Selo

00:00
Coluna Lídia Brito
  • 26 de junho 2017

    domingo, 25 de junho de 2017, às 07:55h

    Senadora diz que reforma trabalhista deve passar na CCJ (Foto:JailsonSoares/PoliticaDinamica.com)

    A senadora Regina Sousa (PT) comemorou a decisão da Comissão de Assuntos Sociais do Senado que recusou o texto da Reforma Trabalhista. Apesar da vitória da oposição, ela reconhece que na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) a reforma deve passar com tranquilidade. 

    A petista reconhece que faltam argumentos para comprovar que a reforma seria inconstitucional. “Na Comissão de Assuntos Sociais avaliamos o mérito. Foi provado que a reforma é ruim para a sociedade. Por isso não passou. Já na CCJ se vota a constitucionalidade. Tem poucos artigos em que podemos nos basear para afirmar que a reforma é inconstitucional. Sabemos como a CCJ é organizada e o texto deve passar”, afirmou.

    Regina afirma que a vitória na Comissão de Assuntos Sociais do Senado só foi possível porque a oposição conseguiu convencer três aliados do governo a votarem contra. “O governo estava de salto alto, no clima de já ganhou. A oposição articulou bem, conversamos com alguns parlamentares e acabou que 3 do governo mudaram de ideia e eles perderam na comissão.

    Os próprios senadores começam a entender que a reforma não é boa”, declarou.

    A proposta deve ser votada na CCJ no dia 27. “Há uma organização para que ocorram manifestações no dia da votação na CCJ. A greve geral deve ocorrer dia 30. Esperamos uma participação popular igual ou maior do que da greve passada. É importante que a sociedade se manifeste”, disse. 

    • Full banner
  • domingo, 25 de junho de 2017, às 06:36h

    Setores do partido demonstram insatisfação com os espaços no governo de Wellington (Foto:JailsonSoares/PoliticaDinamica.com)

    O céu de brigadeiro anunciado pelo governador Wellington Dias (PT) pode ter os dias contados. É real a ameaça dos deputados Pablo Santos (PMDB) e Zé Santana (PMDB) de entregarem os cargos que possuem no Governo do Estado. Os dois reclamam que as pastas assumidas não possuem a mínima estrutura necessária para se trabalhar.

    O presidente da Assembleia Legislativa do Estado, deputado Themístocles Filho (PMDB), tem sido responsável por acalmar os peemedebistas descontentes. Mas há a informação de que nem ele será capaz de controlar por muito tempo as insatisfações dentro do partido.

    Nos próximos dias, o governador deve se reunir com os insatisfeitos. O governador sabe que o PMDB não está unido 100% em torno do governo e quer evitar que o grupo de oposição dentro da sigla, liderado pelo ex-ministro João Henrique Sousa, ganhe força.

    Pablo Santos assumiu a recém criada Fundação de Saúde e enfrenta uma batalha com o PT nos bastidores. Além da fundação não ter estrutura, o deputado não teria conseguido iniciar os trabalhos por disputas com petistas de dentro da Secretaria de Saúde, que não querem abrir mão do controle de alguns hospitais para o peemedebista.

    No caso de Zé Santana, a situação é praticamente a mesma. Ele enfrenta a resistência de setores do PT dentro da Secretaria de Assistência Social e Cidadania (SASC). A promessa do governador é resolver os impasses antes do mês de julho. O prazo já está esgotando e até agora pouca coisa mudou nas pasta assumidas pelo PMDB. 

    • Full banner
  • sábado, 24 de junho de 2017, às 11:54h

    Francis Lopes sofreu tentativa de assalto durante viagem para show (Foto:JailsonSoares/PoliticaDinamica.com)

    O deputado e cantor Francis Lopes (PRP) e os músicos da banda do parlamentar passaram por momentos de apreensão. A banda estava na estrada entre os municípios de Conceição do Canindé e Jacobina quando o ônibus foi alvejado com tiros. 

    Eles sofreram uma tentativa de assalto na noite da quinta-feira (24). Ninguém ficou ferido e a polícia não conseguiu localizar os assaltantes. Nas redes sociais o deputado falou do episódio e tranquilizou os fãs.

    O deputado, que é aliado do governador Wellington Dias (PT), foi mais uma vítima da violência que aumenta no estado. 

    “Sofremos uma tentativa de assalto. Eles atiraram, mas não houve nada grave estamos em paz. Não roubaram nada. Eles perfuraram com bala o nosso ônibus, mas graças a Deus a pessoa da poltrona do local onde a bala atravessou estava deitada e não aconteceu nada. O importante é que estamos bem. Nosso motorista não passou por eles”, declarou o deputado.

    • Full banner
  • sábado, 24 de junho de 2017, às 08:05h

    Prefeito Firmino Filho afirma que situação da prefeitura é crítica (Foto:JailsonSoares/PoliticaDinamica.com)

    O prefeito de Teresina Firmino Filho (PSDB) descartou qualquer possibilidade de conceder aumento salarial aos servidores municipais. Ele afirma que a situação econômica da prefeitura é grave e revela que os salários só não atrasaram no ano passado por “um milagre”.

    Firmino afirma que conceder reajuste no momento de crise seria irresponsabilidade. Segundo ele, o aumento poderia levar a prefeitura a viver a mesma situação que o governo do estado viveu na década de 90. Naquela época, os salários dos servidores estaduais chegavam a atrasar por três meses.

    “A prefeitura vem lutando para manter o compromisso com os servidores. Nós vivemos uma imensa crise. Essa crise não foi embora. E nós vamos continuar honrando nossos compromissos. Não podemos brincar de administrar a cidade e tomar alguma atitude que no momento seguinte possa fazer Teresina a ser o que foi o Piauí nas décadas de 80 e 90. Naquela época, o governo atrasava os salários porque tiveram políticas irresponsáveis em um momento crítico. No ano passado a prefeitura não atrasou os salários por milagre”, afirmou.

    Esta semana, a administração de Firmino Filho foi notificada pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE) a realizar um maior controle na folha de servidores. A prefeitura corre o risco de ultrapassar o limite prudencial que é de 49%. De acordo com o TCE, Teresina já tem 48,64% das receitas comprometidas com o pagamento de servidores. A solução é fazer novo corte de pessoal e revisar os contratos existentes do município.

    “Para não ter esse dessabor com crise na saúde, na educação, e o da fim da coleta de lixo é necessário que possamos fazer a nossa parte. Estamos cortando gastos, secretarias e cargos comissionados. Momento de crise tem que ser responsável para que não viemos a pagar, para que a cidade não venha a pagar um preço grande”, destacou. 

    • Full banner
  • sábado, 24 de junho de 2017, às 07:02h

    Governador anuncia lei de reajuste salarial em meio a crise econômica (Foto:JailsonSoares/PoliticaDinamica.com)

    Quem não lembra de 2015 quando o governador Wellington Dias (PT) assumiu pela terceira vez o governo do Piauí. A equipe econômica do petista denunciava ter recebido um governo quebrado e criticava o antecessor ex-governador Zé Filho (sem partido) por ter concedido aumento salarial a várias categorias de servidores.

    A crítica é que o estado passava por dificuldades financeiras e Zé Filho teria concedido os reajuste visando se reeleger naquele ano. Pois bem, em 2017, o Piauí vive uma crise em que o próprio governo já alardeou várias vezes sobre a possibilidade de atrasar salários e, mesmo assim, Wellington começa a falar em aumento salarial.

    Agora, coincidentemente como pré-candidato a reeleição, o governador anuncia que irá encaminhar para a Assembleia uma lei que garante reajuste salarial aos servidores. O funcionário público merece, mas é preciso ter cuidado para não cair no mesmo erro do antecessor.

    O período eleitoral se aproxima, mas a crise econômica pede cautela e compromisso com a saúde financeira do estado. Os economistas alertam que a situação deve se prolongar pelos próximos anos.

    Wellington explica a decisão. “A essência da política salarial é garantir um reajuste pela inflação, que agora vou ter que recompor gradativamente para não desmantelar o Estado. já estou encaminhando para a Assembleia Legislativa uma lei para voltar a uma política de reajuste geral, que seja corrigido pela inflação e que tenha mais um ganho real a partir de 2018”.

    • Full banner
  • sábado, 24 de junho de 2017, às 06:29h

    MÁGOA

    Pelo visto a mágoa do vereador Edson Melo (PSDB) ainda não passou. O tucano tem evitado andar ao lado do prefeito Firmino Filho (PSDB). O motivo seria a cobrança dos eleitores. Toda vez que ele aparece ao lado de Firmino é cobrado por algum comissionado que foi demitido da Prefeitura de Teresina. Ele não participou da solenidade de plantio de mudas de árvores.

    ESTRANHA NO NINHO

    A presença da senadora Regina Sousa (PT) em evento promovido pela Prefeitura de Teresina causou estranheza. Ao lado do prefeito Firmino Filho (PSDB) e de vereadores da base do tucano, a senadora foi vista como uma estranha no ninho.

    AMIZADE
    Percebendo a estranheza, Regina tratou de justificar a presença informando que estava ali por convite do secretário de Meio ambiente, Olavo Braz. Os dois são amigos. O prefeito Firmino também lhe tem muito apreço.

    COM CULPA

    Para o presidente do TRE-PI, desembargador Joaquim Santana, o eleitor não é apenas vítima quando se fala em corrupção. Com um discurso duro, ele afirma que o político corrupto reflete o eleitor que se deixa corromper. Joaquim afirma que enquanto tiver alguém disposto a vender o voto sempre haverá o corrupto.

    SEM CULPA

    O prefeito Firmino Filho (PSDB) afirma que acertou ao contratar servidores sem concurso para a Fundação de Saúde. Ele diz que foi uma questão de “sensibilidade humana” e emergência para evitar que pacientes do Hospital Meduna ficassem na rua sem atendimento. A decisão pode levar o tucano a perder os direitos políticos por 3 anos. 

    • Full banner
  • sexta, 23 de junho de 2017, às 13:09h

    Presidente do TRE afirma que o eleitor também tem responsabilidades sobre a corrupção (Foto:JailsonSoares/PoliticaDinamica.com)

    O Tribunal Regional Eleitoral do Piauí (TRE) realizou um encontro com prefeitos de 40 municípios do estado para discutir a biometria. A meta da Justiça Eleitoral é que até março de 2018 todos os eleitores piauienses já estejam cadastrados no novo sistema.

    Durante entrevista, o presidente Joaquim Santana falou sobre a segurança do novo sistema e do combate a corrupção eleitoral. Segundo ele, as denúncias de corrupção levam a refletir sobre o papel do eleitor.

    Joaquim Santana falou sobre o fim do financiamento privado de campanha e afirmou que “político corrupto reflete o eleitor que somos”. “O fim do financiamento privado é um avanço. Essa eleição terá esse diferencial. Isso vai dificultar mais a corrupção. Nós acreditamos que vamos melhorar nesse sentido. O político que temos é resultado do eleitor que somos. Ninguém fala isso. Falamos muito do político e esquecemos da importância de um eleitor consciente. O eleitor deve ter consciência de não se vender”, afirmou.

    BIOMETRIA

    O Tribunal busca parceria com os prefeitos do interior para que a biometria consiga atingir os objetivos e metas. Joaquim destaca a importância do sistema para evitar fraudes na eleição. Segundo ele, já houve casos no país do mesmo eleitor ter 40 títulos.

    “Desde que foi feita a biometria não se tem notícia de duplicidade de títulos, nem fraude. Houve uma época em que no sistema anterior se identificou pessoas com mais de 40 títulos no Brasil. Felizmente estamos avançando nessa parte e esperamos conseguir a perfeição. O

    eleitor que não comparecer ficará sem poder votar. Terá que esperar um momento posterior para regularizar a situação”, explicou. 

    • Full banner
  • sexta, 23 de junho de 2017, às 11:55h

    Senadora Regina Sousa participou de evento do prefeito Firmino Filho (Foto:JailsonSoares/PoliticaDinamica.com)

    A senadora Regina Sousa (PT) viveu um momento de "estranha no ninho" tucano na manhã desta sexta-feira (23). Ela participou de evento da prefeitura de criação de um bosque na Floresta Fóssil de Teresina.

    Ao lado do prefeito Firmino Filho (PSDB) e de vereadores da base do tucano, a senadora perguntava pelos vereadores do PT. “Cadê os vereadores do PT? Tem árvores com os nomes deles aqui, mas não vi nem o Deolindo e o Dudu”, falava a assessores.

    Regina parece não saber que em evento promovido pela prefeitura de Teresina os parlamentares do PT não aparecem. 

    • Full banner
  • sexta, 23 de junho de 2017, às 11:40h

    Regina Sousa nega que lideranças do PT estariam planejando um novo partido (Foto:JailsonSoares/PoliticaDinamica.com)

    A senadora Regina Sousa (PT) reagiu à informação de que lideranças do Partido dos Trabalhadores estariam se reunindo com nomes da esquerda para fundar um outro partido. A notícia surgiu depois que petistas e militantes do PSOL se reuniram em Brasília.

    A mídia nacional chegou a divulgar que o ex-presidente Lula (PT) teria ficado enfurecido com o encontro. Regina afirma que as informações não passariam de “fofoca” com a finalidade de desestabilizar o PT.

    “Isso é fofoca. Não existe isso. O pessoal tem se reunido para discutir com economistas, um projeto de nação. Se somos convidado nós vamos. Eu mesma participei do lançamento desse projeto na Câmara Federal. Não tratamos de eleição, mas de um projeto de nação”, declarou.

    Regina afirma que Lula não teria se manifestado sobre o encontro. “Não tem nada de insatisfação do PT e nem do Lula. As pessoas aproveitam qualquer coisa para inventar fofoca.

    Lula não se manifestou sobre isso. Ele não disse nada. Talvez se estivesse em Brasília tivesse até participado”, disse. 

    • Full banner
  • sexta, 23 de junho de 2017, às 11:20h

    Firmino Filho afirma que decisão de juiz é frágil (Foto:JailsonSoares/PoliticaDinamica.com)

    O prefeito Firmino Filho (PSDB) comentou a decisão do juiz da 1ª Vara dos Feitos da Fazenda Pública, Aderson Antônio Brito Nogueira, que suspende por três anos os direitos políticos dele e do presidente da Fundação Municipal de Saúde Sílvio Mendes (PP). O tucano disse que a decisão é frágil e afirma que a assessoria jurídica deve recorrer.

    “Recebemos com muita naturalidade. Nosso assessor jurídico já está autorizado a recorrer. Não teremos dificuldades porque nós entendemos que a base da decisão é muito frágil”, afirmou.

    Firmino e Sílvio foram acusados de contratar servidores de forma ilegal. “Ocorreu o fechamento do hospital Meduna. Todos os leitos foram fechados e tivemos a urgência de uma grande população de pacientes que sofriam transtornos mentais e chegariam as ruas. Então nós tivemos que fazer rapidamente uma colocação de três Caps na cidade de Teresina”, declarou.

    O tucano afirma que será possível reverter essa situação. “Na época houve um certo atraso da universidade devido problemas internos da universidade. Agimos em nome do interesse público e dentro do que qualquer gestor com sensibilidade humana faria. Isso nos leva a ter tranquilidade de que iremos reverter essa situação”, disse. 

    • Full banner
  • sexta, 23 de junho de 2017, às 07:53h

    GRAMPOS

    O procurador-geral de Justiça, Cleandro Moura, instaurou procedimento para investigar a denúncia de grampos telefônicos a deputados do estado. A denúncia foi feita pelo deputado João Madison (PMDB). A suspeita é que o grampo seria uma espécie de retaliação de promotores contra a PEC que mudou as regras da eleição no MP.

