AÇÃO
WELLINGTON NO STF CONTRA SERVIDORES PÚBLICOS

GOVERNADOR ALEGA RISCO DE GRAVE AMEAÇA ÀS FINANÇAS DO ESTADO E TENTA BARRAR DECISÕES JUDICIAIS QUE FAVORECEM SERVIDORES

22/11/2017 11:55 - Atualizado em 22/11/2017 12:44

W. Dias quer derrubar decisões judiciais (Foto: Jailson Soares/PoliticaDinamica.com)

O governador Wellington Dias (PT) acionou o Supremo Tribunal Federal (STF) para questionar decisões judiciais que asseguram direitos a servidores públicos. Uma Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF 495) ajuizada pelo petista contesta decisões da Justiça que têm garantido aos trabalhadores direito adquirido à forma de cálculo do adicional por tempo de serviço em vigor antes da Lei Complementar estadual 33/2003. O relator do caso é o ministro Dias Toffoli.

Wellington Dias argumenta no STF que se o direito for mantido como determina várias decisões judiciais, as finanças do estado ficarão ameaçadas a médio e longo prazo. Na ação, ele sustenta que o adicional por tempo de serviço era uma parcela salarial prevista pela Lei estadual 4.212/1988 e pela Lei Complementar estadual 13/1994. A gratificação foi paga até 2003, quando foi editada a Lei Complementar 33, que vedou qualquer vinculação de vantagem remuneratória ao vencimento, especialmente no tocante ao adicional, mantendo os valores pagos até a data da sua entrada em vigor.

A norma, sustenta Wellington, permitiu ao estado implantar gradativamente uma política salarial aos servidores. Em respeito ao direito adquirido, previu que aqueles que já percebessem tais verbas continuariam a fazê-lo, sem redução. Já os servidores que ingressaram no serviço público após a promulgação da lei de 2003 não tiveram mais direito.

Contudo, segundo o governador, quase 15 anos depois, centenas de ações têm sido ajuizadas junto ao Juizado Especial da Fazenda Pública visando rediscutir a questão. E o Judiciário estadual, em reiteradas decisões, tem entendido que os servidores têm direito adquirido à forma de cálculo originalmente estabelecida, vinculada a percentual do salário atual.

Ministro Dias Toffoli é o relator do caso no Supremo (Foto: Fellipe Sampaio/SCO/STF)

Conforme Wellington Dias, esse entendimento, além de ameaçar as finanças do estado, também desrespeita a jurisprudência do Supremo, resumida na tese de repercussão geral referente ao Tema 24, no sentido de que o servidor não possui direito adquirido a regime jurídico remuneratório. Além disso, o governador diz que as decisões questionadas violam a independência dos Poderes, prevista no artigo 2º da Constituição Federal, e as normas constitucionais que garantem a competência do chefe do Poder Executivo.

Com esses argumentos, o petista pede a concessão de liminar para suspender todos os processos que discutam o tema e os efeitos de decisões judiciais que impliquem reconhecimento de direito adquirido a regime jurídico anterior à vigência da Lei Complementar 33/2003. No mérito, pede que seja declarada a inconstitucionalidade de decisões que reconheçam o direito à fórmula de cálculo do adicional por tempo de serviço.

O Política Dinâmica tentou contato na manhã desta quarta-feira (22) com o procurador-geral do Estado, Plínio Clerton, para comentar a ação ajuizada no STF e saber, entre outras coisas, qual seria o impacto nas contas do Estado caso o governo não tenha êxito em seu pleito. No entanto, uma pessoa atendeu ao telefone e disse que ele havia saído e esquecido o celular em casa. A reportagem também tentou contato por e-mail, mas um endereço disponibilizado no site da PGE aparenta estar incorreto, pois as mensagens acabam "voltando".

Na tentativa de obter as mesmas respostas, o Política Dinâmica também procurou o secretário de Administração e Previdência, Franzé Silva. No entanto, a assessoria de imprensa informou que ele está em São Paulo nesta quarta-feira (22) e que o ideal seria buscar contato com o procurador Plínio Clerton.

Por Gustavo Almeida
Com informações do STF


Comentários (0)

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Nome:
mensagem:
Notícias relacionadas
ELEIÇÕES 2018
MARINA DECLARA APOIO CRÍTICO A HADDAD
MARINA DECLARA APOIO CRÍTICO A HADDAD
EVENTO
ZÉ FILHO PARTICIPA 15ª REUNIÃO DA ASSOCIAÇÃO NORDESTE FORTE
ZÉ FILHO PARTICIPA 15ª REUNIÃO DA ASSOCIAÇÃO NORDESTE FORTE
DECISÃO
BOLSONARO NÃO PARTICIPARÁ DE NENHUM DEBATE
BOLSONARO NÃO PARTICIPARÁ DE NENHUM DEBATE
AVALIAÇÃO
MÉDICOS EXAMINAM BOLSONARO
MÉDICOS EXAMINAM BOLSONARO