Coluna Marcos Melo Política Dinâmica
WELLINGTON VENCEU CIRO EM TERESINA

OS DOIS ANTECIPARAM AS ELEIÇÕES DE 2022 E O PETISTA REEQUILIBROU O JOGO QUE O SENADOR HAVIA GANHO NO INTERIOR

30/11/2020 09:56 - Atualizado em 30/11/2020 10:09

Estratégia de Wellington Dias superou trabalho político de Ciro Nogueira em Teresina (fotos: Jailson Soares | PoliticaDinamica.com)

A vitória de Dr. Pessoa (MDB) é também a vitória de Wellington Dias (PT). Foi até comentário da jornalista Renata Lo Prete no momento em que ela falava sobre o resultado da eleição em Teresina, ao lado de William Bonner no Fantástico desse domingo (29). Não que fosse preciso assistir pra saber disso.

O detalhe é que a união de Pessoa e Wellington não é uma narrativa de campanha de adversário, e sim um fato, observado do ponto de vista nacional. Em todo o Piauí, a eleição de 2022 foi antecipada e projetada em resultados locais de uma maneira bem mais intensa do que havia ocorrido em disputas anteriores.

Por isso mesmo também, é impossível dissociar: dessa vez se Wellington ganhou, Ciro Nogueira (PP) perdeu.

De olho nas eleições de 2022: as pretensões majoritárias de Ciro Nogueira e Wellington Dias deram o tom dos bastidores e afetaram as campanha de Teresina e interior (foto: Jailson Soares | PoliticaDinamica.com)

Se pelo tamanho da prefeitura, pelo envolvimento direto do senador e pela diferença de quase 100 mil votos, essa derrota na capital não superar as vitórias de Ciro pelo interior do Piauí no primeiro turno, podemos dizer que pelo menos as forças se equilibraram.

Revés em Teresina: com vitória de Wellington Dias, é hora de Ciro Nogueira reavaliar a estratégia de seu grupo político (foto: Jailson Soares | PoliticaDinamica.com)

Antes do início da campanha, a vitória em Teresina era dada como certa pelo senador Ciro Nogueira. Inclusive por adversários dele, sejamos justos nisso. E nesse cenário, as eleições de 2022 seriam “um passeio”.

Agora, o caminho é bem mais complicado. Em política, subestimar é o primeiro passo para perder.

Comente!

ANTERIOR

ESQUIZOFRENIA POLÍTICA

PRÓXIMA

EDUCAÇÃO: GIL OU CHICO?