Coluna Marcos Melo Política Dinâmica
DESVIOS
BATEU MEDO NO GOVERNADOR

TCE SEPARA VERIFICAÇÃO DE OBRAS DO FINISA DO PROCESSO FINANCEIRO E ACELERA JULGAMENTO QUE PODE EXPOR CORRUPÇÃO

06/07/2018 14:08 - Atualizado em 06/07/2018 15:09

Às vésperas da campanha de reeleição e em meio a uma crise na base que fragiliza sua influência, Wellington Dias viu o TCE decidir seguir num caminho que pode expor improbidade administrativa de sua gestão (foto: Jailson Soares | PoliticaDinamica.com)

Quem tiver o que contar, resolva sua vida e seja o primeiro. Quem insistir no erro, pode ficar sozinho na cela. O Tribunal de Contas do Estado decidiu na última quinta-feira (5) acelerar o julgamento da prestação de contas do empréstimo FINISA I da gestão de Wellington Dias. E a Justiça Federal já apontou, no mínimo, o caminho da improbidade administrativa.

Os conselheiros do TCE resolveram separar a auditoria de obras da auditoria contábil, financeira e orçamentária. Na prática, o TCE não precisa mais esperar que seu departamento de engenharia visite as mais de 450 obras que Wellington Dias alegou ter feito para julgar suas contas. Isso seria impossível para os 12 engenheiros do Tribunal fazerem e levaria a um labirinto infinito de brechas e debates jurídicos que deixariam impunes os responsáveis pelo desvio de finalidade de 270 milhões de reais, segundo o TCE.

A PGE não pode garantir aos que ajudaram no desvio de finalidade dos recursos do empréstimo que eles não serão alcançados pela Justiça (foto: Jailson Soares | PoliticaDInamica.com)

E embora improbidade administrativa não leve — diretamente — alguém para a cadeia (apesar de lhes impor outras penas), se forem encontradas corrupções praticadas no mesmo caminho, certamente quem não tem dinheiro para pagar bancas de advogados pela vida inteira vai parar na penitenciária Irmão Guido. O lugar não é dos melhores para quem se acostumou com vinhos caros, viagens internacionais e outros benefícios diretos de mutretagens que drenaram os recursos públicos.

Tranquilidade é algo que o procurador-geral do Estado Plínio Clerton não pode prometer aos servidores e empresários que ajudaram o governador a pedalar, conforme apontam as suspeitas.

O discurso do auditor do Tribunal de Contas da União Helano Guimarães foi contundente. Em nome da rede de controle, se manifestou sem poupar nem o ex-secretário de Fazenda Rafael Fonteles, apontando, inclusive, pagamentos fora do previsto no contrato do empréstimo que somam quase 10 milhões de reais e destinados a uma empresa de sua família, o Instituto Premium, que presta serviços a Secretaria de Educação. O pagamento, conforme o relato do auditor, foi feito sob gestão da primeira-dama do Estado e deputada federal Rejane Dias, que era secretária de Educação à época. 

Veja abaixo!



Comentários (1)

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Nome:
mensagem:
    EDUARDO em 11 de julho de 2018 às 16:07

    O cara ta acabando com o Piauí, mas corre grande risco de se reeleger, graças à política do "toma lá (cargos, promessas, ajeitamentos os mais variados), dá cá (votos e apoio)", a que se sujeitam tanto o povo como os políticos q deveriam nos representar. Não se vê uma matéria nos "grandes" meios de comunicação do estado do Piauí, falando sobre greve de professores, sobre os empréstimos FINISA I e II da gestão de WDias, sobre as obras (se é que existem mesmo!) e sobre os desvios de finalidade desses empréstimos, segundo o TCE! Imprensa estadual toda (ou quase) locupletada!

Notícias relacionadas
DISPUTA NO SENADO
VAI COMEÇAR AGORA
VAI COMEÇAR AGORA
IASPI/PLAMTA
NÃO PAGA PORQUE NÃO QUER
NÃO PAGA PORQUE NÃO QUER
IASPI/PLAMTA
SAÚDE VIROU INSTRUMENTO POLÍTICO
SAÚDE VIROU INSTRUMENTO POLÍTICO
DEBATE
MENOS SECRETARIAS, SEM CORRUPÇÃO!
MENOS SECRETARIAS, SEM CORRUPÇÃO!