Coluna Marcos Melo
  • quarta ,16 de dezembro de 2020, às 21:12h

    A campanha de sucessão de Wellington Dias (PT) começa já no início de 2021. É quando o Governo do Estado do Piauí vai realizar suas licitações de Comunicação. Uma despesa que entre agências de publicidade, gráficas comunicação visual e gestão de redes sociais deve chegar perto dos R$ 30.000.000,00 (trinta milhões de reais).

    Já tem muita gente de olho nas licitações de Comunicação de 2021 da gestão de Wellington Dias (foto: Jailson Soares | PoliticaDInamica.com)

    Nos dois anos que antecederam a última reeleição do petista, a Coordenadoria de Comunicação gastou muito mais do que tinha planejado em orçamento. Na visão de um auditor de órgão de controle externo (que tem aqui seu nome omitido para evitar manobras jurídicas contra sua atuação), foi uma maneira do Governo do Estado impedir que a imprensa divulgasse informações sobre uma farra ainda maior: os empréstimos FINISA I e II, motores da campanha de reeleição de Wellington em 2018 e que até hoje estão sob investigação.

    SURPRESAS

    As virtuais concorrências devem "corrigir" problemas específicos de empresas que estão hoje trabalhando para a CCom por meio de questionável "dispensa" de licitação. Os editais tem as digitais do jornalista Allisson Bacelar, cota pessoal de Wellington. 

    Porém, o resultado pode sair um pouco diferente do planejado. 

    Um dos motivos é que um ex-gestor e um empresário do ramo querem colocar pelo menos 3 empresas -- uma agência, uma gráfica e outra de redes sociais -- dentro da lista das vencedoras, onde já estão S.A Propaganda, Nova Comunicação, Eclética, Made Marketing, Desk Propaganda e JRV Sousa. Um deles já se fez valer de arapongagem para conseguir contratos em outra pasta do governo. 

    Outro ponto a ser considerado é que um determinado órgão da rede de controle externo "topou" na CCom depois de perseguir o rastro de contratos de empresas de aluguel de carro com a gestão de Wellington Dias. E quer ver de perto como é que a coordenadoria escolhe seus fornecedores. 

    O orçamento da CCom aprovado para o próximo ano é de R$ 36 milhões, mas para os padrões de gestão do atual governo isso não significa que exista algum limite.  

    • R&G Feet
  • segunda ,14 de dezembro de 2020, às 18:12h

    Advogado confirmou que vai assumir a Secretaria de Juventude de Teresina (foto: Instagram)

    Em entrevista exclusiva ao Política Dinâmica o advogado João de Deus Duarte Neto admitiu que deverá participar do primeiro escalão da próxima gestão da Prefeitura Municipal de Teresina. E confirmou que vai ocupar o cargo de secretário da Juventude.

    Pessoinha – como tem sido chamado o filho do prefeito eleito Dr. Pessoa – revelou que já esteve na sede da SEMJUV para obter as primeiras informações da pasta. “Tive até uma surpresa positiva: está tudo muito organizado por lá”, reconheceu o advogado.

    Segundo ele, o trabalho que mais lhe chamou a atenção neste primeiro momento foi o do Universidade para Todos, o Unitodos. O programa prepara jovens estudantes de Teresina para ingresso em instituições de ensino superior por meio de cursinhos destinados a quem vai prestar o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM).

    Nos últimos anos a SEMJUV era comandada pelo vereador Zé Filho (PSL) que não conseguiu ser reeleito nas últimas eleições.

    O presidente da OAB-PI nomeou João Duarte para a a vice-presidência da CAVV na última semana (foto: Instagram)

    Advogado criminalista, João de Deus já havia sido nomeado para cargo voluntário em outra instituição: no último dia 9 de dezembro de 2020 assumiu o posto de vice-presidente da Comissão de Apoio à Vítima de Violência (CAVV) da Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Piauí. A nomeação foi assinada pelo presidente da OAB-PI, Celso Barros Neto.

