Coluna Lídia Brito Política Dinâmica
JULGAMENTO
TCE VAI JULGAR RECURSO DA AEGEA CONTRA NOVA LICITAÇÃO DA AGESPISA

EMPRESA QUER EVITAR QUE O PROCESSO DE SUBCONCESSÃO DO ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CAPITAL VOLTE PARA A ETAPA DE ABERTURA DOS ENVELOPES

22/01/2018 09:19

O Tribunal de Contas do Estado (TCE-PI) vai julgar recurso impetrado pela empresa Aegea (Águas de Teresina), contra decisão que julgou parcialmente procedente a denúncia de irregularidade na licitação para a subconcessão da Agespisa. A empresa quer evitar que o processo licitatório retorne à fase de abertura dos envelopes.

O julgamento irá ocorrer na sessão desta quinta-feira (25) do Tribunal. A conselheira Lilian Martins é a relatora do processo. A liminar da empresa Águas de Teresina se refere a decisão do dia 9 de novembro de 2017, quando o TCE determinou a necessidade de uma nova licitação, após constatar irregularidades.

Tribunal de Contas vai julgar recurso da Aegea (Foto:JailsonSoares/PoliticaDinamica.com)

Os advogados da Aegea alegam que na decisão de novembro, o TCE não analisou a defesa apresenta pela empresa nos pontos considerados técnicos e jurídicos. “Não se trata simplesmente de omissões em relação às alegações da Aegea. O que também ocorreu macula o contraditório, ampla defesa e o devido processo legal e pode conferir nulidade ao próprio acórdão. Aqui o ponto é mais específico: com a devida vênia, há omissões graves nas razões de decidir do Voto Vencedor, que não abordou questões técnicas e jurídicas específicas sobre os pontos eleitos como vetores do acórdão, os quais estão presentes nos autos, assim como pedidos de dilação probatória da Aegea sobre aspectos técnicos imprescindíveis para a correta análise do caso”, diz a defesa.

O processo de subconcessão da Agespisa teve início ainda em 2016. A empresa Aege saiu vencedora e desde então o processo encontra-se judicializado. A segunda colocada na licitação, a empresa Águas do Brasil, apontou irregularidades e favorecimento da empresa vencedora.

Diante das denúncias, o Tribunal de Contas recomendou que o governo só assinasse o contrato com a Aegea após o julgamento. Mas com uma liminar concedida pelo Tribunal de Justiça do Piauí, o TCE ficou impedido de realizar o julgamento e o contrato foi assinado. Ao recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF), o TCE conseguiu o direito de continuar o julgamento.

A Corte aceitou a denúncia de irregularidade na licitação e a Águas de Teresina atua por meio de liminar.

Comentários (0)

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Nome:
mensagem:
Notícias relacionadas
ELEIÇÕES 2018
WELLINGTON ACEITA SUGESTÃO DE CIRO DE FAZER PESQUISA PARA DEFINIR VICE
WELLINGTON ACEITA SUGESTÃO DE CIRO DE FAZER PESQUISA PARA DEFINIR VICE
VIAGEM
GOVERNO TEM PRESSA NA FORMAÇÃO DAS COMISSÕES
GOVERNO TEM PRESSA NA FORMAÇÃO DAS COMISSÕES
ELEIÇÕES 2018
“MAIORES PARTIDOS DEVEM FICAR COM AS VAGAS MAJORITÁRIAS”, DIZ MARCELO CASTRO
“MAIORES PARTIDOS DEVEM FICAR COM AS VAGAS MAJORITÁRIAS”, DIZ MARCELO CASTRO
DISPUTA
“É CHOVER NO MOLHADO”, DIZ FIRMINO SOBRE DECLARAÇÕES DE JEOVÁ
“É CHOVER NO MOLHADO”, DIZ FIRMINO SOBRE DECLARAÇÕES DE JEOVÁ