Coluna Marcos Melo
  • terça ,27 de novembro de 2018, às 18:11h

    Alvaro, Trabulo e Samantha: um dos três deve assumir a Comunicação do 4º mandato de Wellington Dias (fotos: Facebook)

    O Piauí só vai conhecer, de fato, a nova cara do governo de Wellington Dias (PT) após a eleição da Assembleia, afinal, se nomear o governo antes, o petista pode frustar algumas expectativas e perder força de influenciar a disputa do Legislativo. Mas duas fontes ligadas ao governo adiantaram ao Política Dinâmica a provável mudança que deve acontecer na Comunicação do Estado.  

    Inquestionavelmente, o jornalista Álvaro Luis é a figura de comunicação mais alinhada com Wellington Dias e o acompanha desde o seu primeiro governo (foto: facebook)

    Se a Comunicação ficar na cota do PT, o nome é de Álvaro Luis Carneiro, hoje assessor especial do governador Wellington Dias. Em defesa de seu nome está principalmente a vice-governadora eleita, Regina Sousa. Na visão do partido, depois de tanto tempo de governo petista, chegou a vez de Álvaro ser prestigiado com o cargo. Conta a seu favor o alinhamento perfeito entre ele e o governador. “Eles se entendem só no olhar”, comenta uma das fontes.

    "PT Raiz": petistas defendem o nome de Álvaro para não deixar a Comunicação atender a interesses que não sejam o do governador e de seu partido (foto: Facebook)

    Álvaro é visto como alguém que conduziria a Comunicação inclusive na defesa partidária, um aspecto que une petistas em favor de seu nome. “O PT vai sofrer muitos ataques do governo federal e de adversários locais. A Comunicação tem que saber navegar nessa tormenta protegendo o partido do governador também”, explica. Carneiro tem bom trânsito com todos os veículos de comunicação alinhados com o governo e não gera desconfianças. 

    “Quando alguém tratar com o Álvaro enquanto secretário, vai ter certeza de que ali é a palavra do governador. Hoje isso não existe”, pontua a fonte.

    E SE FOR DO PP?

    Se a cota ficar dentro do Progressistas, são dois os nomes cotados: o empresário Trabulo Júnior ou a jornalista Samantha Cavalca. A favor de Trabulo está a condução da campanha de reeleição do senador Ciro Nogueira, que em 6 meses saiu de sétimo colocado em pesquisas de intenção de voto para senador eleito com a maior votação destas eleições. Ele também já foi diretor do Jornal O DIA.

    Trabulo é amigo pessoal de Ciro Nogueira e organizou e comandou a comunicação mais bem planejada das eleições de 2018 no Piauí; a atual comunicação de Wellington desconhece metas e trabalha apenas com "cotas" (foto: Marcos Melo | PoliticaDinamica.com)

    “Foi um trabalho estabelecido com metas. Foi controlado e previsível. A Comunicação do governador, hoje, não sabe o que é isso. É tudo feito ‘na doida’”, frisou outra fonte. 

    O argumento mais forte é o de que o governador gastou mais de R$ 120 milhões em 4 anos de gestão em comunicação, mas não conseguiu alcançar projeção nacional e ocupar espaços de maneira definitiva na mídia nacional. “O melhor momento de Wellington nesses 4 anos foi naquele comício de Lula, por uma questão de amizade do ex-presidente. A grande imprensa não tem Wellington como prioridade, apesar dele ser muito querido e influente dentro do PT”, complementou a fonte.

    Tal qual no caso de Trabulo, conta a favor de Samantha Cavalca a confiança do senador Ciro Nogueira, principal aliado do petista no Piauí. Mas também a aproximação dela com vários outros políticos desde que foi trabalhar em Brasília. Um deles, por acaso, é o deputado federal Eduardo Bolsonaro, filho do presidente eleito, Jair Bolsonaro. E esse é um contato que um governo petista do Nordeste não pode desprezar. Tem ainda o fato de ser mulher, aumentando a participação feminina no governo.

    Samantha teria uma visão melhor do jogo político em Brasília e tem proximidade com o governo federal eleito (foto: Facebook)

    Além disso, ela teria uma visão atualizada de como funciona a comunicação e o jogo de informação em Brasília. “Wellington vai sair do governo para o cenário nacional em 2022. A visão agora tem que ser essa, nacional. O Piauí já conhece o governador, o elegeu 4 vezes em primeiro turno. Temos que levar o nome dele pra fora daqui agora”, aponta outra fonte.

    O que não deve mudar pelo visto é o fato de que a Comunicação do Estado continuará a serviço da imagem pessoal e eleitoral do governador.


    • Casa do Carneiro - Rações e Derivados
  • sábado ,24 de novembro de 2018, às 02:11h

    CHAPA 4: Advogados se unem por defesa da independência da Ordem e prometem gestão transparente e alinhada com a sociedade (foto: marcos Melo | PoliticaDinamica.com)

    Nesta sexta-feira, 23 de novembro, véspera da eleição para a nova diretoria da Ordem dos Advogados do Brasil, dois dos candidatos de oposição uniram forças para evitar que a OAB-PI continue sendo uma instituição cúmplice de governos e omissa diante da defesa dos advogados e dos interesses sociais.

    Num entendimento entre os grupos da Geórgia Nunes e de Celso Barros, ficou acordado que Celso permanece na cabeça de chapa e Geórgia passa a fazer parte da Chapa 4.

    Celso e Norberto Campelo: advogados entendem que resgatar o papel protagonista do OAB é mais importante que projetos pessoais (foto: Marcos MElo | PoliticaDInamica.com)

    É de se reconhecer a grandeza do ato, não apenas na atitude de Geórgia, mas no desprendimento dos integrantes das duas chapas inteiras, que tiveram que abrir mão de suas posições para uma recomposição.

    Essa eleição da OAB não é, de fato, importante apenas para toda a sociedade piauiense.

    Chico Lucas montou uma chapa de sucessão que repete seus amigos nos principais cargos, alinhado com o PT (foto: Facebook)

    Dito isto, confira no vídeo abaixo tudo o que é preciso saber sobre os principais concorrentes na disputa e os interesses mais diversos no resultado da eleição da Ordem.


    • Casa do Carneiro - Rações e Derivados
  • sábado ,24 de novembro de 2018, às 02:11h

    Procurador estadual de carreira, Chico Lucas tem sido encarado no governo como um quadro leve e de perfil técnico para a quarta gestão de Wellington Dias (foto: Marcos Melo | PoliticaDinamica.com)

    O governador Wellington Dias (PT) está buscando dar um ar mais “técnico” ao seu novo mandato. Mas o petista não vai nomear ninguém que não seja de sua extrema confiança para uma gestão delicada que deve se apresentar em 2019. E a novidade é o nome do atual presidente da OAB-PI, o procurador estadual e advogado Chico Lucas.

    Fontes no Karnak adiantam que Chico Lucas poderia ocupar a Secretaria de Administração e Previdência. A seu favor está o fato de que o atual presidente da OAB-PI é muito amigo do atual secretário de Fazenda, Rafael Fonteles, que deve permanecer na pasta. Assim, Wellington Dias teria SEADPREV e SEFAZ trabalhando em conjunto, num cenário bem diferente do que foi neste mandato a disputa interna entre Rafael Fonteles e Franzé Silva, eleito deputado estadual.

    As mesmas fontes acreditam que se Chico conseguir fazer seu sucessor na eleição da OAB-PI neste sábado (24), suas chances aumentam. A leitura é a de que Chico Lucas teria muita influência da Ordem e a instituição faria parte da blindagem governamental.

    No entorno de Chico Lucas, a expectativa é de que o cargo no governo possa manter o nome do atual presidente da OAB-PI quente para a disputa pela prefeitura de Teresina em 2020. 


    • Casa do Carneiro - Rações e Derivados
  • quinta ,22 de novembro de 2018, às 03:11h

    Antônio Neto não quis revelar dados financeiros do Governo que pudessem ser utilizados como parâmetro de comparação com o Orçamento de 2019 (foto: Marcos Melo | PoliticaDInamica.com))

    Durante uma audiência para debater o Projeto de Lei Orçamentária Anual do próximo ano, o secretário de Planejamento Antônio Neto (PT), se negou a revelar quanto o Estado já gastou em 2018 até este mês de novembro. Segundo levantamento do Política Dinâmica, a diferença entre a realidade de 2018 e a previsão de 2019 aponta que os petistas estão escondendo o dinheiro do seu próximo governo na hora de repartir com os demais Poderes.

    “A execução orçamentária só de fecha no final do exercício”, respondeu quando questionado pelo Política Dinâmica. Com alguma insistência nossa, o secretário admitiu que tem o número, mas persistiu em não revelar.

    Veja a entrevista com Antônio Neto!

    UM BILHÃO SUBESTIMADO

    O valor das despesas executadas em 2018 é um dado importante para a discussão do Orçamento do próximo ano. Arredondando números em entrevista a jornalistas,  Antônio Neto alegou que para 2019 o Orçamento Bruto é de R$ 13 bilhões. “Quando você retira o repasse para os municípios, a destinação de recursos para o FUNDEB e outros descontos de contribuição de servidores e deduções, você chega numa Receita Corrente Líquida de R$ 8,4 bilhões”, explicou.

    Antônio Neto negou informações na frente de vários jornalistas, mas revelou que a Receita do governo para 2019 vai ser maior que 2018 (foto: Marcos Melo | PoliticaDInamica.com)

    O que o secretário não quis dizer é que até esta quarta-feira 21 de novembro de 2018, o Piauí já empenhou mais de R$ 9,1 bilhões em despesas, liquidou mais de R$ 8,6 bilhões e pagou R$ 7,4 bilhões. É uma “diferençazinha” de R$ 700 milhões entre o que já foi gasto este ano e o que está projetado para o ano que vem, segundo a fala de Antônio Neto. E ainda faltam 40 dias para se encerrar o ano. Os dados são do Portal da Transparência do Estado do Piauí.

    Sem contar que também estão fora da conta boa parte do 13º salário, toda a folha de novembro (que só começa a ser paga na próxima semana) e parte da folha de dezembro, que só é paga a partir do dia 27/12.

    É possível perceber no levantamento feito pelo Política Dinâmica que todos os governos de Wellington Dias executaram mais orçamento do que era previsto na hora de dividir os recursos com os demais poderes; também é possível notar que nos governos de Wilson martins e Zé Filho -- de 2011 a 2014 -- os números apresentados na LOA do ano anterior eram mais fiéis à realidade (imagem: Marcos Melo | PolíticaDinâmica.com)

    Ou seja, este ano o Estado já vai gastar algo em torno de R$ 1 bilhão a mais do que planeja para 2019, segundo a declaração do secretário Antônio Neto. Seria dinheiro suficiente para conceder reajuste de praticamente 100% no orçamento de todos os órgãos do Judiciário, ou dobrar o quadro de funcionários e o custeio da Saúde em todo o Piauí, ou triplicar o efetivo e os investimentos de toda a Polícia Militar, ou construir 20 mil casas do Minha Casa Minha Vida. E o secretário de Planejamento ainda afirmou que a previsão é de que a Receita Corrente Líquida aumente em torno de 7,5%.

    Em resumo: o governo colocou na mesa para negociar com a Assembleia, com o Tribunal de Justiça, com o Tribunal de Contas, com o Ministério Público e com a Defensoria Pública um orçamento subestimado, bem menor do que espera arrecadar na realidade. Tanto é que o o governador Wellington Dias modificou o projeto de lei original, dando a todos os Poderes um reajuste linear de 4,5% (a média anterior era de 2,0%) sem modificar o que estava planejado para suas próprias secretarias. Aumentou os repasses sem tirar o dinheiro de "canto nenhum". 

    INCOMPETÊNCIA E DESFALQUE

    Ainda segundo Antônio Neto, algumas secretarias e órgão teriam deixado de executar o orçamento planejado ano ano passado. Mas também não quis dizer que órgãos foram estes. Quatro motivos básicos podem fazer uma secretaria gastar menos do que o planejado.

    O primeiro deles é a economia no seu custeio, coisa que qualquer cidadão com acesso à internet pode constatar que não aconteceu. O segundo motivo seria uma frustração de receita, que Antônio Neto exemplificou apontando que alguns convênios federais não se concretizaram este ano.

    De olho na Secretaria de Fazenda da quarta gestão de Wellington Dias, Antônio Neto não revelou dados que pudessem comprometer a "folga" da gestão de Wellington Dias (foto: Marcos Melo | PoliticaDInamica.com)

    Mas a negativa de falar que órgãos não executaram o programado se dá pelo receio de que se revelem outros dois motivos: a incompetência do gestor para executar serviços com o dinheiro disponível; e o remanejamento de recursos entre órgãos.