    • R&G Feet
  • segunda ,14 de dezembro de 2020, às 13:12h

    Ainda não há confirmação de que o advogado Aurélio Lobão será confirmado no cargo de procurador-geral do Município de Teresina. Mas ele é o nome que o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Piauí indicou para ocupar o cargo na futura gestão do prefeito eleito de Teresina Dr. Pessoa (MDB). E assim, a OAB-PI deixa de lado os bastidores, assume uma postura pública na política partidária do Piauí e gera um grande conflito de interesses.Celso e Aurélio: movimentação por indicação foi encarada nos bastidores como uma ação política da OAB-PI (foto: Facebook)

    Com a intenção de buscar “técnicos” para sua gestão, Dr. Pessoa solicitou ao procurador do Estado do Piauí Celso Barros Neto – atual presidente das OAB-PI – que indicasse um nome para a PGM. Então, há pouco mais de uma semana, Celso levou Aurélio pessoalmente para conversar com Dr. Pessoa.

    Segundo a assessoria do prefeito eleito, Pessoa “conversou com o presidente da OAB-PI sobre algumas opções”. A assessoria da OAB-PI e o advogado Aurélio Lobão não se manifestaram até a publicação da matéria, mas o espaço está aberto.

    CONFLITO DE INTERESSES

    O pedido de Pessoa pode ter sido muito honroso, mas deveria ter sido gentilmente recusado.

    Neste exato momento, o certo é que já não se distingue a ligação pessoal do presidente da relação institucional e dos interesses políticos. Do ponto de vista ético, é uma bagunça. Do ponto de vista de classe, um perigo.

    Na gestão de Celso, a OAB-PI já abrigou um ex-secretário e Wellington Dias "fugindo" da Polícia Federal; Helder Jacobina, réu na Operação Topique, recebeu rasgados elogios de Aurélio Lobão (foto: Instagram)

    É exatamente um dos problemas que o grupo de Celso apontava contra seu adversário na disputa pela presidência em 2018. O advogado Lucas Villa tinha em seu escritório um contrato com a PMT. Não que o próprio Celso deixasse de sofrer do mesmo “mal” sendo procurador do Governo do Estado. Mas era a narrativa que lhe servia à época. Agora, Celso escala um dos nomes mais destacados de sua gestão para o primeiro escalão da mesma PMT.

    PANELINHA

    O advogado Alano Dourado – que atuou fortemente e fez parte do núcleo estratégico da campanha de Pessoa – também trabalha nos bastidores para indicar outro nome para o mesmo lugar.

    Então, se não for escolhido por Pessoa, Aurélio volta para a lista de prováveis sucessores de Celso na presidência da OAB-PI já em 2021. Ou de nomes cotados para a lista sêxtupla a ser enviada para o TJ-PI na vaga do quinto constitucional que se abrirá com a aposentadoria do desembargador Luiz Gonzaga Brandão. Neste caso, também é tido como certo na relação o nome do tesoureiro da OAB-PI Einsten Sepulveda.

    Celso, Aurélio e Einsten na campanha vitoriosa de 2018: de lá pra cá, o trabalho é dar mais Certo para eles (foto: Instagram)

    Ainda assim, o menor problema para a advocacia piauiense é o benefício direto da “panelinha” de Celso. Nem se discute a capacidade e muito menos o currículo de Aurélio. A questão maior é sacrificar toda a representação da classe. Já houve em outras oportunidades momentos em que interesses da Prefeitura Municipal de Teresina eram bastante diferentes dos interesses dos advogados.

    DISPUTAS

    Entre 2013 e 2014, uma verdadeira guerra foi travada entre OAB-PI e PMT sobre ilegalidade de cobranças de ISS contra sociedades de advogados. E já se escuta que adequações ao Código Tributário Municipal de Teresina devem acontecer ainda no primeiro semestre de 2021. Esse é um exemplo dentre dezenas de possibilidades de conflito de interesses.

    Se coisas assim acontecerem, qualquer que seja o resultado da disputa não terá sido combinado entre os amigos em benefício de interesses de terceiros? 

    E se Aurélio for escolhido, vai utilizar o cargo e a força de influência dentro da PMT para pressionar escritórios de advogados em pleitos dentro da Ordem? 

    E se o nome de Aurélio não for escolhido, como saber se qualquer atitude institucional da OAB-PI não será uma retaliação pessoal contra a administração de Pessoa?

    Ser presidente da OAB-PI exige o distanciamento necessário para antecipar e evitar esse tipo de conflito.

    Uma grandeza que falta ao atual ocupante do cargo.

    • R&G Feet
  • quarta ,02 de dezembro de 2020, às 13:12h

    Ele é o coordenador da equipe de transição do Dr. Pessoa (MDB), prefeito eleito de Teresina. E seja lá qual for o cargo que o novo prefeito lhe conceda na gestão, João Henrique Sousa já se comporta como “primeiro-ministro” do novo governo municipal. E do alto da experiência administrativa de que possui, afirmou à imprensa que “está tudo muito tranquilo, tudo em ordem”, na Prefeitura de Teresina.

