Coluna Gustavo Almeida Política Dinâmica
REGULAMENTAÇÃO
FIRMINO CONDENA MENTIRAS CONTRA PL DO UBER

PREFEITO DA CAPITAL AFIRMA QUE AS INTERPRETAÇÕES SOBRE O PROJETO DE LEI SÃO AS MAIS TRESLOUCADAS E ABSURDAS POSSÍVEIS

07/12/2018 16:00 - Atualizado em 07/12/2018 16:25

Firmino fez desabafo por conta de distorções (Foto: Jailson Soares/PoliticaDinamica.com)

O prefeito Firmino Filho (PSDB) criticou nesta sexta-feira (7) o que classifica como mentiras sobre o Projeto de Lei que tenta regulamentar o serviço de Uber em Teresina espalhadas em grupos de WhatsApp. De acordo com o gestor, muita gente distorce o teor do projeto nos aplicativos de mensagens apenas para causar embaraço e até mesmo para estimular o ódio.

"O projeto foi grandemente distorcido nos grupos de 'zap zap', foi apresentado de forma não verdadeira e agora passaram para um processo de conclusões e consequências que simplesmente não resistem a nenhum tipo de debate mais sério. É importante que quando a gente for ler em alguns milésimos de segundos aqueles grupos de 'zap zap', a gente tenha uma vacina contra esse tipo de coisa que não contribui para um debate mais aprofundado. Pelo contrário, contribui apenas para exacerbar, criar um clima de ódio e de pânico", falou.

Firmino afirma que esse tipo de distorção para causar embaraço afasta a razão, o respeito e a oportunidade de criar consensos. O prefeito conta que o projeto enviado pela Prefeitura garante oportunidade de emprego e renda para quem já está no ramo, situação dos taxistas, bem como para os que estão chegando, como é o caso dos motoristas de aplicativo.

Prefeito diz que é preciso regulamentar (Foto: Jailson Soares/PoliticaDinamica.com)

A falta de informações e dados sobre o Uber é um dos pontos mais alegados por Firmino para justificar a necessidade da regulamentação. Ele explica que é preciso primeiro regulamentar para que se consiga as informações e, somente depois, avançar em questões como o limite de veículos. A limitação colocada no projeto, lembra ele, só será fixada posteriormente, já que até agora não se tem dados acerca de quantas pessoas vivem do serviço em Teresina.

"Ninguém tem acesso às informações dessas companhias. Então nós só podemos falar desses números após a análise dos dados, que o projeto de lei permite esse acesso aos dados. Posteriormente nós poderemos fazer essa fixação. O desafio que nós temos é regular, ter acesso aos dados e buscarmos garantir qualidade e segurança para o passageiro e, ao mesmo tempo, fazer com que não haja perda de trabalho e diminuição de renda daqueles que já estão e dos que estão chegando. Esse é o nosso objetivo desde o começo", explicou.

O tucano também destacou a necessidade da devida taxação do serviço e encerrou novamente condenando a discussão rasa nas redes sociais. "Infelizmente hoje, com essas mídias sociais, a discussão está muito rasa. A discussão está embrionária e se dá sobre coisas que não existem. Eu fiquei impressionado com uma discussão num grupo de WhatsApp sobre coisas que simplesmente não constavam do projeto de lei. O pior de tudo: as interpretações que existem são as mais tresloucadas e absurdas possíveis", encerrou.

Na Câmara, prefeito ficou frente a frente com Deolindo Moura (PT), crítico do projeto, e explicou motivações para o jovem vereador (Foto: Jailson Soares/PoliticaDinamica.com)

O projeto deve ir à votação no plenário da Câmara Municipal na próxima terça-feira (11). São necessárias duas votações para que a proposta seja aprovada e vá para sanção do prefeito.

Comentários (701)

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Nome:
mensagem: