FACHIN MANDA APURAR SE CUNHA COMPROU VOTOS

INVESTIGAÇÃO VAI APURAR SE O EX-DEPUTADO FEDERAL COMPROU VOTOS PARA SE ELEGER PRESIDENTE DA CÂMARA DOS DEPUTADOS EM 2015

18/11/2019 21:02 - Atualizado em 18/11/2019 21:08

Ex-deputado será investigado em mais um caso (Foto: Wilson Dias/Agência Brasil)

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin determinou a abertura de um inquérito para apurar se o deputado cassado Eduardo Cunha (MDB-RJ) comprou votos de congressistas para se eleger presidente da Câmara dos Deputados, em 2015.

Na decisão, o magistrado entendeu que há indícios para a abertura da investigação. No entanto, mandou o caso para o presidente da Corte, ministro Dias Toffoli, por considerar a necessidade do sorteio de um novo relator, por não haver relação com a Lava Jato.

"Na hipótese dos autos, como visto, não se verifica a priori qualquer relação dos fatos confidenciados com os episódios que vitimaram a Petrobras S.A. 3. Pelo exposto, defiro, em parte, os pedidos deduzidos pelo Ministério Público Federal, determinando a reclassificação do feito como Inquérito, sob a supervisão desta Corte Suprema", ordenou o ministro.

Além de Eduardo Cunha, o inquérito envolve 18 políticos, sendo três deputados do MDB atualmente no exercício do cargo: Carlos Bezerra (MT), Mauro Lopes (MG) e José Priante (PA). Há, ainda, 14 políticos suspeitos de envolvimento que não possuem foro privilegiado.

As possíveis irregularidades na eleição foram reveladas em colaboração premiada do ex-executivo da J&F Ricardo Saud, que relatou, em 2017, nomes de deputados que teriam recebido dinheiro vivo para apoiar a eleição de Cunha para a Presidência da Câmara.

No pleito, o emedebista foi eleito com 267 votos, contra os 136 de Arlindo Chinaglia (PT-SP).

Fonte: Poder 360

Notícias relacionadas
"ACHO QUE ELE ESTÁ ME DISPENSANDO"
JUÍZA NÃO ACEITA RELATÓRIO E QUER EXAMES DE BOLSONARO
JUÍZA NÃO ACEITA RELATÓRIO E QUER EXAMES DE BOLSONARO
ANDRÉ MENDONÇA É O NOVO MINISTRO DA JUSTIÇA
ANDRÉ MENDONÇA É O NOVO MINISTRO DA JUSTIÇA
SÉRGIO MORO DEIXA O GOVERNO
SÉRGIO MORO DEIXA O GOVERNO