    João Henrique: o primeiro-ministro da gestão do Dr. Pessoa (foto: Marcos Melo  | PoliticaDInamica.com)

    A fala se deu logo após o encerramento da primeira reunião entre as equipes de transição do Dr. Pessoa e do ainda prefeito Firmino Filho (PSDB). Aliás, sobre isso, João Henrique revelou que enquanto Dr. Pessoa pediu uns dias de descanso ao seu grupo, foi o prefeito Firmino quem fez questão de adiantar os trabalhos de transição para que a nova gestão inicie 2021 sem descontinuidade administrativa.

    João Henrique falou ainda sobre o secretariado a ser escalado para a nova gestão e garantiu que todos os nomes serão escolhidos pelo próprio Dr. Pessoa, que deve retornar das férias pós campanha nesta quinta-feira (03). Sobre os critérios para ocupação de espaços na administração do MDB, o primeiro-ministro afirmou que “não existirá isso” sobre tamanho de partidos ou participação na campanha.

    Alguém vai pegar balão. Anote aí.

     Veja o vídeo!


    • R&G Feet
  • terça ,01 de dezembro de 2020, às 21:12h

    O Política Dinâmica publicou ontem que a eleição de Teresina deu a Marcelo Castro a oportunidade de viabilizar sua candidatura ao Governo do Estado. Passando por cima, inclusive, de Rafael Fonteles, nome dentro do PT que estava sendo preparado pelo governador Wellington Dias. E a informação já fez muita gente amolar sua faca.

    O deputado João Mádison foi hoje à TV Meio Norte falar sobre o tema. Disse que Rafael Fonteles pode se filiar ao MDB e, quem sabe, ainda disputar o governo em 2022. Aos risos, um deputado do PT ligou para o Política Dinâmica. “Esse João Mádison é um ‘mala’. A gente já sabe o que ele quer”, adiantou o petista.

    FACAS AFIADAS

    Nem precisava ter ligado. Rafael tem a chave dos cofres do Governo. Se filia ao MDB, fica liberando tudo o que os deputados precisam de emendas e obras, visualizando que lá na frente, esse pessoal o escolhe ao invés de Marcelo Castro.

    João Mádison dizendo que Rafael tem chance de disputar a indicação dentro do MDB contra Marcelo Castro, dá apara acreditar? (foto: Jailson Soares | PoliticaDinamica.com)

    No dia em que Rafael se desincompatibilizar, facada!

    João Mádison sendo o primeiro da fila. Se é na palavra deste deputado que Rafael vai se confiar, alguém rasgue o diploma de gênio do garoto. Ou levem-no pro médico, alguma coisa está errada.

    A não ser que João fale por outra pessoa. Alguém maior que tenha garantido a legenda para Rafael nos bastidores. Isso às vezes acontece.

    As facas dentro do MDB são as mais amoladas e rápidas da política do Piauí. Pergunte a Themístocles Filho se ele viu de onde veio a que Marcelo Castro cravou nas costas dele quando combinou com Wellington Dias a troca da vaga de vice pela de senador em 2018.

    O próprio Marcelo quando se deu conta de que estava sangrando em 2014, já não tinha mais jeito para sua candidatura ao Governo do Estado, morta antes da convenção.

    Mas dentro do partido, eles se entendem.

    O NOME IDEAL PRO CENÁRIO IDEAL

    Rafael seria o nome ideal para o MDB se a conjuntura os obrigasse a aceitar alguém do PT na cabeça da chapa. Seria uma campanha do jeito que o MDB gosta.

    Se os ventos sopram a favor dos mdbistas, não há a menor chance de um recém chegado levar a parada. Pois se um tradicional do partido ganha, aí é o governo do jeito que o MDB gosta.


    • R&G Feet
  • terça ,01 de dezembro de 2020, às 20:12h

    O projeto de 2022 do Progressistas no Piauí passava pela eleição de Teresina. Ciro Nogueira, o presidente nacional da sigla e senador da República, indicou o vice do PSDB. R. Silva se dispôs a trocar o mandato de vereador pelo de vice-prefeito numa candidatura que até ali era tida como mais do que competitiva.

    Então o deputado estadual Firmino Paulo anunciou apoio ao Dr. Pessoa (MDB) ainda antes do primeiro turno das eleições.

