NOTÍCIAS

VOTO CASADO OU ROMPIMENTO

REUNIÃO DE AJUSTE ESTRATÉGICO OU DESESPERO? JORNAL DIZ QUE CHAPA DO PT EXIGE QUE ALIADOS FAÇAM O VOTO CASADO EM WELLINGTON DIAS E RAFAEL FONTELES

01/06/2022 13:34

Segundo a Coluna Primeira Mão, do Jornal Meio Norte, que é assinada pelos jornalistas Arimateia Carvalho, Sávia Barreto e Ananias Carvalho, o PT realizou uma reunião nessa terça-feira (31/05) onde definiu que para os aliados agora é voto casado ou rompimento.

Pré-candidato Rafael Fonteles estaria chateado com o alarde sobre adesões de políticos à oposição (foto: Jailson Soares / PD).

O encontro às pressas do PT foi realizado após o presidente da Câmara de Vereadores de Teresina, Jeová Alencar (Republicanos), anunciar que vai apoiar a candidatura de Joel Rodrigues (PP) ao Senado (Veja Matéria!). Com isso, a chapa liderada por Rafael Fonteles anunciou que os vereadores que desejam seguir com ele, terão que ter o voto casado: Wellington para o senado e Rafael para o Governo. Ou é isso, ou podem romper com o governo.

PESOS E MEDIDAS

Pelo visto, a decisão de voto casado para os políticos da capital também vai servir para os do interior do estado. Resta agora saber como vão fazer os deputados estaduais que têm votos dentro do eleitorado bolsonarista. Por exemplo: os deputados federais Flávio Nogueira (PT) e Júlio César Lima (PSD), os estaduais Flávio Júnior (PT), Fábio Xavier (PT) e Georgiano Neto (PSD), têm parcerias com prefeitos que já anunciaram adesão à campanha de Sílvio Mendes (União Brasil) ao governo do Estado. (Veja matéria!)

No Piauí, Júlio César já declarou voto à Lula, mas não vai punir membros do seu partido que migrarem para oposição. Em Brasília, deputado goza de amizade e tem votado a favor dos projetos enviados pelo Presidente à Câmara Federal (foto: redes sociais).

Na última semana, vários prefeitos do PSD anunciaram adesão ao grupo de Sílvio, mas continuarão apoiando o nome de Júlio César e Georgiano para as disputas proporcionais. O pré-candidato do PT vai expulsá-los da base ou conseguirá administrar isso numa boa? (Veja matéria!)

Lideranças do PSD de São João do Piauí aderem a campanha de Silvio Mendes. (foto: redes sociais)

Essa estratégia do PT de fidelizar a chapa em um único time não é nova. No início de 2018, antes da campanha começar oficialmente, o então candidato a senador Ciro Nogueira (PP) fazia casadinha com o também candidato Wilson Martins (PSB). Eram as duas maiores estruturas na disputa naquele momento e os dois tinham acordos com vários prefeitos para o voto casado, já que naquele pleito eram duas vagas ao senado.

Ciro e Wilson estavam casando votos até Ciro perceber que deixar eleitores votarem fora da chapa oficial seria um risco à sua própria candidatura (foto: Marcos Melo | PD)

Porém, quando se percebeu o risco  de dividir os votos com um membro da oposição, Ciro e Wellington decidiram buscar um novo nome para o Senado dentro do próprio time: foi aí que surgiu Marcelo Castro (MDB).  

Mesmo às vésperas da eleição, o PT conseguiu fechar o santinho político, com Wellington Dias e Regina Sousa para o governador e vice, e Marcelo Castro e Ciro Nogueira na disputa pelas duas vagas ao senado. A estratégia deu certo e, colado em Ciro, Marcelo teve votação estrondosa chegando até a passar o presidente do PP na capital.

Na eleição de 2018, o PT fez voto casado com santinho fechado em Wellington e Regina para Governo e Marcelo Castro e Ciro Nogueira para as vagas do Senado (foto: Jailson Soares / PD).

Vale agora saber se a estratégia de fecha a chapa inteira vai dar certo também para 2022, tendo em vista que nenhum dos aliados parece fazer questão deste voto casado. 

Ainda mais numa campanha que tende a ser polarizada, cada candidato a deputado parece querer garantir apenas seu próprio mandato. 

Comente