Coluna Marcos Melo Política Dinâmica
CAIXA: SAQUEADA E ASSALTADA

MINISTRO DE BOLSONARO APONTA QUE CAIXA ECONÔMICA FOI VÍTIMA DE AÇÕES CRIMINOSAS E CIRO NOGUEIRA COMENTA GESTÃO DO PP NO BANCO

10/01/2019 11:56 - Atualizado em 10/01/2019 12:29

“A Caixa Econômica foi vítima de saques, fraudes e assaltos nos recursos públicos”. A frase foi proferida pelo ministro da Economia Paulo Guedes esta semana, durante a posse dos novos presidentes dos bancos estatais. Desde 2016, a presidência do banco tem sido indicada pelo senador Ciro Nogueira, presidente nacional do Progressistas.

O tom do diálogo que o governo federal e o PP de Ciro Nogueira só realizam por recados na imprensa dÃo o tom o distanciamento político deles (fotos: Youtube e PolíticaDinamica.com)

O Política Dinâmica questionou o senador piauiense a respeito das palavras do braço direito do presidente Jair Bolsonaro (PSL) a respeito da gestão do banco. E Ciro não quis esticar muito a conversa.

CURTO E GROSSO

“Só tenho a dizer que a Caixa está apresentando os maiores lucros da sua história. O maior volume de investimentos da sua história, no que diz respeito a todas as áreas. Nos últimos anos foram anos fantásticos, né? Eu não tenho dúvida de que a Caixa teve nas últimas gestões, principalmente na do doutor Nelson Souza, talvez o melhor presidente da sua história. É isso que eu tenho a dizer”, comentou.

Ciro Nogueira não disse mais nada. Não comentou a gestão de Gilberto Occhi, que estava lá antes de Nelson e que seguiu, depois, para o Ministério da Saúde.

EMPRÉSTIMOS SUSPEITOS

Foi durante a gestão dos indicados do PP que, no Piauí, se desenrolou a polêmica dos empréstimos do FINISA I e II. O uso dos recursos foi questionado na justiça e parte do empréstimo está bloqueado por ordem da Justiça Federal até hoje. Há suspeitas de que a Caixa tenha atuado para favorecer eleitoralmente a base do governador Wellington Dias (PT), que encabeçou a chapa pela qual Ciro também foi reeleito.

As suspeitas sobre o uso dos recursos do FINISA I e II pelo governo do Estado do Piauí teve início durante a gestão de Gilberto Occhi na CEF, indicação de Ciro (foto: Marcos Melo | PoliticaDinamica.com)

De fato, Paulo Guedes não disse quando teriam ocorrido os saques, fraudes e assaltos. O banco foi parar nas mãos do PP em 2016, após o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT).

Em seu discurso no ato de transmissão do cargo, o piauiense agora ex-presidente da Caixa Nelson Souza afirmou que o banco estava dobrando em 2018 o lucro que obteve em 2017, num salto de R$ 7,3 bilhões para R$ 15 bilhões. E frisou que a inadimplência está abaixo dos 2%.

Este episódio aponta, de todo modo, para um relacionamento que não promete ser dos melhores entre Ciro e o atual Governo Federal. Pelo menos não tão bom quanto era com o ex-presidente Michel Temer (MDB).

Comentários (4166)

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Nome:
mensagem: