NOTÍCIAS

BOLSONARO TRAIU A POPULAÇÃO BRASILEIRA

EX-JUIZ DA LAVA-JATO ALEGA QUE BOLSONARO TRAIU CONFIANÇA DO ELEITOR E SE REVELOU UM POLÍTICO CERCADO DE CONDENADOS E INVESTIGADOS POR CORRUPÇÃO

10/02/2022 15:27

O ex-juiz Sérgio Moro mostrou que consegue falar firme contra adversários. E não se intimidou em disparar contra o presidente Jair Bolsonaro (PL) e contra o ministro-chefe da Casa Civil, o senador piauiense Ciro Nogueira (Progressistas). Após um manifestante infiltrado tentar constrangê-lo dentro de uma reunião com empresários, Moro lembrou que Bolsonaro está aliado a condenados por corrupção, como o presidente do PL, Valdemar da Costa Neto, e, também, a investigados pela Lava-Jato, caso de Ciro.

Alegando estar ao lado de homens íntegros citando João Vicente Claudino; Moro alegou que Bolsonaro está seguindo o mesmo caminho de Lula, ao se cercar de condenados e réus em processos de corrupção, citando, dentre eles, o senador piauiense Ciro Nogueira (foto: Jailson Soares | PD)

Pré-candidato à Presidência da República pelo Podemos, Moro está cumprindo agenda em Teresina nesta quinta-feira (10). Durante a manhã, recebeu empresários, advogados e imprensa no Teresina Shopping, onde também aconteceu a filiação do ex-senador João Vicente Claudino ao seu partido.

O ex-ministro que permaneceu com discurso em tom ameno na maior parte do tempo chegou até a dizer que não faria críticas pessoais a adversários. Mas um vídeo gravado pelo manifestante sendo incentivado pela jornalista bolsonarista Samantha Cavalca, ligada a Ciro Nogueira, já circulava em redes sociais segundos depois.

Coincidência? Difícil de acreditar.

Ao entender que a tentativa de constrangimento não foi aleatória, mudou de ideia e deu nome aos bois: “foi Bolsonaro que traiu a população brasileira”, disse, frisando a ligação do atual presidente com nomes de réus e condenados por corrupção.

Lembrou ainda que saiu do governo de Jair Bolsonaro por ter se negado a proteger a família do presidente, investigada num esquema de rachadinhas de salários de servidores de gabinetes parlamentares.

Comente