístocles Filho (MDB) está no posto há 14 anos, ou seja, são sete mandatos consecutivos como presidente daquela casa.

De fato, a sociedade brasileira [e aqui me incluo] cobra renovação e alternância de poder. Também avalio que não é razoável um único deputado ficar tanto tempo no comando da Assembleia, mas é preciso chamar atenção para um fato. Quando eu e grande parte da sociedade defendemos alternância de poder, creio que o fazemos para todas as esferas. Logo, não é o caso dos políticos apoiadores do simpático e sorridente deputado Hélio Isaías.

O grupo que defende e briga pelo nome de Hélio como presidente da Assembleia é o mesmo que integrou o gigantesco bloco de apoio à reeleição do governador Wellington Dias (PT), dando a ele o quarto mandato como chefe do Executivo estadual e permitindo que o petista governe o Piauí pelo período de 16 anos. Ou seja, os que tanto cobram renovação porque Themístocles comanda a Alepi há 14 anos deram a Wellington dois anos mais que isso.

É verdade que quem consagrou Wellington nas urnas por quatro vezes como governador foi também a maioria do povo do Piauí, eleitores que votaram e exerceram sua condição cidadã. Logo, da mesma forma, os eleitores da Alepi [deputados] têm votado e elegido Themístocles seguidamente. A alternância de poder, repito, é necessária na democracia, mas os deputados que defendem Hélio Isaías talvez sejam os menos adequados para usar esse argumento.

Themístocles comanda a Alepi há 14 anos (Foto: Jailson Soares/PoliticaDinamica.com)

O Piauí possui obras paradas ainda da primeira gestão de Wellington Dias. No ano eleitoral, operações policiais escancararam problemas graves no estado, entre eles desvios superiores a R$ 120 milhões no transporte escolar enquanto milhares de crianças não podiam frequentar as aulas no interior do Piauí. Houve até morte de servidor público que teve atendimento negado porque o plano de saúde do estado estava com repasse atrasado.

Apesar disso, os defensores da alternância de poder e da renovação reverberaram de norte a sul que Wellington tinha que ficar mais quatro anos no poder. Opções para mudar? Tínhamos! Tinha ex-juiz, tinha advogado, tinha médico, tinha publicitário, tinha professor, tinha engenheiro agrônomo. Mas os que hoje defendem a alternância de poder na Assembleia Legislativa escolheram continuar com o mesmo modelo testado desde 2003.

Não estou julgando a gestão do governador Wellington Dias, um ícone da política piauiense, quatro vezes eleito legitimamente no primeiro turno, um sujeito de habilidade política incomum. Suas gestões tiveram muitos feitos positivos, sim! O que quero é tão somente dizer que o discurso da alternância de poder como maior trunfo para derrotar Themístocles é bastante contraditório para uma parcela daqueles que o fazem. A disputa na Alepi é salutar [eis aqui um cara que desconfia de consensos], mas ver esse discurso é algo desarrazoado.

Assis é o maior defensor de Hélio Isaías (Foto: Jailson Soares/PoliticaDinamica.com)

A contradição é tamanha que acontece numa mesma entrevista. Por exemplo: o deputado federal e presidente do PT, Assis Carvalho, diz que é inaceitável Themístocles querer ficar mais dois anos no comando da Alepi depois de 14 anos na presidência. Em seguida, defende o nome de Hélio e argumenta que ele sempre foi aliado de Wellington Dias, tendo ficado ao lado do petista nesses últimos 16 anos em que ele reinou na política piauiense. Perceberam?

A conclusão a que se chega é que o discurso dos políticos que defendem Hélio Isaías precisa mudar para não configurar um contrassenso. Eles devem atacar pontos das gestões de Themístocles, apontar falhas [elas existem aos montes] e apresentar propostas de melhorias para o parlamento. Mas deixem que o cidadão comum fale de renovação e alternância de poder, porque vocês, nesse contexto, não são os mais adequados para falar disso.

Comentários (105)

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Nome:
mensagem:
Notícias relacionadas
PARTIDO
MAIS ESPAÇOS NO GOVERNO
MAIS ESPAÇOS NO GOVERNO
MUDANÇA
JOAQUIM DO ARROZ ANUNCIA DESFILIAÇÃO DO PRP
JOAQUIM DO ARROZ ANUNCIA DESFILIAÇÃO DO PRP
ATRITO
PEGOU OU NÃO PEGOU CARONA NO PROJETO?
PEGOU OU NÃO PEGOU CARONA NO PROJETO?
ESFRIOU
O JEITO É FALAR DA BR-222
O JEITO É FALAR DA BR-222