    Se Antônio Neto revelar quem não conseguiu executar o seu orçamento, estará expondo o secretário — a maioria neste governo eram deputados — e também estaria mostrando de que órgãos e programas sociais foram desfalcados de seus orçamentos originais e quais foram suplementados para abastecer, por exemplo, a farra dos calçamentos e do transporte escolar, objetos de investigação nas operações Itaorna e Topique, respectivamente.

    Para o atual governo, não é fácil responder perguntas que não foram combinadas, mesmo tendo as respostas.

    • Casa do Carneiro - Rações e Derivados
  • quarta ,21 de novembro de 2018, às 00:11h

    Naiara Moraes não pode mais participar dos atos de campanha na condição de vice e teve candidatura indeferia depois de denúncia da advogada Geórgia Nunes (foto: Instagram)

    Impugnada pela Chapa 3 “Reage OAB! Geórgia Nunes Presidente!”, a professora Naiara Moraes e Silva, candidata a vice de Lucas Villa na Chapa 1 “OAB Aberta” teve seu registro de candidatura indeferido. Agora, a chapa da atual diretoria da Ordem no Piauí tem até a próxima sexta-feira 23, véspera da eleição, para substituir a ex-candidata. É um baque grande na campanha da situação.

    Obrigatoriamente, a substituta deverá ser uma mulher, afinal, mesmo com Naiara, a chapa de Lucas Villa não ultrapassa a cota mínima de gênero de 30%.

    A impugnação se deu por uma denúncia da advogada Geórgia Nunes, que apontou que Naiara Moraes, sendo professora com carga horária de dedicação exclusiva na Universidade Estadual do Piauí, não poderia estar advogando

    Lucas Villa não quis comentar o caso; assessoria da chapa 1 enviou uma nota à imprensa alegando que ainda cabe recurso ao Conselho Federal da OAB (foto: Facebook)

    A Comissão Eleitoral da Ordem dos Advogados do Piauí, em sessão ordinária realizada na tarde desta terça-feira (20), por unanimidade, avaliou que a denúncia era absolutamente procedente. 

    Deixar de ser candidata, agora, já não é o único problema para Naiara. Isso por que ela responde, agora, a um processo administrativo na UESPI baseado na mesma denúncia. A Universidade continua pagando a ela a gratificação de dedicação exclusiva, pois UESPI nunca autorizou ou foi comunicada dessa movimentação da professora que está fora da sala de aula desde 2017.  

    E uma outra questão caiu no colo da atual direção da Ordem, que defendeu a permanência de Naiara na chapa até o fim: se ela não pode ser candidata por que não poderia estar advogando, então estaria exercendo ilegalmente a profissão?

    O Tribunal de Ética e Disciplina da OAB-PI já foi oficiado da decisão da Comissão Eleitoral.

    [Atualizado em 20/11/2018 às 22h21min]

    Segundo alguns advogados consultados pelo Política Dinâmica, o exercício da advocacia neste caso da professora Naiara Mendes seria legal, pois existe regularidade documental com a OAB. Porém, deve ser observada a questão real de improbidade junto a Universidade Estadual do Piaui, uma vez que a dedicação exclusiva impediria outra atividade.

    [Fim da atualização]

    Procurado pelo Política Dinâmica, o atual presidente Chico Lucas não se manifestou sobre o assunto até o momento da publicação da reportagem.

    O atual vice-presidente da Ordem e candidato a presidente Lucas Villa também não quis se manifestar sobre o suposto exercício ilegal da profissão ou sobre o resultado do julgamento da Comissão eleitoral.

    A assessoria de imprensa da Chapa 1 divulgou a seguinte nota:

    Nota de esclarecimento

    Sobre o pedido de informações a respeito do julgamento ocorrido na tarde desta terça-feira (20) pela Comissão Eleitoral da OAB-PI, a Chapa 1 - OAB Aberta esclarece que cabe recurso da decisão e o mesmo será apresentado dentro do prazo de até três dias junto ao Conselho Federal da OAB. A OAB Aberta informa ainda que está otimista quanto ao recurso e continuará defendendo, até o último minuto, os direitos da candidata à vice-presidência, Naiara Moraes, certa de que não há motivo, senão político, para tal decisão.

    • Casa do Carneiro - Rações e Derivados
  • segunda ,19 de novembro de 2018, às 22:11h

    Com gestão investigada pela Polícia Federal, Rejane vai tentar construir o discurso de perseguição atuando em Brasília (foto: Jailson Soares | PoliticaDInamica.com)

    Reeleita deputada federal, Rejane Dias (PT) teve 138.800 votos em 2018, uma votação que definitivamente não cabe num simples gabinete da Câmara Federal. Foi uma votação do tamanho da Secretaria de Educação. Ainda assim, desta vez, deve finalmente começar a dar expediente definitivo em Brasília.

    Ela já foi ouvida pela Polícia Federal na condição de testemunha, mas sabe que sua gestão na SEDUC está sendo investigada de verdade e ela era a ordenadora de despesas e comandava uma equipe inteiramente escolhida por ela e subserviente a ela, desde sua prima Pauliana Amorim até o atual secretário Helder Jacobina, passando, ainda, pelo tenente-coronel Ronald Moura.

    A estratégia de seu marido, o governador Wellington Dias (PT), é construir uma narrativa de “perseguição” para quando a PF bater à porta de sua casa, agora, sem avisar. Ao mesmo tempo, afasta um pouco a Polícia Federal de sua própria gestão no Governo do Estado.

    A Operação Topique investiga o desvio de mais de R$ 119 milhões de reais de recursos que deveriam ser utilizados em transporte escolar e terminou por abastecer um esquema de propina, enriquecimento ilícito e direcionamento de licitações na SEDUC durante a gestão de Rejane Dias. Os principais investigados já foram ou são filiados ao Partido dos Trabalhadores.

    Sendo do PT e atuando na Câmara, em pouco tempo Rejane poderia dizer que está sendo perseguida pelo futuro ministro da Justiça Sérgio Moro, tal qual Lula foi “perseguido” quando Moro era o juiz da Lava-Jato.

    Ninguém com o mínimo de noção da gravidade do que está sendo investigado arrisca dizer que a primeira-dama termina o seu segundo mandato de deputada federal. Muito menos pode apontá-la como futura candidata a qualquer coisa que dependa de uma ficha limpa.