    PODER

    O presidente da Assembleia Legislativa do Estado, deputado Themístocles Filho (PMDB), demonstrou todo poder durante assinatura da ordem de serviço da BR 222 em Batalha. Ele conseguiu reunir um grande número de políticos do estado desde aliados a oposicionistas. Themístocles mostrou que tem poder e prestígio para assumir a vaga de vice na chapa de Wellington Dias em 2018.

    CÉU DE BRIGADEIRO

    O deputado Marcelo Castro (PMDB) foi só elogios ao governador Wellington Dias (PT) na solenidade em Batalha. O peemedebista disse que o Piauí vive um momento de céu de brigadeiro na política devido o esforço do petista. Para ele, Wellington seria responsável por proporcionar uma união entre os políticos entre oposição e governistas. “O Piauí é quem ganha”, disse.

    ELEIÇÕES 2020

    A eleição 2018 ainda nem passou e o PCdoB já está pensando em 2020. O partido cogita a possibilidade de lançar um candidato a prefeito de Teresina. O nome do vereador Enzo Samuel foi lembrado. Mas amigos já o aconselharam a se tiver juízo trabalhar pela reeleição como vereador.

    • Full banner
  • quinta, 22 de junho de 2017, às 10:53h

    Wellington esteve reunido com Ciro Nogueira e Themístocles Filho em solenidade em Batalha (Foto:Ascom)

    A chapa dos sonhos do governador Wellington Dias (PT) esteve formada por algumas horas. Na manhã desta quinta-feira (22), o petista esteve reunido com lideranças do PP e PMDB na solenidade de assinatura da ordem de serviço para o início das obras na BR 222.

    O governador estava acompanhado do presidente da Assembleia Legislativa do Piauí, deputado Themístocles Filho (PMDB), cotado para ser candidato a vice na chapa de reeleição. O presidente nacional do PP, senador Ciro Nogueira, que deve concorrer à reeleição na chapa do petista, também esteve presente.

    Lideranças petistas e de siglas como PDT e PSD também estavam presentes. 

    • Full banner
  • quinta, 22 de junho de 2017, às 10:10h

    Themístocles e Wellington juntos durante solenidade em Batalha (Foto:Ascom)

    É uma missão praticamente impossível encontrar um deputado do PMDB na Assembleia Legislativa do Piauí nesta quinta-feira (22). Os parlamentares da sigla seguiram em caravana para o município de Batalha. Acompanhados do governador Wellington Dias (PT), eles participam da solenidade de assinatura da ordem de serviço para o início das obras de asfaltamento da BR 222.

    A solenidade é uma demonstração de força do presidente da Assembleia, deputado Themístocles Filho (PMDB). É também uma resposta à ala peemedebista, comandada pelo ex-ministro João Henrique Souza, que deseja ter o partido na oposição.

    Themístocles mostra que se depender da bancada de deputados da sigla, o partido seguirá apoiando o governo de Wellington Dias. O deputado deve ser o candidato a vice na chapa de reeleição do petista.

    Themístocles reuniu aliados em torno de Wellington Dias (Foto:Ascom)

    Apesar do clima de união entre a sigla e o governador Wellington Dias, existem insatisfações entre alguns peemedebistas que assumiram cargos no governo. O governador tem demorado em resolver os conflitos existentes com setores do PT, que não querem abrir espaço para os novos gestores nas secretarias assumidas pelo PMDB.

    Apesar das queixas, Wellington trabalha para garantir que terá o apoio desse importante aliado em 2018. A oposição não desistiu de ter o PMDB em uma chapa no próximo ano. Mesmo a ala peemedebista ligada a Themístocles vem sendo constantemente cortejada pelos oposicionistas.

    Themístocles é fundamental para manter o PMDB unido ao lado de Wellington. O governador tem consciência disso e tem tratado muito bem o deputado. 

