NOTÍCIAS

GOVERNO LULA É UMA TRAVESSIA, DIZ TEBET

MINISTRA SIMONE TEBET AFIRMOU QUE APOIO A LULA ERA A ÚNICA OPÇÃO, DISSE NÃO SE ARREPENDER E QUE O GOVERNO SERÁ UMA "TRAVESSIA" PARA O PAÍS

18/01/2023 13:17

A ministra do Planejamento do Governo Lula, Simone Tebet (MDB), disse que não está arrependida de ter apoiado o presidente Lula (PT) no segundo turno das eleições de 2022 e acredita que a gestão petista é uma “travessia” que o país precisa passar. A ministra foi candidata a presidente nas eleições do ano passado e no primeiro turno ficou em terceiro lugar com mais de 4,9 milhões de votos (4,16%), já no segundo turno, Tebet anunciou apoio a candidatura de Lula contra a reeleição do então presidente Jair Bolsonaro (PL).

Simone Tebet é vista como aposta do MDB para as eleições presidenciais de 2026 (foto: Agência Brasil)

Em entrevista publicada nesta quarta-feira (18) ao Correio Braziliense, a ministra destacou que Lula ajudará o Brasil sair das crises. “Temos que ajudar nessa travessia, que é o governo Lula, e ajudar o Brasil a sair das crises. Estamos falando não só da crise econômica e social, mas também da crise política, que é a mãe de todas elas”, afirmou Tebet.

A ministra revelou que a saída naquele momento era apoio ao PT. “Não teve outra saída, não só para a frente democrática, frente ampla, mas também para grande parte da direita, a não ser, num 1º momento, hipotecar apoio ao Brasil, à democracia e ao governo Lula”, reforçou.

Simone Tebet se disse ainda otimista com apoio político que o Governo Lula terá para aprovar as medidas necessários no Congresso para Economia, elencando três medidas fundamentais: uma programada reestruturação fiscal, uma reforma tributária e um novo arcabouço fiscal.

“E aí, na questão dos subsídios, quando falarmos de reforma tributária, nós estaremos, sim, falando de gastos tributários. Aliás, já está se discutindo qual seria a alternativa, o que cortar, o que não cortar. Mas isso é dentro do Ministério da Fazenda”, disse Tebet.

APOIO DO MDB

A nova aposta do MDB, disse ainda que o PT poderá contar com o apoio do seu partido, o MDB, no Congresso e no Senado.  “O MDB do Senado é um pouco mais progressista e sempre esteve mais alinhado ao governo do PT. Na Câmara são 42 deputados. Tem alguns ainda, especialmente os do Sul, que no 2º turno, apoiaram o Bolsonaro e é natural. Deve ter uns 5, 6. A maioria absoluta está com o governo, se sentiu contemplada com as indicações, enfim. Eu acho que a bancada nesse ponto está bem coesa”, destacou a ministra Simone Tebet.

Ministra teve desempenho surpreendente no 1º turno das eleições e decidiu apoiar Lula no 2

ATOS TERRORISTAS EM BRASÍLIA

Sobre os ataques e a invasão dos Três Poderes em 8 de janeiro, em Brasília, Simone disse que não se deve achar que os atos foram “decisões isoladas de uma minoria da população brasileira. Segundo ela, o país viveu “quatro anos de negacionismo à vida; de ataques à Constituição, às instituições democráticas, ao Supremo, ao Congresso Nacional, à política, de discursos de ódio e de mentiras deslavadas”, disse.

Ainda segundo Tebet, essas mentiras, foram “transformadas em fake News, que viralizaram pelo Brasil, dividindo os brasileiros e fazendo uma verdadeira lavagem cerebral”, na sociedade.
“O que nós vimos, ao meu ver, no domingo, não se encerrou no domingo. Os frutos, lamentavelmente, vão cair –e isoladamente– pelo Brasil. Assim, nós temos que dormir com o olho aberto, porque os lobos solitários, agora, estão espalhados (...). De forma objetiva, acabou de se confirmar que o bolsonarismo passou a ser maior que Bolsonaro e tudo de mal que isso significa”,
afirmou Tebet.

Comente