    Tão logo se deu o resultado com Pessoa na frente, o candidato derrotado a vereador Pedro Fernandes – que chegou a ser cogitado como nome do PP para compor a chapa majoritária – também foi pro lado de lá.

    Os vereadores eleitos pelo PP Valdemir Virgino e Neto do Angelim também fizeram uma “visita de cortesia” ao Dr. Pessoa ao se depararem com o resultado do dia 15 de novembro. Neto tirou até foto.

    Por muito menos Ciro avisou ao vereador Venâncio Cardoso (hoje no PSDB) em 2019 que não havia mais lugar para ele dentro do PP.

    A deputada federal Margarete Coelho – que teve mais de 17 mil votos em Teresina em 2018 – só desembarcou na campanha de Kleber Montezuma no segundo turno. Timidamente, diga-se de passagem.

    Átila Lira e Átila Filho – recém-filiados ao PP – ninguém nem lembra que são do partido de Ciro. E apesar de ter apoiado a candidatura de Luiz André (PSL) a vereador no lado de Kleber, também despejou sua estrutura e empenho na campanha de Tatiana Medeiros (DEM), que fez pose pra foto com Dr. Pessoa também no segundo turno. Nem se comenta que ajudaram a tomar a prefeitura de Piripiri do próprio PP.

    Samantha e Júlio Arcoverde: além deles, não sobrou muita gente para Ciro Nogueira contar dentro de seu partido em Teresina (foto: Facebook)

    É até possível fazer alguma menção honrosa ao vereador Aluísio Sampaio, que deu algum suporte a R. Silva durante a campanha.

    Mas na iminência da derrota na capital, sobraram ao lado de Ciro a jornalista Samantha Cavalca e o deputado estadual Júlio Arcoverde – único deputado do PP até agora que entregou os cargos do governo Wellington Dias (PT) depois que Ciro foi colocado pra fora da gestão. 

    Samantha e Júlio. Articularam com outros partidos, circularam pelas reuniões --- desde as pequenas até as maiores -- e fizeram o PP estar presente mesmo quando Ciro não estava. Os fiéis de um projeto futuro no meio de dezenas que se entregaram ou fizeram corpo mole diante da primeira dificuldade.

    Às vezes ter um partido grande, não é ter um grande partido.

    • R&G Feet
  • segunda ,30 de novembro de 2020, às 21:11h

    A eleição de Dr. Pessoa (MDB) em Teresina acabou com a disputa interna ensaiada entre a vice-governadora Regina Sousa e o secretário de Fazenda Rafael Fonteles para a sucessão de Wellington Dias. A sucessão, agora, gira em torno do senador Marcelo Castro, presidente estadual do MDB. É isso ou “Tchau, PT!”.

    Wellington vai ter que mudar seus planos e trocar rafael por Marcelo Castro (fotos: Jailson Soares | politicaDInamica.com)

    SEM ESSA DE DIREITO NATURAL

    O “direito natural” da vice Regina disputar uma reeleição caso assumisse o governo foi um argumento disseminado nas rodas de conversa até aqui a mando de Wellington. Uma desculpa usada para manter contida até certo ponto a vontade do MDB reivindicar esse espaço.

    O MDB sempre avaliou que se Wellington já vai ocupar a vaga de senador [cá entre nós, acredito que ele vá disputar uma vaga de deputado federal, mas é assunto para outro texto], então o PT já estaria contemplado. Restariam as vagas de governador e vice, a serem preenchidas pelos maiores aliados.

    A distração daria tempo para Wellington preparar um outro nome seu e de seu partido – com mais “apelo” entre os deputados – para esse lugar.

    Rafael e Wellington começaram a aparecer juntos em todo evento de anúncio e inauguração de obras (foto: Ascom)

    Não há quem possa duvidar que Rafael estava sendo preparado para a sucessão. De repente o secretário de Fazenda estava de papagaio de pirata de Wellington Dias, pra cima e pra baixo em inauguração de poste e pintura de meio fio no interior. E enfrentando o sol do Piauí no pingo do meio-dia para sair na foto.

    Mas aí Rafael perdeu a eleição de seu sogro para prefeito em Picos e ao mesmo tempo o MDB conseguiu a capital.

    TUDO MUDOU PARA 2022

    O MDB é um grande aliado – o maior desde que Wellington Dias expulsou Ciro Nogueira do governo –, mas aliado não significa ser trouxa. Conduzir a máquina da Prefeitura de Teresina dá ao MDB uma nova envergadura política, que vai além dos 6 deputados estaduais e da Assembleia Legislativa.