    • Casa do Carneiro - Rações e Derivados
  • sexta ,09 de novembro de 2018, às 00:11h

    Ausente por mais de 2 anos da OAB-PI, talvez Lucas Villa não tenha notado a malandragem instalada na chapa que ele encabeça tendo Naiara Moraes de vice (foto: Facebook.com)

    Esta semana a candidata a vice-presidente Naiara Mendes da Chapa 1 na eleição da OAB-PI foi impugnada num pedido formulado pela Chapa 3, que tem a advogada Geórgia Nunes como candidata a presidente. A justificativa é de que Naiara, na condição de professora da UESPI em regime de dedicação exclusiva, acumulou o cargo de diretora da Escola Superior de Advocacia da OAB-PI e exerce continuadamente a advocacia. A Lei Complementar Nº 124/2009, que trata do Plano de Carreira dos professores da Universidade Estadual do Piauí proíbe expressamente essa “salada”.

    Naiara é, ainda, professora de dedicação exclusiva da UESPI e a Lei que rege o plano de carreira dos docentes da instituição proíbe a atuação como advogada (foto: Portal da UESPI)

    Somado a isso, Naiara, desde 2017, está nomeada para cargo comissionado na Procuradoria-Geral do Estado. A malandragem é grande de diversos pontos de vista. Enquanto é professora da UESPI, toma a vaga de um advogado no mercado de trabalho privado na rotina do Judiciário; toma outra vaga de advogado no setor público enquanto acumula o cargo na PGE e toma outra vaga de advogado na diretoria da ESA. Que exemplo! Na busca de fazer o sucessor, a atual diretoria abriu mão de defender até mesmo a mais básica prerrogativa dos advogados: o próprio exercício da profissão.

    O Portal da Transparência do Governo do Piauí confirma que Naiara ainda é professora DE, mas está comissionada na PGE. Não há registros disponíveis que indiquem a permissão da UESPI (foto: Portal da Transparência)

    A advogada, por meio de sua assessoria de imprensa, afirma que “essas perseguições não serão referendadas pela Comissão Eleitoral”, garantindo que vai derrubar a impugnação. Naiara tem a certeza de que uma brecha em alguma lei vai acobertá-la. Se o pessoal que faz parte dessa comissão deixar essa passar, talvez seja bom para os demais advogados investigá-los também. O sol do Piauí, no pingo do meio-dia, não consegue ser mais claro que estas evidências.

    Naiara deve explicações não apenas aos advogados, mas a todo piauiense que paga imposto. Afinal, a UESPI lhe concede gratificação pela dedicação que, agora se sabe, não é tão exclusiva assim. E esse salário é pago com dinheiro público.

    O impressionante em tudo isso é que por diversas vezes a Ordem falhou com a sociedade piauiense nos últimos 3 anos. E em cada vez que a Ordem deixou de se manifestar sobre um tema relevante para o Piauí, outra entidade tomou seu lugar e enfraqueceu a posição da instituição. E não parece que o atual presidente Chico Lucas ou seu virtual sucessor Lucas Villa se importem muito com isso.

    Já na última semana, o Política Dinâmica revelou que o advogado Talmy Tércio espancou sua ex-mulher em 2009. O processo nunca foi julgado e deve prescrever no início do próximo ano. O laudo do IML revela que o episódio brutal, nos dias de hoje, seria tratado como algo ainda mais traumatizante para uma mulher que a “simples” lesão corporal de natureza grave. Mas o “cidadão” foi indicado para ser presidente da Caixa de Assistência ao Advogado, a CAAPI.

    Certamente existem advogados qualificados com menos bagagem de problemas apoiando Lucas Villa e que poderiam estar na chapa no lugar de Naiara e Talmy (foto: Facebook.com)

    Esta situação por si só já é o pior exemplo que uma instituição como a OAB-PI dá à sociedade em tempos nos quais há de se defender as conquistas de espaços e voz das mulheres e se enfrentar o feminicídio e a cultura do estupro. Mas a bússola moral da Chapa 1 não anda muito calibrada. E mentir ou omitir em campanha, de fato, não é crime.

    Na próxima segunda-feira, a Chapa 1 está organizando um ato com as mulheres advogadas. Será que Naiara vai levar Talmy pro evento? (foto: Facebook.com)

    A seriedade da instituição exigiria que cada um soubesse o constrangimento que causa à maioria, declinando da posição. Se não soubessem de nada, ao tomar conhecimento dos fatos, os demais integrantes da Chapa 1 deveriam, na falta da renúncia, exigir a troca. E, sinceramente, há quadros qualificados no grupo. Porém, preteridos na escolha política.

    Quando é a Ordem dos Advogados do Brasil que atesta que os fins justificam os meios, de fato, já não há mais ordem alguma.

    Que pena. 

    • Casa do Carneiro - Rações e Derivados
  • quarta ,07 de novembro de 2018, às 20:11h

    Antes crítico, não demorou nem duas semanas para Fábio Abreu já se alinhar ao pensamento do presidente eleito Jair Bolsonaro (foto: Marcos Melo | PoliticaDInamica.com)

    Eleitor do PT, secretário de Wellington Dias e crítico do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), o deputado federal Fábio Abreu (PR) copiou e colou o discurso do governador eleito do Rio de Janeiro para elaborar um projeto de lei apresentado esta semana na Câmara Federal.

    Nas últimas semanas, viralizou na internet uma entrevista de Wilson Witzel (PSC) concedida à GloboNews. Na ocasião, ele declarou que vai autorizar policiais treinados a “abater criminosos que estejam segurando fuzil”. A alegação foi a de que se está com um fuzil, o bandido é uma ameaça iminente. Witzel ainda disse que prefere defender um policial na Justiça do que ir para o enterro dele.

    Veja o vídeo!

    No Piauí, 39 policiais foram assassinados durante a gestão de Fábio Abreu — uma média de quase 1 por mês. Não se sabe se Fábio foi ao enterro deles, mas esta semana o parlamentar recém-chegado à Câmara resolveu apresentar um projeto de Lei que fala a mesmíssima coisa dita por Wilson Witzel.

    Já tramitam na Câmara projetos que abordam a situação e são, na verdade, muito mais bem feitos que esse “barro na parede” jogado por Fábio Abreu.

    Pra virar notícia, se colar, colou. Literalmente.

