CONTAGEM REGRESSIVA... O DESINTHEGRA DO PESSOA

FALTAM 5 DIAS PARA DR PESSOA COMPLETAR 100 DIAS À FRENTE DA PMT E PROMESSA DE RESOLVER PROBLEMAS DO TRANSPORTE PÚBLICO NÃO PASSOU DO DISCURSO

Marcos Melo Marcos Melo
06/04/2021 08:00 - Atualizado em 06/04/2021 09:13

Durante a campanha que fez dele o novo prefeito de Teresina, Doutor Pessoa (MDB) prometeu de tudo. De transposição do rio Parnaíba até parques parecidos com os da Disneylândia. Mas o que se viu até aqui foi coisa bem diferente. Na semana em que Pessoa completa 100 dias de gestão (a data certa é o próximo sábado), Teresina pode refletir um pouco sobre a nova gestão da capital. 

Chegou onde queria, mas não sabe pra onde vai: as grandes mudanças que Pessoa entrega em 100 dias de gestão são promessas que ele não está cumprindo (foto: Jailson Soares | politicaDinamica.com)

Então o Política Dinâmica começa uma contagem regressiva de 5 matérias sobre os primeiros meses de promessas descartadas sem a menor cerimônia pelo atual prefeito. 

Hoje, vamos falar um pouco do transporte público.  

DESINTHEGROU DE VEZ


Sejamos racionais: a transposição e os parques da Disney não são mesmo prioridades. Esses projetos que se confundem com alucinações não podem ser colocados na frente, por exemplo, de se encontrar uma solução para o problema de mobilidade urbana de Teresina. A promessa de Doutor Pessoa nesse ponto era "ajeitar" tudo até os seus 100 primeiros dias de prefeito.

E, nesse tempo, não vai conseguir.

Pelo contrário: a coisa piorou. Virou o "DesInthegra" do Pessoa.  

Doutor Pessoa colocou o sobrinho, Cláudio Pessoa, para comandar a Superintendência de Transporte e Trânsito de Teresina, mas até o momento, a família não encontrou a solução para o problema de mobilidade e transporte público da capital (foto: divulgação)

MASSACRE DO MAIS POBRE

Sem pagar o que deve ao sistema nem cumprir as promessas de parcelamento e quitação de dívidas, a gestão de Pessoa empurra a mobilidade urbana para o colapso. E sacrifica a população pobre, que é a que mais depende do sistema de ônibus funcionando. Se já era caro pagar os R$ 4,00 por passagem no sistema Inthegra que não funcionava direito antes, imagine agora o usuário se vendo obrigado a pagar o dobro ou o triplo disso em corridas de aplicativos ou mototáxi.

População mais pobre ficou desamparada pela promessa que Doutor Pessoa fez, mas não consegue cumprir; será maldade ou incompetência? (foto: reprodução)

Um exemplo simples: alguém que tenha uma renda de um salário mínimo hoje (R$ 1.100,00) por mês sem carteira assinada. Isso significa uma renda diária de R$ 36,60. No sistema de transporte público, imagine que gastaria R$ 4,00 para ir e outros R$ 4,00 para voltar do trabalho. Ao final do mês, seriam quase 22% da renda gastos em transporte. Mas durante a greve que durou 36 dias -- e ameaça voltar --, essa pessoa teve que usar mototáxi. Do centro para a Zona Sul, o valor médio da corrida é de R$ 12,00. Com outros R$ 12,00 para voltar, a soma fica em R$ 24,00, o que significa que dois terços (66%) da renda do trabalhador virou gasto com transporte. Dos  R$ 1.100,00 , o trabalhador ficava com R$ 858,00, mas sem o transporte público funcionando, nesse exemplo, ficaria com apenas R$ 374,00.

E o prefeito fazendo de conta que não é com ele. 

NÃO CUMPRE O QUE FALA

É, Pessoa não apenas desintegrou o sistema, mas também a pouca renda de quem já estava cambaleando financeiramente em consequência da pandemia.

Com Pessoa, falar é fácil... difícil mesmo é fazê-lo cumprir (foto: Jailson Soares | PoliticaDInamica)

Negociou o parcelamento de uma dívida de R$ 26 milhões da PMT com as empresas, prometeu pagar -- e não pagou -- R$ 1,5 milhão para que salários de motoristas e cobradores pudessem ser colocados em dia. Isso foi há 4 semanas e até o momento, tem trabalhador de barriga vazia esperando o prefeito honrar sua palavra.

MORDAÇA NO TRABALHADOR

Segundo o Sindicato das Empresas de Transporte Urbano de Teresina (SETUT), o acordo pré-firmado verbalmente ainda não se realizou, pois Doutor Pessoa quer incluir no acordo uma imposição: a de que motoristas e cobradores não poderão mais fazer greve.

A "Lei da mordaça", segundo alguns dos trabalhadores, seria um "passa-fogo" do prefeito para precarizar ainda mais a posição desses pais de família na mesa de negociações do setor.

Pessoa não quer mais que trabalhadores sejam vistos protestando nas escadarias da Prefeitura; condição de "mordaça" a quem não recebe salários em dia beira a chantagem (foto: divulgação)

Enquanto isso, nos bastidores da Prefeitura, fala-se numa municipalização do sistema, mas nunca é apresentado um estudo que justifique isso. Não há informações baseadas em dados que mostre que algo do tipo poderia melhorar o serviço para a população. Aliás, ali no Palácio da Cidade, já se fala bastante na construção de uma alternativa ao modelo atual de transporte público incluindo vans e micro-ônibus. 

Coisa que se desenha com traços de esquema.

E dos grandes.


Marcos Melo

Marcos Melo

Jornalista

Comente!

ANTERIOR

CRISE DE INSEGURANÇA

PRÓXIMA

ELE GOSTA É DE CACIQUES... ...POLÍTICOS!