    • Full banner
  • quinta, 22 de junho de 2017, às 09:31h

    Prefeitura de Teresina anuncia que não irá conceder aumento salarial aos servidores (Foto:JailsonSoares/PoliticaDinamica.com)

    Engana-se quem pensa que a situação financeira da Prefeitura de Teresina é tranquila. Pelo contrário, a crise preocupa e o sinal amarelo já foi ligado. Teresina é mais um exemplo clássico do que ocorre com as administrações públicas no Brasil após um ano eleitoral.

    Visando acomodar aliados políticos os gestores incham a máquina pública com a contratação de pessoal comissionado. É necessário agradar a partidos e a aliados que irão compor a formação das coligações eleitorais. A Lei de Responsabilidade Fiscal é deixada em segundo plano e no ano seguinte à eleição vem o anúncio das dificuldades financeiras e a necessidade de cortes.

    No caso de Teresina, Firmino foi candidato, em 2016, com o apoio de mais de 20 partidos e teve que fazer um jogo de cintura para acomodar os aliados. Já em 2017, poucos meses após a eleição, ele começou a desagradar os aliados com a demissão de comissionados indicados por vereadores da base. Foi instalada uma crise na Câmara e teve parlamentar ameaçando romper com o tucano.

    Os cortes que irritaram os vereadores não foram suficientes. Esta semana, a administração de Firmino Filho foi notificada pelo Tribunal de Contas do estado (TCE) a realizar um maior controle na folha de servidores.

    A prefeitura corre o risco de ultrapassar o limite prudencial que é de 49%. De acordo com o TCE, Teresina já tem 48,64% das receitas comprometidas com o pagamento de servidores. A solução é fazer novo corte de pessoal e revisar os contratos existentes do município.

    Quem vai pagar o preço por esse descontrole financeiro? Essa é uma resposta fácil de ser dada: o servidor público. Firmino já anunciou que fica impedido de conceder reajuste salarial aos funcionários da prefeitura.

    Com uma equipe financeira formada por secretários e técnicos de alto gabarito é difícil negar que o risco da necessidade de congelamento dos salários já era previsto. Mas em ano eleitoral essas dificuldades são sempre escondidas para debaixo do tapete. Agora o servidor terá que pagar uma conta que ele não criou. 

    • Full banner
  • quinta, 22 de junho de 2017, às 08:23h

    Dr. Lázaro cobra solução para os dramas dos pacientes com câncer (Foto:JailsonSoares/PoliticaDinamica.com)

    O presidente da Comissão de Saúde da Câmara de Teresina, vereador Dr. Lázaro (PPS), informa que os vereadores irão se reunir com o presidente da Fundação de Saúde, Sílvio Mendes (PP). Os parlamentares cobram uma solução para o fim do impasse com relação a decisão do Hospital São Marcos de restringir o atendimento aos pacientes do SUS com câncer.

    Lázaro afirma que a decisão do hospital coloca em risco a vida de muitos pacientes. Ele afirma que antes é preciso saber se o município terá condições de atender essas pessoas. De acordo com o hospital, os atendimentos foram suspensos para os pacientes de média e baixa complexidade.

    “Quem entende a complexidade de um tratamento de câncer sabe que não importa se a complicação é leve ou grave, ela pode evoluir e se tornar grave em horas. Se o paciente não tem acesso ao hospital de origem, a situação fica muito delicada. Isso é criminoso e não pode acontecer. O hospital São Marcos diz que a mudança é para prestar uma melhor assistência aos pacientes com câncer, mas é uma falácia. A primeira atitude seria dar o bom atendimento do começo ao fim”, disse.

    Os deputados pedem uma posição da Fundação de Saúde. “Vamos nos reunir com Sílvio Mendes. Queremos saber se isso é legal. Se isso não for permitido o hospital terá que revê essa posição. Se isso permanecer, muitos pacientes vão falecer. Não podemos tomar uma decisão da noite para o dia. Queremos saber que atitudes a Fundação irá tomar”, destacou.

    • Full banner


voltar para 'Política Dinâmica'