Coluna Gustavo Almeida Política Dinâmica
AUMENTARAM
PIAUÍ: NÃO É FELIZ QUEM PAGA IMPOSTO AQUI

GOVERNADOR PROPÔS AUMENTO DE IMPOSTO SOBRE OS COMBUSTÍVEIS EM 2017 E DEPUTADOS ALIADOS APROVARAM; SAIBA O NOME DELES

28/05/2018 11:54 - Atualizado em 28/05/2018 12:35

Governador propôs aumento de impostos (Foto: Jailson Soares/PoliticaDinamica.com)

O Piauí é um dos primeiros colocados na lista dos estados brasileiros com os maiores impostos sobre os combustíveis. De acordo com a Federação das Indústrias do Piauí (Fiepi), o governo piauiense cobra o segundo Imposto de Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) mais alto do Brasil sobre o valor da gasolina, atrás apenas do Rio de Janeiro. Enquanto Santa Catarina, por exemplo, cobra R$ 0,980 de ICMS em cada litro de gasolina vendido, o Piauí cobra R$ 1,358.

Em números mais simples, o imposto sobre os combustíveis no Piauí é de 29%. Ou seja, de cada R$ 100 de gasolina, R$ 29 vai para os cofres do governo estadual. Posteriormente, parte desse imposto estadual é repassada aos municípios. Se o produto no Piauí já era um dos mais caros do país, ele subiu ainda mais no início de 2018 após o governador Wellington Dias (PT) aumentar o imposto em novembro de 2017 com o apoio da sua base aliada na Assembleia Legislativa.

Oposição tentou barrar aumento, mas perdeu (Foto: Jailson Soares/PoliticaDinamica.com)

O aumento proposto por Wellington e aprovado pelos deputados estaduais foi de 2% e atingiu também segmentos de bebidas, fumo e telecomunicações. Na época, a mensagem enviada pelo governador à Alepi alterou a Lei 4.257/1989 com o objetivo de dar um incremento na receita do Estado e garantir que o governo continuasse cumprindo obrigações, sobretudo pagamentos. A gestão estadual alegou dificuldades financeiras para justificar o aumento.

O AUMENTO CONTURBADO
Apesar de diversos protestos de empresários na Assembleia Legislativa e discussões com bate-bocas entre deputados governistas e da oposição, 19 parlamentares estaduais seguiram o desejo do governador e votaram a favor do aumento do imposto, enquanto apenas 10 parlamentares foram contra o projeto. A proposta foi aprovada no plenário da Assembleia em 1º de novembro de 2017 e começou a valer já em janeiro de 2018.

Quando projeto estava em tramitação, outdoors foram espalhados pela cidade criticando o aumento de impostos no Piauí (Foto: Gilcilene Araújo/G1)

OS DEPUTADOS DO IMPOSTO
Evaldo Gomes (PTC)
João Madison (MDB)
Themístocles Filho (MDB)
Georgiano Neto (PSD)

Evaldo brigou na CCJ para aumentar imposto (Foto: Jailson Soares/PoliticaDinamica.com)

Flávio Nogueira Júnior (PDT)
Zé Santana (MDB)
Dr. Hélio (PR)
Fernando Monteiro (PRTB)
Flora Izabel (PT)
Gessivaldo Isaías (PRB)
Liziê Coelho (à época no PTB)
Pablo Santos (MDB)
Aluísio Martins (PT)

João Mádison votou pela elevação de imposto (Foto: Jailson Soares/PoliticaDinamica.com)

Cícero Magalhães (PT)
Henrique Rebelo (à época no PT)
Francis Lopes (à época no PRP)
João de Deus (PT)
Zé Hamilton (PTB)
Edson Ferreira (à época no PSD)

OS DEPUTADOS CONTRA O IMPOSTO
Gustavo Neiva (PSB)
Luciano Nunes (PSDB)
Marden Meneses (PSDB)
Robert Rios (à época no PDT)
Rubem Martins (PSB)
Firmino Paulo (à época no PSDB)
Dr. Pessoa (à época no PSD)
Juliana Falcão (à época no MDB)
Wilson Brandão (à época PSB)
Júlio Arcoverde (PP).

Comentários (1)

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Nome:
mensagem:
    Santiago Tibiriçá em 29 de maio de 2018 às 04:05

    O GOVERNADOR QUE ASSUMIR EM JANEIRO DE 2019 VAI TER APLICAR O ANTÍDOTO CONTRA A GASTANÇA DESENFREADA DOS PETRALHAS. PODE SER ATÉ O PRÓPRIO W. DIAS, MAS OS CONTRIBUINTES JÁ ESTÃO FARTOS DE SABER QUE OS TRIBUTOS PAGOS POR ELES, NÃO RETORNAM AO POVO DO PIAUI EM BENS E SERVIÇOS. SÓ DAR MAL CUSTEAR ESTA MAQUINA INÚTIL.

Notícias relacionadas
TOPIQUE
CPI DO TRANSPORTE ESCOLAR
CPI DO TRANSPORTE ESCOLAR
ATRITO
JEOVÁ DIZ QUE CÂMARA FOI EXCLUÍDA DE CELEBRAÇÕES
JEOVÁ DIZ QUE CÂMARA FOI EXCLUÍDA DE CELEBRAÇÕES
É DIFERENTE!
VOTAR NÃO É APOIAR
VOTAR NÃO É APOIAR
OPINIÃO
UM ESTADO REFÉM DA INOPERÂNCIA
UM ESTADO REFÉM DA INOPERÂNCIA