NO SENADO
ELMANO PROPÕE CRIAR COMISSÃO DE SEGURANÇA

CONFORME A PROPOSTA DO SENADOR PIAUIENSE, COMISSÃO TERIA 17 INTEGRANTES E SE REUNIRIA TODAS AS TERÇAS-FEIRAS PELA MANHÃ NO SENADO

11/02/2019 07:26 - Atualizado em 11/02/2019 07:36

Elmano defende mais debate sobre a segurança (Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado)

A exemplo do que ocorre na Câmara dos Deputados, o Senado poderá ter em breve uma comissão específica para tratar de assuntos relacionados à segurança pública. A proposta está contida no Projeto de Resolução 39/2018, do senador Elmano Férrer (Pode-PI). O texto foi apresentado no ano passado, mas agora o parlamentar acredita que a proposição tem muito mais chance de ir adiante, com a chegada de novos senadores.

"O ambiente é favorável e estou otimista, pois o tema é uma das prioridades do Poder Executivo e de muitos parlamentares que iniciaram esta Legislatura. Vejo aí uma convergência para criação dessa nova comissão", disse o representante do Piauí, que pretende conversar nos próximos dias com o presidente Davi Alcolumbre sobre o assunto.

Conforme a proposta, a Comissão de Segurança Pública teria 17 integrantes e se reuniria às terças-feiras, às 8h30. Além de atuar em questões referentes aos direitos penal, processual penal e penitenciário, o colegiado deverá atuar em temas relacionados aos corpos de bombeiros militares e às polícias civil, militar, federal, rodoviária federal e ferroviária federal, marítima, aeroportuária e de fronteiras.

Péssima avaliação

O senador alega que a segurança pública se encontra entre as maiores preocupações dos brasileiros e, conforme uma avaliação realizada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) em 2016, trata-se do segundo serviço público mais mal avaliado pela população, com apenas 22% de aprovação, ficando atrás apenas da saúde pública, com 20%.

O parlamentar destaca ainda o fato de o Brasil apresentar o maior número absoluto de homicídios do mundo, com mais de 60 mil assassinatos por ano, superando em muito outras nações em desenvolvimento.

Ainda conforme Elmano, um colegiado específico desafogaria a Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), que possui um grande rol de competências e ainda tem de enfrentar a temática relativa à segurança pública, polícias e assuntos correlatos.

"Não há dúvida de que a CCJ está sobrecarregada. Além disso, a segurança é um problema que afeta diretamente a Federação, portanto o Senado tem que atuar e tem competência para isso. A Câmara já tem sua comissão permanente, mas o Senado, não", afirmou.

Tramitação

O Regimento Interno do Senado pode ser modificado ou reformado por projeto de resolução de iniciativa de qualquer senador, da Comissão Diretora ou de comissão temporária para esse fim. Após publicado, o texto fica sujeito ao recebimento de emendas por cinco dias úteis. O PRS 39/2017 altera o regimento, prevendo a criação da comissão, e não recebeu propostas de emendas. O texto está na CCJ, onde aguarda designação de relator.

Fonte: Agência Senado

Comentários (0)

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Nome:
mensagem:
Notícias relacionadas
NA CÂMARA
MAIA BARRA PEDIDO DE IMPEACHMENT DE MOURÃO
MAIA BARRA PEDIDO DE IMPEACHMENT DE MOURÃO
NA ALEPI
TERESA BRITTO FAZ APELO AO GOVERNADOR
TERESA BRITTO FAZ APELO AO GOVERNADOR
JUDICIALIZAÇÃO
24 VEZES CONTRA O GOVERNO NO STF
24 VEZES CONTRA O GOVERNO NO STF
CRIME NO RIO
“O EXÉRCITO NÃO MATOU NINGUÉM”, DIZ BOLSONARO
“O EXÉRCITO NÃO MATOU NINGUÉM”, DIZ BOLSONARO