    • Casa do Carneiro - Rações e Derivados
  • quarta ,07 de novembro de 2018, às 18:11h

    Wilson Brandão e Júlio Arcoverde: o PP tem dois nomes fortes para a presidência da Alepi, mas antes deve acontecer uma disputa interna (fotos: Jailson Soares | PoliticaDinamica.com)

    O Progressistas diz há mais de um ano: vai ter candidato ao Governo do Estado em 2022. Antes disso, no processo de evolução de sua força política, quer tomar do MDB e impor ao PT a presidência da Assembleia Legislativa, numa eleição que acontece em fevereiro de 2019. Mas antes disso vai ter que resolver uma disputa interna.

    Nas últimas semanas é o nome do deputado estadual Júlio Arcoverde que tem sido mencionado como candidato ao cargo de presidente do Legislativo. Mas o deputado Wilson Brandão assegurou ao Política Dinâmica que vai para a disputa.

    — Então o seu nome ainda está na disputa, deputado?

    — “Ainda” não! Sempre esteve e nunca saiu!, exclamou sem fraquejar Wilson Brandão.

    Júlio Arcoverde tem dominado as rodas de conversa como sendo o mais forte candidato do Progressistas na disputa pelo controle da Alepi, uma vez que já reúne vários deputados ao redor de si (foto: Jailson Soares | PoliticaDinamica.com)

    Júlio é o atual presidente estadual do PP, Wilson se filiou ao partido poucos meses antes da eleição, saindo do PSB, que estava na oposição. Porém, Wilson tem mais tempo de parlamento que Júlio.

    A expectativa era de que Wilson poderia se eleger em qualquer outra sigla, mas nos bastidores se comenta que o senador Ciro Nogueira teria dado a entender que ele seria o nome do partido para a disputa da ALEPI e foi esse o motivo de escolher o PP.

    Uns dizem que foi uma promessa clara, outros que foi apenas uma idéia no ar, mas o certo é que nos bastidores se fala que Ciro havia prometido a Wilson fazê-lo presidente da Alepi (foto: Jailson Soares | PoliticaDInamica.com)

    Sobre essa questão, Wilson não quis comentar, mas alegou que até fevereiro “é uma infinidade de tempo” e que “dá para viver três vidas”, se referindo ao fato de que em eleições de casas legislativas, tudo pode mudar até minutos antes da votação.

    Quem ganha?

    • Casa do Carneiro - Rações e Derivados
  • sexta ,02 de novembro de 2018, às 15:11h

    Defensor incondicional da liberdade de expressão, advogado Wilson Gondim acredita que a OAB-PI também pode trabalhar por esse direito constitucional e fundamental de todo cidadão (foto: Marcos Melo | PoliticaDinamica.com)

    Fazer bom jornalismo exige coragem, persistência e dedicação. Mas não é apenas o jornalismo em busca da verdade que corre riscos. O cidadão comum que se expressa por contestação e crítica também não está seguro neste direito constitucional. Mas se depender do advogado Wilson Gondim, a partir do Piauí, essa situação pode melhorar.

    Ele está propondo a criação da Comissão de Liberdade de Imprensa e de Expressão na Ordem dos Advogados do Brasil - Seccional Piauí. É fácil perceber a empolgação de Wilson Gondim na crença de que essa comissão pode contribuir verdadeiramente para uma sociedade melhor. “Não é um projeto apenas para o Piauí, é um projeto social amplo, seria para o Brasil”, visualiza.

    Segundo ele, não é um trabalho de defender pessoalmente jornalistas. É um trabalho na defesa do direito de qualquer cidadão de se expressar.

    “Termina por defender, em algum momento, um ou outro jornalista. Mas essa comissão deve defender veículos de comunicação ou qualquer cidadão naquilo que é um direito fundamental”, amplia o advogado.

    A OAB, explica Wilson, não defende apenas os direitos dos advogados. “Ela tem uma função social nacional”, frisa. Ele se baseia em dados empíricos para afirmar que existe uma relação direta entre desenvolvimento social e econômico e a liberdade de imprensa e de expressão.

    A organização não governamental Repórteres Sem Fronteiras faz anualmente um ranking dos países onde há mais liberdade de expressão. “E não por acaso, os países onde há essa liberdade de expressão, são também os países onde há menos corrupção, onde há mais desenvolvimento social, onde há uma felicidade maior do seu povo”, argumenta.

    Wilson alega que onde há mais liberdade, o povo é mais feliz e a sociedade é mais desenvolvida (foto: Marcos Melo | PoliticaDinamica.com)

    Lideram o ranking em primeiro a Noruega seguida pela Suécia, Holanda, Finlândia e Suíça; e estão no final da fila Síria, Turcomenistão, Eritreia e Coreia do Norte em último lugar. “O Brasil ocupa tristemente uma posição de mediana pra baixo. É o 102º num ranking com 180 países. É crescente no Brasil atentados não só contra a liberdade de imprensa e expressão, ou proibição do jornalista de divulgar algo, mas às vezes até a morte do jornalista. Em 2018, quatro jornalistas foram assassinados no Brasil, e foram assassinados por estarem exercendo seu trabalho”, enumera o advogado para justificar o caráter urgente de se criar a comissão.

    Wilson defende que a OAB deve impor uma nova agenda de liberdade de expressão, contrariando, inclusive, o pensamento de alguns juízes que insistem em decidir pela censura prévia de conteúdos mesmo sendo um posicionamento absurdo. “Por que que ainda tem juízes que fazem isso? Vamos promover congressos para tentar entender em que circunstâncias isso se dá”, explica.

    É, na sua visão, uma maneira de impedir que o Brasil venha, em algum futuro, se tornar um país hostil à liberdade de expressão como é a Arábia Saudita, que chegou a assassinar um jornalista dentro de uma embaixada há poucas semanas. Ela está na 169ª posição do ranking.

    Veja a entrevista completa!

    O advogado também aponta que onde se aumenta o índice de transparência, se diminui o de corrupção e isso se deve pela liberdade de divulgar informações. Um direito de qualquer cidadão.

    O advogado Wilson Gondim alega que a OAB-PI pode começar um movimento nacional em defesa da liberdade de expressão e impedir qualquer risco de que o Brasil siga o exemplo da Arábia Saudita, que há algumas semanas assassinou um jornalista (foto: Marcos Melo | PoliticaDinamica.com)

    Gondim assegura que essa comissão, tão logo seja criada, será independente, dando as garantias de que não se curvaria a qualquer que fosse o interesse político. “Se um jornalista ou qualquer do povo criticar a própria comissão, e por algum motivo for tolhido, a comissão vai defender que essa pessoa fale".

