Coluna Justiça Dinâmica Política Dinâmica
Conselho Nacional de Justiça estuda reformar modelo de cobrança de custas judiciais

LEVANTAMENTO FEITO PELO ÓRGÃO APONTA QUE OS VALORES COBRADOS NÃO ESTÃO COBRINDO AS DESPESAS DO JUDICIÁRIO

25/11/2019 16:04 - Atualizado em 25/11/2019 16:10

O CNJ promoverá audiência pública para debater anteprojeto de lei complementar que estabelece novas normas gerais para a cobrança de custas dos serviços forenses no Judiciário.

Um estudo feito pelo Conselho confirmou a necessidade de um conjunto de regras nacionais para determinar o valor das custas judiciais. Isso porque, atualmente, os valores arrecadados não cobrem as despesas anuais do Judiciário.

O LEVANTAMENTO
O estudo feito pelo CNJ apresentou as formas de cobrança das custas judiciárias na esfera estadual e Federal, com as distinções entre os segmentos de Justiça, ponderando os detalhes que são afetos à Justiça do Trabalho.

No documento é possível verificar homogeneidade lógica na cobrança de custas na esfera Federal, na qual não existem distinções de cobranças entre as localidades. A grande diferença está nas formas de cobrança da Justiça Estadual, devido à autonomia dos Estados em legislar sobre a metodologia e valores de cobrança em cada localidade.

Os TJ/GO, TJ/MT, TJ/MS são os que cobram valores mínimos mais elevados do país para ingressar com uma ação cível. No TJ/MT, é preciso pagar R$ 556,94, no mínimo.  Já os maiores valores máximos de custas são observados no TJ/GO, no TJ/SP e no TJ/BA.  No TJ de Goiás, de acordo com o valor da causa, o gasto a título de custas iniciais pode chegar a R$ 113 mil – 300 vezes a mais que uma causa iniciada no STJ, por exemplo.

Já os TJs do DF, RR, PR, SC estão entre os que cobram menores valores de custas mínimas – nenhuma corte de Justiça dos estados do Norte ou do Nordeste tem custas mínimas superiores a R$ 200.


Segundo o estudo, o Poder Judiciário arrecadou, durante o ano de 2018, um total de R$ 58,6 bilhões de reais, o que representa 62,6% de suas despesas. Os gastos do Poder Judiciário, por sua vez, somaram R$ 93,7 bilhões no último ano.

O PROJETO
O projeto de lei complementar estabelece que caberá à União, na Justiça Federal, na Justiça do Trabalho e na Justiça Militar de 1º e 2º graus; aos Estados e ao Distrito Federal fixar, por projeto de lei de iniciativa dos tribunais, as hipóteses e critérios de isenção das custas judiciais no seu âmbito, bem como o valor de cada unidade de referência.

Além disso, o projeto propõe que o valor das unidades de referência seja reajustado em 1º de janeiro de cada exercício, tendo por base o INPC — Índice Nacional de Preços ao Consumidor, do IBGE, nos últimos doze meses do exercício anterior, ou outro parâmetro estabelecido em lei própria.

A norma fixa o percentual sobre o valor da causa nas ações cíveis, de família e sucessões e envolvendo a Fazenda Pública em geral. Não se pode exceder a 2%, em cada fase estabelecida, obedecidos, ainda, os limites mínimos, correspondente a cinco unidades de referência, e máximo, de três mil unidades de referência.

Nas ações penais em geral, as custas serão pagas ao final pelo acusado, se condenado, em valor que não seja inferior a cinquenta unidades de referência nem ultrapasse o limite de três mil unidades de referência, calculados por réu, por crime e respectiva expressão econômica, conforme o caso.


FONTE: Com informações do Migalhas


Notícias relacionadas
Especialistas vão debater sobre a coordenação da saúde pública no Brasil
Especialistas vão debater sobre a coordenação da saúde pública no Brasil
OAB e Abraji lançam cartilha para garantir segurança de jornalistas
OAB e Abraji lançam cartilha para garantir segurança de jornalistas
MPT e COREN vão fiscalizar condições de trabalho nos hospitais do Piauí
MPT e COREN vão fiscalizar condições de trabalho nos hospitais do Piauí
Impulsionar conteúdo pode configurar propaganda eleitoral ilícita, alerta MP
Impulsionar conteúdo pode configurar propaganda eleitoral ilícita, alerta MP