Selo

00:00
Coluna Lídia Brito Política Dinâmica
ELEIÇÃO 2018
QUEM PODERÁ ENFRENTAR WELLINGTON DIAS EM 2018?

COLUNA APRESENTA ALGUMAS OPÇÕES DE NOMES DE PROVÁVEIS CANDIATOS ENTRE VELHOS CONHECIDOS DO ELEITOR E NOVIDADES

04/06/2017 10:18 - Atualizado em 04/06/2017 10:56

Oposição busca um nome para enfrentar Wellington Dias em 2018 (Foto:JailsonSoares/Politicadinamica.com)

A política brasileira vive um momento de crise representado, entre outros pontos, pela escassez de novas lideranças políticas. Nos partidos, predominam os velhos rostos, que em alguns casos, estão ligados diretamente aos escândalos de corrupção e possuem o futuro incerto quanto a 2018.

O tema é consenso na maioria dos partidos que buscam meios de atrair novas caras e começar a formação de futuros líderes. Essa sensação de falta de opção é sentida quando o assunto é a eleição presidencial de 2018, mas também afeta as sucessões estaduais.

No Piauí, essa crise vem sendo sentida pela oposição ao governador Wellington Dias. O grupo oposicionista tem encontrado dificuldades para apresentar um nome capaz de concorrer com a popularidade do petista, que segundo as últimas pesquisas chega a 70%.

As dificuldades passam, entre outras coisas, por encontrar alguém com o mesmo carisma e poder de agregar que possui Wellington. Não é à toa que ele já está a três mandatos à frente do Palácio de Karnak.

Pensando nisso, a coluna traz uma lista com alguns nomes que poderiam assumir a disputa contra Wellington. Estão presentes na relação personalidades políticos tradicionais, mas também, de pessoas de fora do meio  que se destacam no cenário local e que poderiam assumir um papel na política do estado. Alguns dos nomes foram sugeridos por leitores da coluna. Confira a relação:

NA POLÍTICA TRADICIONAL

JOÃO VICENTE CLAUDINO (SEM PARTIDO)

Ex-senador é cortejado pela oposição, mas ainda não se filiou a nenhum partido (Foto:JailsonSoares/PoliticaDinamica.com)

A lista segue com o empresário João Vicente Claudino (sem partido). A oposição o deseja, mas não sabe se de fato poderá contar com ele em 2018. Depois de abandonar a política aos prantos durante coletiva de imprensa em 2014 e anunciar a saída do PTB, a relação dele com a política é incerta.

Membro de uma das famílias mais ricas do Piauí, ele afirma que deixou a política por questões pessoais, mas afirma ter desejo de retornar. O problema é saber se ele virá na chapa governista ou na oposição. Ele tem sido procurado pelos dois lados e aliados revelam que o governador Wellington Dias (PT) já teria afirmado desejar ter o empresário ao seu lado.

Se retornar em um partido da oposição, não são descartadas as chances do empresário ser o adversário de Wellington Dias. A oposição afirma que o nome dele seria ideal. Ele é citado como um político honesto (coisa rara hoje em dia) já que em oito anos como senador nunca teve envolvimento em escândalos de corrupção.

FIRMINO FILHO (PSDB)

Prefeito Firmino Filho nega o interesse, mas vem sendo alvo de convites da oposição Foto:(JailsonSoares/PoliticaDinamica.com)

Mesmo jurando que não possui a menor pretensão de ser candidato em 2018, o nome do prefeito Firmino Filho (PSDB) é certo na lista dos possíveis adversários de Wellington Dias. Na oposição há quem diga que ele seria o único a ter chances reais de derrotar o petista.

Firmino desconversa e diz que cumprirá os quatro anos de mandato como prefeito da capital. Aliados afirmam que um dos empecilhos seria o relacionamento dele com o PMDB que indicou o vice-prefeito Luiz Júnior (PMDB). O tucano não estaria no melhor momento na relação com o partido do deputado Themístocles Filho. O PMDB é hoje um importante aliado de Wellington Dias. Se sair candidato deixa o partido no comando da prefeitura.

Na oposição, não se descarta o apoio do presidente nacional do PP, Ciro Nogueira, ao tucano caso ele participe da disputa. Apesar de jurar lealdade a Wellington, Ciro tem sido alvo de ataques de petistas e a relação entre as duas siglas não seria das melhores. Em uma aliança com Firmino, o PP poderia ter mais espaço na chapa majoritária. Na coligação do petista tem partido de mais para vaga de menos.