    Usando um princípio da filosofia de Voltaire, Wilson Gondim alega que “pode até não concordar com o que alguém diz, mas lutará até o fim para que qualquer pessoa tenha o direito de dizê-lo”.

    Ou seja, a comissão de Liberdade de Imprensa não vai defender o conteúdo da matéria ou fazer qualquer julgamento sobre o mérito da pauta, mas defenderá o direito de que se fale, escreva ou publique o que quer que seja de forma ampla e independente.

    Wilson Gondim chegou a apresentar a proposta a todos os candidatos a presidente da OAB-PI e afirma que todos gostaram da ideia. E, embora ele seja integrante da Chapa 1, essa é uma ideia que deveria ser compartilhada por todos os candidatos.

    • Casa do Carneiro - Rações e Derivados
  • sexta ,02 de novembro de 2018, às 15:11h

    Candidata a presidente defende que Ordem seja de todos os advogados e volte a ser relevante na defesa dos interesses sociais (foto: Marcos Melo | PoliticaDinamica.com)

    Você não vai escutar a expressão “jovem advogado” num discurso de Geórgia Nunes. Para ela, estando no início da carreira ou sendo alguém com mais experiência, são todos advogados. E todos devem ser representados pela Ordem dos Advogados do Brasil.

    Segmentar a classe, na visão de Geórgia, foi uma estratégia de conquista da atual diretoria que, durante a gestão de Chico Lucas, se rendeu a interesses pessoais e deixou de lado o conjunto dos advogados. Assim, a consequência foi uma representatividade menor da Ordem e o surgimento de associações que buscam ocupar o espaço aberto na falta de trabalho da OAB-PI em demandas específicas de segmentos distintos de trabalho dos advogados. A lógica desse raciocínio é incontestável.

    Dividir a classe de advogados foi estratégia eleitoral da atual gestão em 2015, mas que enfraqueceu a OAB-PI nos últimos 3 anos (foto: Marcos Melo | PoliticaDInamica.com)

    “Diante da omissão da OAB, nós percebemos o divisionismo dentro da nossa advocacia e o surgimento das associações de classe voltadas a áreas específicas da advocacia. Como a OAB deixou de representar o advogado, e a advocacia deixou de se sentir representada pela OAB, fez-se necessário que alguns nichos da advocacia se unissem para terem seus direitos, para terem suas prerrogativas, para terem as suas demandas assistidas. Hoje nós temos associação dos advogados civilistas, criminalistas, previdenciaristas, publicistas, todas elas com a sua importância, mas desempenhando um papel que deveria ser a OAB”, argumenta mostrando o exemplo mais claro de que o caminho pelo qual Chico Lucas levou a Ordem fez a instituição perder força.

    Dentro as propostas de Geórgia estão em destaque a qualificação do profissional — incluindo o aspecto empreendedor — e a transparência administrativa. Ela e sua chapa declaram que deverão ser retomados os cursos para gestão legal de escritórios e viabilizadas linhas de crédito para quem inicia a carreira profissional, por meio da Caixa de Assistência ao Advogado (CAAPI).

    A proposta de Geórgia Nunes é reagir à atual inércia da OAB-PI, resgatar o protagonismo da instituição e reunir os advogados para fortalecer a classe (foto: Marcos Melo | PoliticaDinamica.com)

    Na entrevista ainda deu tempo para que Geórgia questionasse o esforço da atual gestão para esconder as despesas realizadas com recursos dos advogados. “Como é que se aumenta em 13% o valor da anuidade num ano de crise e quando todas as outras seccionais congelam seus valores? Como e onde é que foram gastos esses recursos?”, questionou em absoluta desconfiança.

    Para onde foi o dinheiro a OAB-PI? Geórgia afirma que a falta de transparência nas contas da Ordem é, além de suspeita, uma falta de respeito com os advogados (foto: Marcos Melo | PoliticaDinamica.com)

    Confira a entrevista completa com a advogada Geórgia Nunes, da Chapa 3, candidata a presidência da Ordem dos Advogados do Brasil - Seccional Piauí.


    • Casa do Carneiro - Rações e Derivados
  • quarta ,31 de outubro de 2018, às 22:10h

    Para constranger adversários de Lucas Villa, alguém da atual diretoria da OAB-PI vazou informações sigilosas de processos administrativos (foto: Instagram)

    Chega a ser infantil o jogo sujo que integrantes da atual diretoria da Ordem dos Advogados do Brasil - Seccional Piauí começaram a fazer para buscar eleger o sucessor do ainda presidente Chico Lucas. Na tarde desta quarta-feira (31), o Política Dinâmica recebeu via WhatsApp diversos documentos e números de processos administrativos relacionados a advogados que compõem chapas de oposição.

    Um dos documentos enviados (não divulgaremos os conteúdos por serem, em alguns casos, processos em curso, ainda em fase de contraditório) é relacionado à advogada Daniela Carla Gomes Freitas, que compõe a Chapa 2, na condição de vice ao lado do candidato a presidente Carlos Henrique. Os processos, segundo o próprio Regulamento Geral da OAB deveriam ser sigilosos. O que significa que o acesso a estes processos é restrito e alguém que possui esse acesso se fez valer do cargo para constranger adversários, quebrando o vínculo de confiança entre a Ordem e seus filiados.

    Nos documentos não constam processos relacionados a nomes inscritos na Chapa 1, encabeçada pelo advogado Lucas Villa.

    Há meses o Política Dinâmica cobra da Ordem dos Advogados do Brasil - Seccional Piauí uma postura fiscalizadora do poder público em favor da Sociedade. Convenientemente, a OAB-PI manteve-se calada. Mais adiante, o leitor vai entender o motivo.

    Agora, às vésperas de uma nova eleição na seccional, distribui conteúdo sigiloso para denegrir a imagem de opositores. É o mesmo estilo covarde de “guerrilha” das campanhas governistas que o Piauí já conhece. Sinceramente, até mesmo entre adversários deveria haver um pouco mais de ética. Usar a Ordem contra advogados é baixo demais.

    Covardia por covardia, divulgação por divulgação, o que a atual diretoria da OAB-PI não publica e faz questão de esconder é que um importante integrante de sua chapa de reeleição responde há 5 anos a um processo de Lesão Corporal de Natureza Grave.

