Coluna Gustavo Almeida Política Dinâmica
DENUNCIADA PELA FARSA DO SOFTWARE

MINISTÉRIO PÚBLICO DENUNCIA REJANE DIAS POR CONTRATAR EMPRESA COM DISPENSA DE LICITAÇÃO SEM QUE HOUVESSE JUSTIFICATIVA PARA O ATO

08/10/2019 18:47 - Atualizado em 08/10/2019 19:17

Primeira-dama do Piauí é alvo de denúncia do MP (Foto: Jailson Soares/PoliticaDinamica)

Como se não bastasse a dor de cabeça por conta da Operação Topique, a deputada federal e primeira-dama do Piauí, Rejane Dias (PT), se vê diante de mais um problema. O Ministério Público do Piauí, através da 44ª Promotoria de Justiça, denunciou a petista por improbidade administrativa e pediu o bloqueio de bens dela, de uma empresa e de mais duas pessoas. O motivo foi uma contratação, sem licitação, quando ela era secretária de Educação.

Na Ação Civil Pública assinada pelo promotor Fernando Santos, Rejane é acusada de contratar a empresa Mobile Web Tecnologia e Sistemas Ltda com dispensa licitação. Baseado num relatório de auditoria do Tribunal de Contas do Estado (TCE-PI), o MP sustenta que não havia motivo para a dispensa do processo licitatório e que a justificativa, na verdade, teria sido uma farsa. O valor do contrato foi de quase R$ 5,5 milhões.

A contratação tinha como objetivo obter um sistema especializado em combate à evasão escolar, para monitoramento eletrônico de alunos, com uso de tecnologia mobile. O contrato incluía os serviços de implantação, manutenção, treinamento e fornecimento de cartões identificados de controle de acesso eletrônico. Uma inspeção feita pela equipe técnica do TCE-PI constatou diversas irregularidades na contratação da empresa.

A Secretaria de Educação alegou que o software "MobiEduca.Me" foi contratado sem licitação porque era o único no mercado voltado exclusivamente à redução da evasão escolar com as plataformas de combate ao bullying e à violência na escola, além de ter interação com o Conselho Tutelar. Mas, conforme a inspeção do TCE, essa justificativa é mentirosa.

A FARSA DO SOFTWARE

Segundo a fiscalização do TCE, embora as justificativas técnicas para a contratação retratem "tratar-se de serviço da área de informática extremamente inovador no que se refere à interação com pais e responsáveis", nada mais era que o envio de SMS, ou seja, o envio de mensagens de texto curtos através de telefones celulares e smartphones.

A fiscalização ainda apontou que "o Módulo de Combate ao Bullying é apenas um formulário para o envio de SMS para uma ou mais pessoas previamente cadastradas, não tendo, portanto, nenhuma funcionalidade diferenciada dos outros módulos de combate à evasão escolar, módulos estes baseados no envio de SMS". A descoberta aponta para uma farsa.

Denúncia aponta que software não era exclusivo no mercado (Foto: Reprodução/MP-PI)

A Divisão de Tecnologia e Informática do TCE demonstrou que há, e havia, no mercado, diversos softwares voltados à gestão escolar e com funcionalidades semelhantes ao MobiEduca.ME, sobretudo quanto à funcionalidade de envio de SMS para casos de ocorrências de aluno e, portanto facilmente utilizados para o controle da evasão escolar.

DIRECIONAMENTO DO OBJETO

Além dessas, o TCE apontou outras irregularidades. Segundo o órgão, não houve pesquisa de mercado na fase de planejamento da contratação e verificou-se também o direcionamento do objeto. Para o TCE, a Secretaria de Educação, sob o comando de Rejane Dias, dificultou a concorrência ao basear todo o Termo de Referência em apenas uma solução.

Para o MP, Rejane e o presidente da Comissão Permanente de Licitação da Seduc à época, Devaldo Rocha, ainda ignoraram um alerta da Procuradoria-Geral do Estado (PGE) sobre a necessidade de embasada justificativa para o valor contratado. O ex-presidente da Agência de Tecnologia da Informação do Piauí (ATI), David Amaral Avelino, também foi denunciado.

Promotor Fernando Santos pediu bloqueio de bens (Foto: Jailson Soares/PoliticaDinamica)

AS PENAS

Diante dos fatos, o MP-PI pede que seja concedida liminar decretando a indisponibilidade dos bens de Rejane Dias, Devaldo Rocha, David Amaral Avelino e da empresa MobileWeb Tecnologias e Sistemas. O valor de bloqueio pedido é de R$ 8.573.313,94 (oito milhões, quinhentos e setenta e três reais, trezentos e treze reais e noventa e quatro centavos).

O promotor ainda pede a condenação dos réus a perda da função pública que ocupar ao tempo do julgamento da ação, suspensão dos direitos políticos de três a cinco anos. Além disso, requer pagamento de multa civil de até 100 vezes o valor da remuneração percebida e proibição de contratar com o Poder Público direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de três anos.

Confira a denúncia na íntegra Aqui.

O QUE DIZ O GOVERNO?

Como a denúncia do Ministério Público envolve a contratação de empresa por uma secretaria do Estado e tem como alvo três ex-integrantes da gestão de Wellington Dias (PT), o Política Dinâmica procurou a Coordenadoria de Comunicação Social do Governo do Piauí para buscar um posicionamento. No entanto, nenhuma resposta foi enviada.

Comentários (0)

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Nome:
mensagem:
Notícias relacionadas
GOVERNO DO PIAUÍ VAI APURAR CALOTE QUE ELE MESMO DEU
GOVERNO DO PIAUÍ VAI APURAR CALOTE QUE ELE MESMO DEU
GAECO: ALENTO CONTRA A CORRUPÇÃO NO PIAUÍ
GAECO: ALENTO CONTRA A CORRUPÇÃO NO PIAUÍ
PROJETO DE FLÁVIO NOGUEIRA CHAMA ATENÇÃO DA INDÚSTRIA QUÍMICA
PROJETO DE FLÁVIO NOGUEIRA CHAMA ATENÇÃO DA INDÚSTRIA QUÍMICA
PARA THEMÍSTOCLES, FOI TUDO NORMAL
PARA THEMÍSTOCLES, FOI TUDO NORMAL