Coluna Marcos Melo Política Dinâmica
LAMBANÇA
ABERTA A TEMPORADA DO FOGO-AMIGO

COM UM BOA DOSE DE IMPRUDÊNCIA E SEM SUTILEZA NENHUMA, INTEGRANTES DO GOVERNO PATROCINAM CRISE NA BASE DE WELLINGTON DIAS

10/01/2019 13:20 - Atualizado em 10/01/2019 13:43

Wellington Dias (PT), segundo seu entorno no Karnak, está “fechado em copas” quando o assunto é a composição de seu novo governo. Assim, até que seja divulgada a lista de novos secretários, está aberta a temporada de “fogo-amigo”. E nesse caminho foi criado um grande problema com partidos da base e deputados estaduais.

Sem dar sinais de quem vaza ou fica, Wellington Dias abriu a temporada do fogo-amigo dentro de seu governo (foto: Jailson Soares | PoliticaDinamica.com)

OS PROGRESSISTAS

No último dia 27 de novembro de 2018, o Política Dinâmica divulgou que três nomes eram cotados para assumir a Comunicação do governo. Dois deles ligados ao Progressistas. Desde então, sites patrocinados pelas cotas de publicidade do governo passaram a publicar material sobre a perda de força do senador Ciro Nogueira no cenário nacional e posicioná-lo como um provável adversário em breve.

De tabela, afastando o PP da propaganda institucional, que torrou nada menos que R$ 120 milhões nos últimos 4 anos. O problema dessa lógica é que o aliado que não presta para a Comunicação, presta menos ainda para comandar a Assembleia Legislativa.

O deputado Júlio Arcoverde — que seria a primeira opção de Ciro para a disputa da presidência da Alepi —, nestes mesmos veículos, passou a protagonizar matérias sobre “ameaças” ao governo. Distorções sobre declarações de deixar a base se o partido não ganhar a Alepi foram amplamente divulgadas. E o posicionamento de Arcoverde contrário a Wellington Dias no episódio do aumento de impostos em 2017 foi lembrado à exaustão como um atestado de desconfiança.

A repentina investida contra Ciro nas linhas editorias desses veículos, inclusive, foi tema de conversa entre o senador e o governador recentemente.

Os elogios que enchiam portais, jornais e programas de rádio e tv bancados pelo governo passaram a dar lugar a desconfianças quando o assunto é a permanência do PP na base governista (foto: Marcos Melo | PoliticaDinamica.com)

E esse fogo-amigo gerou uma crise maior do que o próprio Wellington Dias imaginava na disputa da Assembleia. Já não é a disputa entre dois aliados, mas um ataque que partiu do próprio governo na direção de quem viabilizou a reeleição do petista.

DEPUTADOS EXPOSTOS

Há duas semanas, então, o nome do deputado estadual Fábio Novo (PT) também foi mencionado como possível gestor da Comunicação, num movimento para chamar suplentes para a Alepi. E não demorou 48 horas para aparecer um dossiê distribuído à imprensa por um conhecido lacaio governista sobre suposto esquema de corrupção dentro da Cultura, pasta que Novo conduzia até o ano passado.

Acontece que a Cultura não era apenas a secretaria de Fábio Novo, mas a pasta para onde foi destinada uma boa quantia de recursos das emendas impositivas dos deputados estaduais (por curiosidade, prometemos ao leitor, em breve, essa lista). Logo, se a secretaria for investigada, outros parlamentares também podem ser investigados por tabela.

Essa equipe de Wellington já foi mais esperta e sutil.  

O fogo aí é amigo, mas o tiro pode sair pela culatra.

Comentários (0)

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Nome:
mensagem:
Notícias relacionadas
POLÊMICA
CAIXA: SAQUEADA E ASSALTADA
CAIXA: SAQUEADA E ASSALTADA
DESVIO MILIONÁRIO
A NOVA FASE DA TOPIQUE
A NOVA FASE DA TOPIQUE
ELEIÇÃO NA ALEPI
WILSON TRAÍDO
WILSON TRAÍDO
SÓ GASTA COM PROPAGANDA
O DESPERDÍCIO QUE MATA!
O DESPERDÍCIO QUE MATA!