    Trecho de denúncia oferecida pelo Ministério Público contra integrante da OAB (imagem: reprodução)

    Indicado para ocupar o cargo de presidente da Caixa de Assistência ao Advogado - CAAPI, o advogado Talmy Tércio Júnior arrombou a porta do apartamento de sua ex-esposa, a ameaçou, arrastou-a até o quarto, a agrediu com mordidas e a jogou no chão, segundo denúncia do Ministério Público, alegando que ali, no chão “era seu lugar”.

    Laudo elaborado no IML sobre as agressões de natureza grave contra ex-mulher de candidato (imagem: reprodução)

    O crime aconteceu em 2009 e prescreve em alguns meses. É um dos retratos da atual — e futura — gestão. Os atuais presidente Chico Lucas e vice-presidente Lucas Villa, deixaram de fora da chapa várias mulheres, não cumpriram o mínimo de 30% de advogadas, mas insistiram para manter Talmy Tércio num dos cargos mais importantes da OAB-PI, justamente aquele que deveria trabalhar com a “preocupação e o cuidado com o profissional da advocacia e com os seus familiares e estagiários regularmente inscritos nesta seccional”, segundo a descrição institucional do cargo.

    O "probleminha" do candidato a presidente da CAAPI na Chapa 1 era tão conhecido por Lucas Villa que o marketing da campanha fez questão de "escondê-lo" nas peças publicitárias (foto: Instagram)

    Incômodo maior sentem as mulheres, provavelmente, no caso específico da postura de Lucas Villa. O advogado do emblemático “Caso Fernanda Lages” se deu ao trabalho de bancar a permanência de um agressor ao custo de tirar mulheres da chapa.

    Talmy e Villa: será que a Chapa 1 resguarda candidato para viabilizar prescrição de crime de lesão? (foto: Facebook)

    Logo, não é de se espantar que estejam sendo vazados conteúdos de processos administrativos contra adversários — a maioria mulheres —, nem tampouco causa espécie a inoperância da Ordem por uma Justiça mais célere.

    Quem votou em Chico Lucas em 2015 para ter uma OAB renovada certamente não imaginava que a mudança seria tão ruim (foto: Jailson Soares | PoliticaDInamica.com)

    E você achando que a cumplicidade da OAB-PI em relação à gestão de Wellington Dias (PT) era apenas uma questão de amizade de Chico Lucas com o secretário de Fazenda Rafael Fonteles, ou com o secretário de Justiça Daniel Oliveira. Nem somente a expectativa de se tornar secretário de Estado.

    Já sabe que é também de autopreservação e interesse pessoal. Com um telhado de vidro desses, a OAB-PI não pode peitar ninguém. Zero.

    Senhoras e senhores advogados, façam uma boa escolha em 2018.

    • Casa do Carneiro - Rações e Derivados
  • terça ,30 de outubro de 2018, às 02:10h

    A começar pela deputada federal Rejane Dias, petistas estão na mira do TCE-PI, que ao contrário do que faz a OAB-PI, não se omite (foto: Jailson Soares | PoliticaDinamica.com)

    De olhos fechados aponte para qualquer secretaria da gestão de Wellington Dias (PT). O mais difícil é não esbarrar em alguma operação policial sobre desvios de recursos públicos. As que estão em curso ou as que estão na iminência de acontecer. Todas contando sempre com o pronto apoio do Tribunal de Contas do Estado.

    Topique, Itaorna, Natureza. Seduc, Semar, Setur, Idepi, CDSOL. Tem pra todo (des)gosto. Escândalos não faltam. O que deve faltar em alguma tempo é orçamento para o TCE-PI continuar dando suporte à Polícia Civil, à Polícia Federal e ao Ministério Público. A equipe econômica do atual governador Wellington Dias achou por bem diminuir os recursos de quem os fiscaliza.

    Apesar da previsão otimista do governo petista que espera subir sua Receita Líquida em 3,51%, para o TCE-PI a parte que estará disponível em 2019 será 1,03% menor do que foi este ano. No total, o órgão vai perder R$ 1.301.649,00 (hum milhão, trezentos e um mil, seiscentos e quarenta e nove reais). Esse é o primeiro e único recuo no orçamento desde 2005. Não há dados financeiros oficiais do governo do Piauí disponíveis na internet anteriores a esta data.  

    Mas fica pior: internamente, a conta destinada ao Fundo de Modernização do Tribunal cairá para menos da metade, sofrendo um corte de 54,78%.

    O Política Dinâmica fez algumas contas e gráficos para mostrar o que o secretário petista do Planejamento Antônio Neto não conta para você quando vai passear pelas emissoras de rádio e TV.

    Fonte: Seplan - Secretaria de Estado do Planejamento do Piauí (imagem: Marcos Melo | politicaDinamica.com)

    Se o leitor reparar bem, em 2014, a gestão de Zé Filho (à época, governador pelo MDB), entregou um Orçamento que aumentou 18,41% os recursos do TCE-PI, depois de um aumento 17,49% concedido pelo seu antecessor Wilson Martins (PSB) em 2013. Ao final de 2015, o petista Wellington Dias já tirou o pé do acelerador e quebrou o aumento pela metade na hora de fazer as contas de 2016, dando 9,79%.

    Já para o ano de 2017, o aumento voltou para a casa dos dois dígitos: 11,46%. Sob a gestão do conselheiro Olavo Rebelo, o TCE-PI aumentou em 226,02% seu Fundo de Modernização, que é investido na qualificação de pessoal e melhora sistemas de fiscalização e controle.

    Fonte: Seplan - Secretaria de Estado do Planejamento do Piauí (imagem: Marcos Melo | politicaDinamica.com)

    Deu no que deu: com mais ferramentas e conhecimento adquiridos em 2017, o corpo técnico do tribunal tirou o sono de integrantes dos mais variados esquemas de malandragem operando dentro do governo estadual.

    Aí, deve ser observado que, coincidência ou não, Wellington puxou o freio de mão. O aumento do orçamento do TCE-PI despencou em 2018, não passando de 4,83%. E isso planejado no mesmo ano em que a gestão do PT criou 9 coordenadorias e uma fundação (todas com status de secretaria) para bancar a compra de aliados políticos e a farra das licitações de calçamentos, que deram o tom dos gastos baseados numa Receita Líquida prevista para crescer pelo menos 14,34%.