    A eleição de Pessoa deu nova envergadura ao MDB e o partido agora já olha para 2022 querendo o governo (foto: divulgação)

    Justiça seja dita: Themístocles Filho construiu o grupo e foi dentro do MDB o responsável direto pela eleição de Pessoa. Enquanto isso os políticos ligados a Marcelo em Teresina – Joninha, Pedro Fernandes, Luiz Lobão, etc. – ou estavam filiados a dentro do grupo de Kleber Montezuma (PSDB) ou criavam problema dentro da sigla e só abraçaram Pessoa quando sentiram o cheiro de derrota onde estavam.

    Ainda assim, é Castro quem pode capitalizar melhor a vitória na capital para 2022.

    Por quê?

    Porque pode arriscar uma eleição sem perder mandato (ele teria ainda 4 anos de senador em caso de derrota). Porque já percorreu o interior de todo o Piauí com Wellington Dias em campanha.

    E, principalmente, porque é o mais petista do MDB. Em Brasília, ele é o eterno “ministro da Saúde de Dilma”. O PT adora Marcelo e só confia de verdade nele dentro do MDB.

    Marcelo é a garantia de que haja algum espaço para o PT em governo. Ou é isso, ou pode não haver nem governo nem espaço algum para o PT.

    MARCELO OU THEMÍSTOCLES

    Qualquer “oferta” de Wellington ao MDB que não seja a cabeça da chapa, pode ser superada por uma proposta do senador Ciro Nogueira – que já desenhou uma chapa onde o seu vice pode ser o filho de Themístocles, o deputado federal Marco Aurélio Sampaio – e cuja um virtual futuro governo não teria que ceder uma vaga de aspone para petistas. Ser aliado de um governo sem o PT, é ter mais espaço para ocupar dentro desse governo.

    Wellington tem que se apressar: a condução do MDB em 2022 vai ser de Themístocles ou de Marcelo, quem ele quer? (foto: Jailson Soares | politicaDinamica.com)

    Marcelo é o elo ideal entre PT e MDB e entre as duas maiores máquinas do Piauí: o Governo do Estado e a Prefeitura de Teresina. E passa a ser agora a escolha óbvia da base, que sabe que o MDB sabe como é que a roda gira na política.

    EM TESE, TUDO LINDO

    Como você viu nos argumentos acima, tá dando tudo certo para o MDB. Mas a política é dinâmica. Ganhar Teresina foi ótimo, mas tem só um último detalhe: vai tudo por água abaixo se a gestão de Dr. Pessoa não der certo.

    • R&G Feet
  • segunda ,30 de novembro de 2020, às 12:11h

    Estratégia de Wellington Dias superou trabalho político de Ciro Nogueira em Teresina (fotos: Jailson Soares | PoliticaDinamica.com)

    A vitória de Dr. Pessoa (MDB) é também a vitória de Wellington Dias (PT). Foi até comentário da jornalista Renata Lo Prete no momento em que ela falava sobre o resultado da eleição em Teresina, ao lado de William Bonner no Fantástico desse domingo (29). Não que fosse preciso assistir pra saber disso.

    O detalhe é que a união de Pessoa e Wellington não é uma narrativa de campanha de adversário, e sim um fato, observado do ponto de vista nacional. Em todo o Piauí, a eleição de 2022 foi antecipada e projetada em resultados locais de uma maneira bem mais intensa do que havia ocorrido em disputas anteriores.

    Por isso mesmo também, é impossível dissociar: dessa vez se Wellington ganhou, Ciro Nogueira (PP) perdeu.

    De olho nas eleições de 2022: as pretensões majoritárias de Ciro Nogueira e Wellington Dias deram o tom dos bastidores e afetaram as campanha de Teresina e interior (foto: Jailson Soares | PoliticaDinamica.com)

    Se pelo tamanho da prefeitura, pelo envolvimento direto do senador e pela diferença de quase 100 mil votos, essa derrota na capital não superar as vitórias de Ciro pelo interior do Piauí no primeiro turno, podemos dizer que pelo menos as forças se equilibraram.

    Revés em Teresina: com vitória de Wellington Dias, é hora de Ciro Nogueira reavaliar a estratégia de seu grupo político (foto: Jailson Soares | PoliticaDinamica.com)

    Antes do início da campanha, a vitória em Teresina era dada como certa pelo senador Ciro Nogueira. Inclusive por adversários dele, sejamos justos nisso. E nesse cenário, as eleições de 2022 seriam “um passeio”.

