Coluna Gustavo Almeida Política Dinâmica
4ª GESTÃO
WELLINGTON TEM A CHANCE

COM MAIORIA ESMAGADORA NA ALEPI, GOVERNADOR NÃO TERÁ NECESSIDADE DE ACOMODAR ADVERSÁRIOS E, SE QUISER, PODE CORTAR REGALIAS DE ALIADOS

15/10/2018 12:38 - Atualizado em 15/10/2018 13:12

Governador tem maioria suficiente para não ser "gentil" demais em sua quarta gestão no Karnak (Foto: Gustavo Almeida/PoliticaDinamica.com)

Reeleito no primeiro turno com 55,65% dos votos válidos, elegendo dois senadores da sua chapa majoritária, fazendo oito deputados federais e uma bancada de 26 deputados estaduais na Assembleia [24 na sua coligação e dois em coligações diferentes], o governador Wellington Dias (PT) tem a chance de fazer uma gestão diferente. Só precisa ele querer!

Será inadmissível que o petista repita no quarto mandato o inchaço e o "toma lá, dá cá" que protagonizou na sua terceira gestão. Ao contrário de 2014, quando seu grupo só elegeu 10 deputados estaduais e ele teve que usar o governo para formar maioria na Assembleia, Wellington não precisa acomodar ninguém que fez campanha fora da situação. Ele já sai da eleição "dominando" a Alepi, o que dispensa a aproximação com opositores.

Ao longo da terceira gestão, o que se viu foi um estado abarrotado de cargos inócuos, coordenadorias criadas para fazer a mesma coisa, recorde de suplentes convocados na Assembleia e "aspones" inchando a máquina pública do sofrido Piauí. Além da necessidade de compor maioria na Alepi, Wellington vislumbrava a reeleição este ano e por isso deu sombra e água fresca a todo tipo de gente, fazendo do governo do Piauí uma barca lotada.

Agora, ele precisa deixar o Piauí mais leve. Além de não precisar acomodar ninguém de fora em nome da tal "governabilidade", ele tem que diminuir as regalias de quem está ao seu lado [e não são poucos]. Se o time era mesmo "do povo", a hora de tirarmos a prova é agora. Quem fizer biquinho por não ter regalias atendidas, provará que de povo não tem nada e que não pensa no bem do pobre Piauí, um estado que amarga tantos indicadores negativos.

Essa é a chance de diminuir a máquina (Foto: Jailson Soares/PoliticaDinamica.com)

Reeleito e sabendo que não pode disputar reeleição em 2022, não há porque Wellington dar uma secretaria para cada deputado chamar de sua. É necessário acabar com as ilhas no governo e diminuir a farra dos comissionados. E mais: na sua quarta gestão, o governador tem que parar com a moda de sair assinando autorizações em toda esquina apenas para agradar momentaneamente os aliados. É preciso choque de gestão e coragem para cortar excessos e fazer um governo eficiente, algo que passou longe nesse terceiro mandato.

Quem se reelege, teoricamente, não pode falar muito em mudança, sob pena de, em certos aspectos, reconhecer o fracasso do que vinha fazendo. No entanto, se Wellington quiser deixar uma marca no quarto mandato e for consciente dos problemas que sua gestão enfrentou, ele precisa abrir mão de muitas práticas adotadas no terceiro governo. 

Os próximos meses nos darão um norte de como será a quarta gestão. Se os aliados começarem a se engalfinhar por cargos e Wellington tentar resolver ao seu jeito "Calma jovens, tem espaço para todos", o Piauí também terá seu espaço reservado: no buraco.

Comentários (394)

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Nome:
mensagem:
Notícias relacionadas
NÃO SERIA BOM!
ELMANO NÃO QUER RENAN CALHEIROS
ELMANO NÃO QUER RENAN CALHEIROS
VEREADORES
CASAL NO PARLAMENTO
CASAL NO PARLAMENTO
CRÍTICA
FÁBIO SÉRVIO CHAMA WELLINGTON DE “CARA DE PAU”
FÁBIO SÉRVIO CHAMA WELLINGTON DE “CARA DE PAU”
OPINIÃO
QUANDO A CONTRADIÇÃO ENFRAQUECE A RENOVAÇÃO
QUANDO A CONTRADIÇÃO ENFRAQUECE A RENOVAÇÃO