Coluna Gustavo Almeida Política Dinâmica
PROPOSTA DE MARGARETE COELHO QUER CRIAR LICENÇA PARENTAL

OBJETIVO É TRANSFORMAR A LICENÇA MATERNIDADE EM LICENÇA PARENTAL E POSSIBILITAR QUE PAI E MÃE POSSAM DIVIDIR CUIDADOS COM BEBÊ NOS PRIMEIROS MESES

08/02/2020 09:17 - Atualizado em 08/02/2020 10:42

Margarete defende mudança no atual formato (Foto: Jailson Soares/PoliticaDinamica.com)

A deputada federal Margarete Coelho (Progressistas-PI) é autora de proposta que transforma a licença maternidade em licença parental. Com isso, a licença passaria a incluir, nos primeiros 30 dias, o pai da criança e não apenas a mãe. A intenção é que nesse primeiro mês o recém-nascido seja cuidado pelo casal, o que ela chama de licença parental concomitante.

A partir desse primeiro mês, ou seja, nos outros cinco meses da licença, a família é que vai decidir quem ficará com a criança, se o pai ou a mãe. Nesse caso, eles também podem alternar a folga como quiserem, com um ficando dois meses e outro três meses, por exemplo. O objetivo é que o Estado não interfira nessa escolha e que ela seja feita pelo casal.

"Para que nós tenhamos realmente o enfrentamento da questão do patriarcalismo e do machismo, a gente precisa que as mulheres façam o movimento para fora de casa e os homens façam o movimento para dentro. Então, a licença parental é uma possibilidade da família organizar esse período de cuidados iniciais com a criança. Os primeiros 30 dias, e essa é a minha proposta, é que a criança seja cuidada por ambos: pai e mãe. E a partir dali, nos outros cinco meses, a família decida quem vai ficar com a criança, se o pai ou mãe. A partir daí já não seria concomitante, eles vão se alternar como preferirem", explicou.

Atualmente, as mães já têm direito a seis meses de licença se forem do serviço público, enquanto os pais têm apenas cinco dias após o nascimento do filho. Margarete entende que o atual formato sobrecarrega a mãe e fere o direito do pai, uma vez que o exclui dos cuidados nos primeiros meses da criança. Para ela, o novo modelo proposto também visa dar mais protagonismo aos homens na paternidade.

A proposta está agora na fase de debates em audiências públicas. O tema é debatido por um grupo de trabalho na Frente Parlamentar Mista da Primeira Infância no Congresso Nacional.

Notícias relacionadas
NÃO COLOU
NÃO COLOU
EMPRESÁRIOS FAZEM MANIFESTAÇÃO PELA REABERTURA DO COMÉRCIO
EMPRESÁRIOS FAZEM MANIFESTAÇÃO PELA REABERTURA DO COMÉRCIO
"LIBERDADE DE IMPRENSA NÃO É CONSTRUÍDA POR ROBÔS"
PREFEITO DECRETA LOCKDOWN EM CIDADE DO PIAUÍ
PREFEITO DECRETA LOCKDOWN EM CIDADE DO PIAUÍ