    Agora, o caminho é bem mais complicado. Em política, subestimar é o primeiro passo para perder.

    • R&G Feet
  • segunda ,30 de novembro de 2020, às 11:11h

    O secretário municipal de Governo de Teresina acredita que o trabalho de transição entre as gestões do atual prefeito Firmino Filho (PSDB) e do prefeito eleito Dr. Pessoa (MDB) vai ser fácil e rápida. "Não há motivo para ser diferente. A Prefeitura está em ordem. A nossa gestão sempre foi muito organizada, então não haverá dificuldades", falou Fernando Said ao Política Dinâmica no início desta segunda-feira (30) pós eleição. Ainda não havia um contato oficial da equipe de transição do Dr. Pessoa com a PMT até as 08h30 desta manhã.

    De acordo com Said, falta de informações ou colaboração neste período de transição não poderão ser utilizadas como desculpas em momento posterior por parte da nova gestão. "No que depender da administração do prefeito Firmino Filho, o Dr. Pessoa terá todas as condições de iniciar seu mandato no dia 1º de janeiro sem alegar qualquer problema de colaboração na transição", frisou. 

    Agora é aguardar a composição da equipe do MDB. 

    • R&G Feet
  • sábado ,28 de novembro de 2020, às 22:11h

    Doutor Pessoa foi eleito numa disputa histórica em Teresina (foto: Instagram)

    Neste domingo 29 de novembro de 2020, Dr. Pessoa (MDB) faz história. Foram 236.339 votos (62,31%) contra 142.941 votos (37,69%) de Kleber Montezuma, encerrando um longo ciclo de 7 vitórias seguidas do PSDB em Teresina.

    No primeiro turno o placar foi de 34,53% (142.769 votos) contra 26,70% (110.395 votos).

    Sim, com ajuda determinante do governador Wellington Dias e do deputado Themístocles Filho, presidente da Assembleia Legislativa. Com essas duas grandes estruturas em seu favor, mas Pessoa fez história.

    Wellington e Themístocles já haviam investido contra o PSDB em Teresina em outras oportunidades – com envolvimento pessoal e familiar inclusive! – sem sucesso. Desta vez uma vitória histórica que será contada em dezenas de capítulos adiante.

    Deposi de perder as eleições em 2016, deu a volta por cima e foi eleito em 2020 (foto: instagram)

    Tucanos administravam a capital do Piauí desde 1993, quando o eleito foi Wall Ferraz. Então Firmino Filho foi eleito 2 vezes, Silvio Mendes mais 2 vezes e Firmino venceu outras 2 vezes. No total, 28 anos de gestão tucana interrompidos apenas por 2 anos e meio de gestão de Elmano Ferrer, vice de Silvio Mendes e filiado ao PTB, que assumiu a Prefeitura quando Silvio disputou o Governo do Estado em 2010.

    Antes da totalização da apuração, Kleber MOntezuma reconheceu a derrota ao lado do senador Ciro Nogueira (foto: Ascom)

    Então Teresina volta a ser administrada pelo MDB depois de 28 anos. O último prefeito a administrar a cidade antes dos tucanos foi Heráclito Fortes, entre os anos de 1989 e 1992, pelo antigo PMDB.

    Depois de 7 eleições, PSDB perde uma eleição na capital do Piauí (foto: instagram)

    Os números deste segundo turno se completam com 24,79% de abstenção (uma ausência de 138.484 eleitores), uma das mais altas da história, o que mostra que a política ou os políticos desta disputa este ano não agradaram a população de Teresina. É um sinal de alerta.

    Outros 2,88% (12.094 eleitores) foram às urnas, mas fizeram questão de votar em branco e juntamente com mais 6,85% (28.803 eleitores) que anularam o voto, registraram a indiferença e o descontentamento de maneira oficial. Os números de brancos e nulos foram maiores que no primeiro turno.

    Encerrada a eleição, se inicia este novo ciclo, de gestão para Dr. Pessoa, seu MDB e aliados; e de fiscalização e cobrança para o povo.

