Prefeitura tem 16 obras da educação em execução este ano

Os CMEIs são equipados com salas de aula climatizadas, refeitório, solário, sala multiuso, rampas de acessibilidade e playground.

13/01/2020 09:40

Em breve, muitos estudantes que moram em novos residenciais de Teresina não precisarão mais se deslocar para estudar em outros bairros. A Prefeitura de Teresina está construindo 16 unidades de ensino com previsão de entrega para o ano de 2020. São Centros Municipais de Educação Infantil e escolas de Ensino Fundamental que devem ampliar a oferta de matrículas na Rede Municipal de Ensino.

As obras em execução estão sendo fiscalizadas de perto pela equipe da Secretaria Municipal de Educação (Semec). Ao todo, serão 11 novas creches e 5 escolas municipais, sendo 4 prontas para inaugurar no mês de fevereiro. A zona sul tem o maior número de unidades de ensino em construção este ano, como o Residencial Judith Sul, no bairro Pedra Miúda, que ganha um CMEI e uma escola de Ensino Fundamental ao mesmo tempo.

“São mais oportunidades para crianças estudarem na Rede Municipal”, destaca o secretário municipal de Educação Kleber Montezuma. Segundo ele, as unidades de ensino estão sendo preparadas para receber os alunos em uma formação mais completa. “Além da moderna infraestrutura, as novas escolas estão sendo planejadas para funcionar de acordo com o novo currículo, que forma para o mundo do trabalho, mas também ensina a gerenciar emoções. Aqui se faz futuro”, completou.

Os CMEIs são equipados com salas de aula climatizadas, refeitório, solário, sala multiuso, rampas de acessibilidade e playground. As escolas de Ensino Fundamental terão também quadra poliesportiva coberta, banheiros adaptados, sala de leitura e laboratório de informática.

FONTE: PMT

Notícias relacionadas
"ACHO QUE ELE ESTÁ ME DISPENSANDO"
JUÍZA NÃO ACEITA RELATÓRIO E QUER EXAMES DE BOLSONARO
JUÍZA NÃO ACEITA RELATÓRIO E QUER EXAMES DE BOLSONARO
ANDRÉ MENDONÇA É O NOVO MINISTRO DA JUSTIÇA
ANDRÉ MENDONÇA É O NOVO MINISTRO DA JUSTIÇA
SÉRGIO MORO DEIXA O GOVERNO
SÉRGIO MORO DEIXA O GOVERNO