    Trocando em “miúdos”: a gestão de Wellington planejou gastar pelo menos R$ 1,3 bilhão a mais que 2017 enquanto o TCE receberia o menor aumento em dinheiro desde 2010.

    Vendo que o TCE-PI não estava fazendo vista grossa, o jeito encontrado pelo governador Wellington Dias para ganhar algum fôlego antes de submergir no mar de lama de sua gestão foi cortar o orçamento do tribunal (foto: Jailson Soares | politicaDinamica.com)

    Já 2019 é o ano em que deve chegar com juros e correção a fatura da reeleição petista que está no rotativo desde 2015. Para atrapalhar o trabalho do TCE-PI, o jeito foi engatar a marcha ré. A Corte de contas voltará 4 anos no tempo, tendo no próximo ano a mesma participação orçamentária relativa que tinha em 2015: apenas 1,14% se comparada à Receita Líquida do Estado.

    A intenção de abater a fiscalização e o controle do TCE é mais do que clara. E para dar essa “facada”, o governo petista já mostrou que tem coragem.

    • Casa do Carneiro - Rações e Derivados
  • segunda ,29 de outubro de 2018, às 23:10h

    O discurso é um, a atitude é outra: Wellington cortou recursos para defesa de direitos humanos e mulheres em situação de violência ao diminuir recursos da Defensoria Pública (foto: Jailson Soares | politicaDinamica.com)

    Direito. Está aí uma coisa que a gestão de Wellington Dias (PT) não respeita. Ainda mais se o direito é dos mais pobres. O Orçamento de 2019 traz uma infeliz surpresa para quem depende dos serviços da Defensoria Pública: a instituição vai ter corte de 1,35% em seus recursos, enquanto o Executivo projeta um aumento de sua receita líquida de 3,51%.

    Fonte: Seplan - Secretaria de Planejamento do Estado do Piauí (imagem: Marcos Melo | PoliticaDinamica.com)

    Isso significa que a Defensoria vai perder R$ 1.155.311,00 (hum milhão, cento e cinquenta e cinco mil e trezentos e onze reais) enquanto o governo de Wellington Dias cresce R$ 371.442.356,00 (trezentos e setenta e um milhões, quatrocentos e quarenta e dois mil e trezentos e cinquenta e seis reais). É mais de quatro vezes todo o orçamento da Defensoria.

    Fonte: Seplan - Secretaria de Planejamento do Estado do Piauí (imagem: Marcos Melo | PoliticaDinamica.com)

    Com ampla maioria na Assembleia e na imprensa, o governador não deve ter problemas para aprovar o Orçamento desse jeito. Enquanto isso, parceira do governo de Wellington Dias, a Ordem dos Advogados do Brasil Seccional Piauí, mantém-se silenciosa e desatenta, fazendo festa e alvoroço apenas na defesa da campanha eleitoral que acontece agora dentro da própria instituição. É uma farra da inoperância e da falta de compromisso com a Justiça.

    Enquanto isso, a OAB de Chico Lucas só bate palmas para o governo de Wellington Dias e faz campanha para Lucas Villa continuar essa relação íntima com a turma do PT (foto: Facebook.com)

    Dentre várias atribuições da Defensoria, estão a atuação na defesa dos direitos humanos, na defesa da mulher em situação de violência e na defesa dos direitos da infância e da juventude.

    Essa situação mostra que a preocupação de Wellington Dias com a eleição de Jair Bolsonaro (PSL) para presidente do Brasil passou longe de ser motivada pela preocupação com a Constituição e os direitos individuais de cada cidadão.

    Talvez o atual governador não saiba, mas nem todo piauiense tem cacife para bancar os escritórios particulares da turma da Operação Topique. Nem os escritórios dos dirigentes da OAB-PI que fazem a festa nas prefeituras do interior.

    • Casa do Carneiro - Rações e Derivados
  • segunda ,08 de outubro de 2018, às 03:10h

    Os três maiores orçamentos do Estado fizeram seus deputados federais os mais bem votados de 2018 (fotos: Jailson Soares | politicaDInamica.com)

    A bancada federal do Piauí não apresenta surpresas. Todos os nomes são conhecidos dos piauienses e já figuravam há semanas em listas não oficiais de eleitos em bancas de aposta. Foram 6 reeleitos. O governo fez 8 deputados, e a oposição fez 2.

    Com 138.800 votos, a atual primeira-dama Rejane Dias (PT), esposa do atual governador Wellington Dias, foi a primeira colocada nas eleições para a Câmara Federal. Seguida pelo deputado Fábio Abreu (PR) com 132.719 votos e pelo petista Assis Carvalho, com 129.623 votos. Estes três aumentaram suas votações de 2014. Por acaso, os três mandaram nos últimos 4 anos nos três maiores orçamentos do estado: Educação, Segurança e Saúde. 

    Flávio Nogueira (PDT) desta vez fez por onde não bater na trave: emplacou 111.672 votos, sendo o quarto mais votado. O deputado reeleito Júlio César Lima (PSD) subiu de votação, e ficou bem na fita, com 110.597, fechando o grupo dos eleitos com mais de 100 mil votos.

    Iracema Portella (PP), esposa do senador reeleito Ciro Nogueira,  foi a sexta mais votada com 96.277 votos. O Progressista ainda fez da atual vice-governadora Margarete Coelho uma futura deputada federal com impressionantes 76.338 votos conquistados numa campanha que começou em junho. Com 73.302 votos, Marcos Aurélio Sampaio (MDB) fecha a conta do governo na oitava vaga.

    Gente que estava em campanha há 4 anos ficou de fora da festa governista, como é o caso de Merlong Solano (PT), Paes Landim (PTB) e Mainha (PP), agora, respectivamente, primeiro, segundo e terceiro suplente.

    Pela oposição na chapa de Dr. Pessoa, a Dra. Marina (PTC) conquistou uma vaga com 70.828 votos. Silas Freire (PRB) repete uma primeira suplência com 57.391 votos.

    Também na oposição, na chapa de Luciano Nunes, o deputado Átila Lira (PSB) atingiu a marca de 54.095 votos. O suficiente para ser eleito, mas bem longe do que esperava dele, que despencou de 129 mil votos recebidos em 2014. Ficou na primeira suplência dessa coligação o atual deputado federal Heráclito Fortes (DEM), com 44.262 votos.

    Veja a lista!


    • Casa do Carneiro - Rações e Derivados


voltar para 'Política Dinâmica'