    • R&G Feet
  • sábado ,28 de novembro de 2020, às 20:11h

    Vitória de Dr. Pessoa é ótima para Wellington Dias (foto: reprodução)

    Sábado, véspera do segundo turno em Teresina. O governador Wellington Dias (PT) vestiu sua camisa com número 13 e mandou seu recado: a mudança que ele quer para Teresina é a vitória de Doutor Pessoa (MDB). No apelo que circula nas redes sociais, usou o mesmo bordão que deu nome às coligações de suas três últimas campanhas para o Governo do Estado, “vitória com a força do povo”.

    É verdade, o povo já votou e elegeu Wellington 4 vezes governador em primeiro turno. Mas beneficiado de verdade, só o povo dele. O petista nunca foi de emprestar capital eleitoral para ninguém. Nunca incentivou que alguém pudesse ser enxergado como “líder”. Está fazendo os dois agora com Dr. Pessoa.

    Estranho, né?

    É bom refletir se a mudança que faz bem a Wellington faz bem ao povo de Teresina ao mesmo tempo.

    Veja o vídeo abaixo e o seu sonho de mudança é igual ao Wellington, como ele diz:

    A participação de Wellington Dias foi definitiva no percurso da campanha de Pessoa, desde o patrocínio direto e indireto de ataques em redes sociais – qualquer investigação séria encontra o rastro da sujeira nas redes sociais – até a chantagem eleitoral de lideranças e grupos políticos, como aconteceu imediatamente após o resultado do primeiro turno. Tudo, claro, passando também pela intimidação da imprensa e o uso da máquina diretamente na campanha. Disparos em massa de mensagens eleitorais e lavagem de dinheiro para caixa 2 de campanha já são investigações em curso dentro da Polícia Federal.

    De todo modo, pelos motivos certos ou errados, a decisão do voto quem toma é o eleitor.

    E seja qual for o resultado, é hora do eleitor se responsabilizar por ele. 

    • R&G Feet
  • sexta ,27 de novembro de 2020, às 14:11h

    A PF cumpriu 4 mandados de busca e apreensão em Teresina em investigação de crimes eleitorais (foto: ASCOM PF)

    A sexta-feira (27) que precede o segundo turno das eleições em Teresina começou com a Polícia Federal cumprindo 4 mandados de busca e apreensão. É um desdobramento decorrente de uma prisão realizada no dia do primeiro turno, 15 de novembro. A PF investiga corrupção eleitoral e transporte irregular de eleitores, em benefício de candidato a vereador.

    Os mandados foram expedidos pelo juízo da 98ª Zona Eleitoral de Teresina e buscam reunir provas de crimes eleitorais em suposto benefício da campanha do vereador Jeová Alencar (MDB).

    Segundo a PF, o material apreendido agora será analisado, com objetivo de comprovar os crimes investigados e a participação de outras pessoas, inclusive do candidato beneficiado.

    O nome da operação faz alusão à localidade de origem da liderança política presa, isto é, o bairro Cerâmica Cil.

    A assessoria da Polícia Federal informou à imprensa que que não haverá entrevistas coletivas nem pronunciamentos individuais por conta da proximidade do segundo turno das Eleições 2020 e possíveis desdobramentos de investigações relativas ao tema.

    Jeová Alencar foi o vereador mais bem votado destas eleições com 11.062 votos (2,63%) do total e é o principal cabo eleitoral do Dr. Pessoa (MDB) na disputa pela prefeitura de Teresina.

    • R&G Feet
  • quinta ,26 de novembro de 2020, às 20:11h

    Sem o voto popular, campanha nenhuma chega à vitória. Mas para chegar até o povo três motores levam a campanha: articulação política, discurso e marketing. Mas em 2020, vimos muitas campanhas utilizando um adicional: o assassinato de reputações.

    Debatemos o tema com o jornalista Toni Rodrigues

    Não que o jogo baixo seja uma novidade destas eleições. Nada disso. Porém, a produção de conteúdo de ódio deixou de ser tempero para ser prato principal. E com participação ativa de agentes políticos colaborando e distribuindo informações falsas e pregando o voto de ódio.  

    Na edição desta quinta-feira (26), o Política Dinâmica conversou sobre o assunto com o jornalista convidado Toni Rodrigues, que denomina esse ambiente criminoso de “esgotosfera”.

    Confira!


    • R&G Feet
  • quinta ,26 de novembro de 2020, às 20:11h

    Sem o voto popular, campanha nenhuma chega à vitória. Mas para chegar até o povo três motores levam a campanha: articulação política, discurso e marketing. Mas em 2020, vimos muitas campanhas utilizando um adicional: o assassinato de reputações.