JOÃO HENRIQUE (PMDB)

Ex-ministro percorre o Piauí em busca de apoio para uma possível candidatura (Foto:JailsonSoares/PoliticaDinamica.com)

A possibilidade de uma candidatura de João Henrique (PMDB) vai se tornando mais remota à medida que se agravam as denúncias contra o governo do presidente Michel Temer (PMDB). Sem apoio dos peemedebistas no Piauí, o ex-ministro contava que teria o apoio de Brasília para buscar montar uma chapa contra Wellington Dias. Com a possibilidade de Temer não chegar a 2018, as pretensões do aliado ficam prejudicadas.

João Henrique foi o primeiro a percorrer o estado pregando contra o governo de Wellington. Ele tem andado as principais cidades do interior com a chamada “caravana” em busca de apoio para uma candidatura. Com a crise em Brasília, o movimento deu uma esfriada.

Na oposição há quem diga que ele não teria o carisma necessário para ser candidato contra o petista, que tem o título de ser um dos políticos mais carismáticos do Piauí. Foi cogitada a possibilidade do deputado estadual Dr. Pessoa (PSD) sair como vice do peemedebista, mas o parlamentar já avisou que se for concorrer em 2018 será como protagonista.

DR. PESSOA (PSD)

Dr. Pessoa é considerado o único com popularidade semelhante a Wellington Dias (Foto:JailsonSoares/PoliticaDinamica.com)

Segundo colocado na disputa pela Prefeitura de Teresina em 2016, o deputado Dr. Pessoa é apontado como um nome forte para enfrenta Wellington Dias. Entre os nomes citados até agora, ele seria o único com um carisma popular semelhante ao do petista.

Dr. Pessoa é considerado um político do povo com ampla experiência no Legislativo. Ele já foi vereador de Teresina e agora exerce o mandato de deputado. Médico é conhecido por fazer trabalho assistencialista junto da população mais carente.

Contra ele pesam alguns pontos como a falta de partido. Dr. Pessoa é do PSD que apoia Wellington. O deputado também gera algumas desconfianças por ser visto como um nome que não conseguiria agregar politicamente. A dificuldade de montar o programa de governo para o estado também seria um aspecto negativo.

WILSON MARTINS (PSB)

Ex-governador quer voltar ao cenário político e é cotado para disputar o Karnak (Foto:JailsonSoares/PoliticaDinamica.com)

Entre as figuras já conhecidas do eleitor piauiense citamos o ex-governador do Piauí, Wilson Martins (PSB). Ele já foi vice do governador Wellington Dias e assumiu o governo depois do petista renunciar em 2010 para ser candidato a uma vaga no Senado Federal.Hoje sem cargo e na oposição, ele tenta se firmar como um importante líder oposicionista ao governo do PT no Piauí.

É um típico representante da política tradicional do estado. Wilson já começou a se movimentar e tem percorrido o interior do Piauí pregando contra o governo do petista. Ele tenta conseguir apoio de prefeitos e lideranças do interior.

Depois de sair da cena política local após derrota considerada por muito humilhante, na disputa pelo Senado contra Elmano Ferrer (PMDB) em 2014,não restam dúvidas que ele será candidato, só falta definir a qual cargo. Aliados afirmam que uma candidatura ao Senado não estaria descarta. Se isso ocorrer, ele estaria fora da lista de possíveis adversários de Wellington.

ROBERT RIOS (PDT)

Deputado diz querer concorrer ao Senado, mas não descarta disputar o Karnak (Foto:JailsonSoares/PoliticaDinamica.com)

O líder da oposição na Assembleia Legislativa do Estado também é lembrado e citado como um nome capaz de acabar com o projeto de reeleição de Wellington Dias. Polêmico e sem papas na língua, Robert Rios (PDT) diz que deseja mesmo é disputar o Senado, mas avisa que se a oposição não tiver um nome forte para governador, fará o "sacrifício" pelo Piauí.

Robert é o principal crítico do governo de Wellington na Assembleia. Ele tem denunciado o inchaço da máquina pública e as acomodações políticas feitas pelo petista para amarrar aliança políticas visando 2018.

MARGARETE COELHO (PP)

De todos os nomes citados até agora o que tenha talvez a menor probabilidade de se tornar realidade é o da vice-governadora Margaret Coelho (PP). Mas como ela é sempre citada como um bom nome para governar o Piauí, também entra na lista. Pode ser uma opção futura.

