NOTÍCIAS

FORA DO TETO NUMA CANETADA!

SOZINHO, MINISTRO GILMAR MENDES ENGOLE RESPONSABILIDADE DO CONGRESSO NACIONAL E AUTORIZA QUE FUTURO GOVERNO DE LULA GASTE MAIS PARA PAGAR BOLSA FAMÍLIA

19/12/2022 09:43

com informações de O Estadão

Numa noite de domingo, após a final da Copa do Mundo. Ninguém prestando atenção e o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou em despacho publicado ontem (18), que o dinheiro público utilizado em programas sociais de renda básica, como o Auxílio Brasil, não está inscrito na regra do teto de gastos.

Essa era a principal polêmica da “PEC do Estouro”, a Proposta de Emenda Constitucional que a equipe de transição do novo governo federal quer emplacar ainda esse ano para sustentar gastos do ano que vem.

Na prática, Gilmar enfraqueceu a posição de deputados e senadores para negociar com Lula (Foto: Carlos Moura/SCO/STF)

Gilmar Mendes também garantiu a legalidade de se pagar o benefício através da abertura de crédito extraordinário, sem necessidade de mudança constitucional. A decisão, na prática, oferece uma saída para o presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) manter o pagamento de R$ 600 no futuro Bolsa Família mesmo sem conseguir aprovar a PEC este ano.

Aprovada no Senado, a PEC da transição, que muda o teto de gastos para garantir o pagamento de R$ 600 do Auxílio Brasil no ano que vem, uma promessa de campanha de Lula, está travada na Câmara em meio à pressão do Centrão por ministérios e espaços no futuro governo. Desde o fim das eleições, o "plano B" do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) para pagar o Auxílio Brasil é a edição de créditos extraordinários, caso a PEC seja barrada no Congresso Nacional.

"Eventual dispêndio adicional de recursos com o objetivo de custear as despesas referentes à manutenção, no exercício de 2023, do programa Auxílio Brasil (ou eventual programa social que o suceda na qualidade de implemento do disposto no parágrafo único do art. 6º da Constituição), pode ser viabilizado pela via da abertura de crédito extraordinário (Constituição, art. 167, parágrafo 3º), devendo ser ressaltado que tais despesas, a teor da previsão do inciso II do parágrafo 6º do art. 107 do ADCT não se incluem na base de cálculo e nos limites estabelecidos no teto constitucional de gastos", diz o despacho.

A justificativa do ministro é "a garantia da proteção ao plexo de direitos que perfazem o mínimo existencial da população em situação de vulnerabilidade social". Para o ministro, há dinheiro para pagar o benefício com o espaço fiscal aberto pelas mudanças no pagamento de precatórios. O despacho ainda determina que o relator do Orçamento de 2023, senador Marcelo Castro (MDB-PI), seja notificado da decisão para formular sua peça.

Gilmar Mendes atendeu a um pedido da Rede Sustentabilidade, partido que apoiou o presidente diplomado Luiz Inácio Lula da Silva (PT) nas eleições deste ano.

Comente