    Debatemos o tema com o jornalista Toni Rodrigues

    Não que o jogo baixo seja uma novidade destas eleições. Nada disso. Porém, a produção de conteúdo de ódio deixou de ser tempero para ser prato principal. E com participação ativa de agentes políticos colaborando e distribuindo informações falsas e pregando o voto de ódio.  

    Na edição desta quinta-feira (26), o Política Dinâmica conversou sobre o assunto com o jornalista convidado Toni Rodrigues, que denomina esse ambiente criminoso de “esgotosfera”.

    Confira!


    • R&G Feet
  • quarta ,25 de novembro de 2020, às 21:11h

    Agora ele anda em carreata, tira foto e pede voto. Não há um jornalista de política, funcionário da Câmara Municipal de Teresina ou aspone no MDB que discorde: até que a campanha do Dr. Pessoa (MDB) conquistasse uma liderança folgada nas urnas, o vereador Luiz Lobão só queria saber do ninho tucano na Prefeitura de Teresina

    Depois do primeiro turno, o palanque de Pessoa encheu de gente que era contra semanas antes; qual o motivo? (foto: Facebook)

    Com o resultado do primeiro turno dando a Pessoa vantagem sobre a candidatura de Kleber Montezuma (PSDB), o plano “A” passou a ser voltar à presidência da Câmara Municipal de Teresina, cargo que ocupou por força de vontade do prefeito Firmino Filho (PSDB) entre os anos de 2015 e 2016. 

    Lobão fez campanha contra Pessoa em 2018 e ainda em 2020 lançou uma pré-candidatura a prefeito, segundo bastidores, para atrapalhar o candidato de Themístocles Filho (foto: Jailson Soares | PoliticaDinamica.com)

    A favor de Luiz Lobão está a articulação do presidente estadual do MDB, o senador Marcelo Castro, de quem é amigo pessoal e para quem Lobão fez campanha contra a chapa de Dr. Pessoa nas eleições de 2018. Marcelo – único senador ao lado de Pessoa – já estaria articulando junto aos vereadores eleitos em partidos pequenos e ligados à Kleber Montezuma. 

    Contra Lobão, apenas os fatos e os depoimentos dos vereadores que estiveram sob sua presidência.

    No começo do ano, enquanto inaugurava obras com o prefeito Firmino Filho e cercado também pelos progressistas do senador Ciro Nogueira, Lobão chegou a procurar filiação em outros partidos, por conflitos com o presidente da Alepi, o deputado Themístocles Filho, que é o presidente municipal do MDB em Teresina. Existia a desconfiança de Lobão que pudesse lhe ser negada a legenda por alegação de infidelidade partidária. Luiz Lobão chegou a dar entrevistas lançando solitariamente uma pré-campanha a prefeito de Teresina, atitude que foi encarada nos bastidores como uma tentativa de desestabilizar a candidatura de Pessoa, que à época já tinha até o vice Robert Rios (PSB) anunciado. 

    Em fevereiro deste ano Lobão estava lá com tucanos e progressistas inaugurando obras ao lado de Firmino e lançando "pré-candidatura" a prefeito pelo MDB (foto: Jailson Soares | politicaDInamica.com)

    "Vou até as convenções", dizia Lobão a quem quisesse ouvir. 

    Uma movimentação bem parecida com a do deputado estadual Henrique Pires, que também se lançou pré-candidato quando Pessoa já era o nome que liderava pesquisas de intenção de voto com ampla vantagem. Henrique tinha dois vereadores ligados a ele -- Nilson Cavalcante e Zé Filho -- dentro da gestão tucana. Nenhum deles concorreu em 2020 pelo MDB e ambos pedindo voto para Kleber ficaram de fora da próxima legislatura. 

    Mas estando abençoado pelo senador Marcelo Castro, o vereador Luiz Lobão tem chance, claro. Se o senador garante a Pessoa que dá pra confiar, então dá pra confiar. 

    Eleito com 3.774 votos, Lobão só vai assumir o próximo mandato porque na mesma chapa – e pela segunda vez seguida – o vereador Jeová Alencar “estourou” de votos. Foram 11.062 votos que deram ao MDB a vaga de Lobão na sobra. Em outros partidos, outros 6 vereadores perderam mandatos mesmo tendo mais votos que Lobão. 

    Ainda assim, não há notícias sobre sequer uma mensagem de Whatsapp agradecendo essa força.

    • R&G Feet


voltar para 'Política Dinâmica'