Para ser candidata, Margarete precisaria romper com o petista e mudar de partido. Ela é hoje filiada ao PP do senador Ciro Nogueira. Aliados afirmam que ela tem pouco espaço dentro do partido apesar do potencial político que possui.

Margarete é advogada, conhecida pela competência e se destacou pelo trabalho realizado como deputada. Ela também atua nas causas em defesa dos direitos da mulher. Competência para assumir o cargo não faltaria.

GUSTAVO DE CARVALHO

Vereador deve ser lançado pelo PEN como candidato ao governo do estado (JailsonSoares/PoliticaDinamica.com)

Na política também há nomes novos que se colocam como opção para o eleitor em 2018. É o caso do vereador Gustavo de Carvalho (PEN). Ele quer ser candidato ao Palácio de Karnak no próximo ano.

O vereador pode ser visto como uma novidade. A candidatura dele faz parte de uma estratégia da direção nacional do PEN.A intenção do partido é considerada ousada já que Gustavo ainda se encontra no primeiro mandato como vereador e é pouco conhecido no estado.

ROMUALDO ARAÚJO

Romualdo (no centro da foto) diz ser pré-canddiato e critica gasto do governo  (JailsonSoares/PoliticaDinamica.com)

O presidente do PSDC no Piauí, Romualdo Araújo, também é uma novidade na disputa pelo Palácio de Karnak. A pré-candidatura dele já foi lançada oficialmente pelo partido durante encontro em Teresina.

Ele tem atuação política na região de Parnaíba e tem feito duras críticas ao governo de Wellington Dias. Romualdo critica o excesso de cargos comissionados na administração estadual e prega a redução da máquina pública.

FORA DA POLÍTICA

A crise política e os escândalos de corrupção tem afetado a imagem dos políticos do país de uma forma geral. O eleitor começa a buscar nomes fora da política. Líderes empresariais e até figuras de destaque no Judiciário são citados como opções futuras.

No Piauí, o sentimento da necessidade de renovação é o mesmo e o eleitor passa a buscar opções em outros meios. A coluna traz alguns desses nomes colocados pelos leitores.

CERQUEIRA DANTAS

Considerado um empresário piauiense de sucesso, ele comanda mais de 20 empresas no estado. O empresário atua na área da saúde e é conhecido pela capacidade de gerência e liderança.

ANDRÉ BAIA

O empresário André Baia é presidente do Sindicato da Construção Civil do Piauí (Sinduscon). Ele é crítico do governo do PT tanto a nível nacional quanto local. É cortejado por vários partidos da oposição e não descarta disputar um cargo político em 2018.

JESUS TAJRA FILHO

Empresário e membro de uma família tradicional, que comanda um dos maiores grupos de comunicação do Piauí, o empresário Jesus Tajra Filho também é lembrado como opção para o Governo do Estado. Fora da política é conhecido como um homem ético e um bom gestor.

GEORGIA NUNES

Na lista de mulheres que futuramente poderão ingressar na política e surgir como uma opção para o eleitor, aparece o nome da atual procuradora-geral do Município de Teresina, Georgia Nunes. Ela não possui filiação partidária e é ligada a vice-governadora Margarete Coelho (PP). Georgia é advogada e reconhecida pela competência e postura ética.

CHICO LUCAS

O presidente da OAB Piauí é cortejado por diversos partidos políticos no Piauí. Ele é apontado como um jovem promissor na política. Ele tem recebido propostas para disputar uma vaga na Câmara federal, mas também é lembrado como alguém com capacidades necessárias para uma disputa pelo comando do Palácio de Karnak. 

Comente!
Notícias relacionadas
ELEIÇÕES 2018
“POLÍTICO CORRUPTO REFLETE O ELEITOR QUE SOMOS”, DIZ JOAQUIM SANTANA
“POLÍTICO CORRUPTO REFLETE O ELEITOR QUE SOMOS”, DIZ JOAQUIM SANTANA
ESTRANHA NO NINHO
CADÊ OS VEREADORES DO PT?
CADÊ OS VEREADORES DO PT?
NOVO PARTIDO
REGINA NEGA CRISE NO PT E FALA EM FOFOCA
REGINA NEGA CRISE NO PT E FALA EM FOFOCA
DIREITOS POLÍTICOS
FIRMINO DIZ QUE DECISÃO DE JUIZ É “FRÁGIL”
FIRMINO DIZ QUE DECISÃO DE JUIZ É “FRÁGIL”