Coluna Gustavo Almeida Política Dinâmica
DO MESMO PARTIDO
MARGARETE LAMENTA CASSAÇÃO DE ALIADA

VICE-GOVERNADORA LAMENTOU CASSAÇÃO DA PREFEITA DE SÃO LOURENÇO DO PIAUÍ, ACUSADA DE COMPRA DE VOTOS NA ELEIÇÃO DE 2016

29/05/2018 19:02 - Atualizado em 29/05/2018 20:15

Para Margarete, decisão vai ser revertida (Foto: Jailson Soares/PoliticaDinamica.com)

A vice-governadora do Piauí, Margarete Coelho (Progressistas), lamentou nesta terça-feira (29) a cassação da prefeita de São Lourenço do Piauí, Michelle de Oliveira Cruz. A gestora e o vice tiveram os mandatos cassados pelo juiz eleitoral de São Raimundo Nonato, em decisão do dia 23, por abuso de poder econômico e compra de votos. Michelle é uma das três prefeitas do Progressistas eleitas em 2016 no território da Serra da Capivara [o partido também elegeu as prefeitas de São Raimundo e Dom Inocêncio] e teve Margarete como cabo eleitoral.

Ao Política Dinâmica, a vice-governadora afirmou que vê com preocupação a cassação da gestora. Ela disse que é papel da Justiça Eleitoral fazer com que as regras sejam cumpridas, mas considerou “complicado” quando se faz a opção entre a soberania popular e a do Poder Judiciário. Na avaliação de Margarete, a colega de partido vai conseguir reverter a situação. Michelle tem o direito de recorrer da decisão no exercício do mandato, sem deixar o cargo.

“Eu acho que cassar um mandato é muito grave, é muito sério. Porque não se cassa só um mandato, se cassa todos os votos que foram depositados no nome daquela liderança política. Então é muito complicado você fazer uma opção entre a soberania popular e a soberania do Poder Judiciário, que é contramajoritário. Claro que ninguém pode ganhar uma eleição sem cumprir as regras e é pra isso que a Justiça Eleitoral tem que atuar. Mas é uma decisão de primeira instância que está sujeita a reavaliação ainda”, falou.

A jovem prefeita Michelle Oliveira teve o mandato cassado (Foto: Reprodução/Facebook)

Margarete disse confiar na assessoria jurídica da correligionária e considerou as acusações contra Michelle como frágeis. “Eu acredito muito na reversão desta decisão, porque as questões que foram utilizadas como base para a decisão, que fundamentaram a decisão, são questões que a Justiça Eleitoral, em segunda instância e no TSE, tem avaliado de uma forma diferente. Então, as decisões, a gente se recorre delas exatamente pra isso, para uma uniformização da jurisprudência”, encerrou.

AS ACUSAÇÕES
Michelle de Oliveira Cruz, eleita prefeita de São Lourenço do Piauí em 2016 após derrotar o adversário por apenas 11 votos de maioria, foi acusada pela coligação derrotada de compra de votos e abuso do poder econômico. Entre os fatos narrados na denúncia, houve a distribuição de 200 filtros da Secretaria de Estado da Defesa Civil para famílias da comunidade Angico. A Defesa Civil, em 2016, era comandada pelo deputado estadual Hélio Isaías, do mesmo partido de Michelle, e cunhado de Margarete Coelho.

A distribuição dos filtros chegou a ser divulgada nas redes sociais pela própria Michelle e de sua equipe. Na decisão, o juiz Ítalo Márcio Gurgel de Castro ainda tornou inelegível por oito anos o ex-prefeito Manoel ldemar Damasceno Cruz, o Mazim, pai da prefeita. Segundo a denúncia, ele acompanhou a filha na distribuição dos filtros.

Comentários (0)

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Nome:
mensagem:
Notícias relacionadas
NÃO SERIA BOM!
ELMANO NÃO QUER RENAN CALHEIROS
ELMANO NÃO QUER RENAN CALHEIROS
VEREADORES
CASAL NO PARLAMENTO
CASAL NO PARLAMENTO
CRÍTICA
FÁBIO SÉRVIO CHAMA WELLINGTON DE “CARA DE PAU”
FÁBIO SÉRVIO CHAMA WELLINGTON DE “CARA DE PAU”
OPINIÃO
QUANDO A CONTRADIÇÃO ENFRAQUECE A RENOVAÇÃO
QUANDO A CONTRADIÇÃO ENFRAQUECE A RENOVAÇÃO