Coluna Gustavo Almeida Política Dinâmica
CÂMARA
EDSON MELO E GRAÇA REBATEM OPOSIÇÃO

ALIADOS DO PREFEITO FIRMINO FILHO, VEREADORES DEFENDERAM ESCRITÓRIO DO MUNICÍPIO EM BRASÍLIA E CRITICARAM OPOSITORES

27/02/2018 13:50 - Atualizado em 27/02/2018 14:10

Dudu criticou projeto da prefeitura (Foto: Jailson Soares/PoliticaDinamica.com)

O projeto de lei de autoria da Prefeitura de Teresina que cria um escritório de articulação das ações da gestão municipal em Brasília causou debate nesta terça-feira (27) na Câmara. A proposta foi aprovada pela maioria, mas a oposição bateu forte no projeto, principalmente porque ele cria cargos, ou seja, novas despesas para o município.

O vereador Dudu (PT), como de praxe, questionou a necessidade da estrutura municipal na capital federal. “O prefeito Firmino é experiente, está segundo ano do quarto mandato. Porque ele teve essa intenção só agora? E mais: ele cria os cargos e só depois é que vai dar a estrutura. Ele tinha que explicar para a população de Teresina a estrutura que esse escritório vai ter. Nos causou estranheza, num ano eleitoral, o prefeito sair com uma dessa”, disse.

As críticas de Dudu e dos seus colegas de oposição foram rechaçadas pelo vereador Edson Melo (PSDB). Ele justificou que a Prefeitura de Teresina tem muitos negócios na esfera federal que necessitam da presença de representantes permanentes em Brasília. Ele ainda criticou o fato dos parlamentares da oposição, que são aliados do governo estadual, não protestarem contra a criação de nove coordenadorias pelo governador Wellington Dias, todas com atuação e estrutura até hoje questionadas.

Edson criticou silêncio com relação às coordenadorias criadas em 2017 pelo governo do Estado (Foto: Jailson Soares/PoliticaDinamica.com)

"É muito provável que haja o escritório alugado pela prefeitura e esses cargos sejam nomeados só após essa instalação. Agora nos chama atenção esse tipo de crítica partir do representante do PT e do governador Wellington Dias, pois com relação à criação de nove coordenadorias, com sete assessorias cada uma, e que nem o que elas fazem ficou claro, ele não questionou. E com relação ao próprio escritório que o governo do Piauí tem em Brasília. Será quantos assessores tem lá? Onde eles moram? Porque as vezes se nomeia um assessor para trabalhar no escritório de representação e ele nem mora em Brasília. Então tudo isso nós vamos fiscalizar, mas não é o momento de tecer críticas à criação. Vamos esperar", falou.

O vereador ainda lembrou que a prefeitura, provavelmente, até já tem essa representação de modo informal em Brasília e que agora o prefeito quer oficializar. "Desde a época do professor Wall Ferraz, há 30 anos, quando ele foi prefeito, tinha um assessor especial que morava em Brasília só para tratar de assuntos relacionados à prefeitura. Informalmente ele visitava ministérios e o Congresso Nacional. Então o prefeito resolveu oficializar. Isso é o poder que o prefeito tem de fazer o julgamento se precisa ou não ter o escritório", avaliou.

Graça Amorim defendeu importância do escritório (Foto: Jailson Soares/PoliticaDinamica)

A líder do prefeito na Câmara, vereadora Graça Amorim (PMB), explicou que são apenas dois cargos previstos no projeto, um de diretor-geral e outro de assessoria, e que todas as atribuições a serem cumpridas constam no projeto de lei. Com relação à sede do escritório, ela afirmou que não é no projeto de lei que se coloca essa parte, já que isso é uma questão administrativa posterior que cabe à prefeitura.

"Tá tudo especificado [quanto a cargos e salários]. É porque eles não tiveram o desejo de ler o projeto. Está lá: são dois cargos. Agora, com relação aonde vai funcionar, não é em lei que se bota dizendo que vai funcionar na rua tal, em Brasília, no Distrito Federal. Isso não precisa, pois é uma parte administrativa da prefeitura que será feita, com computadores, telefones e toda a estrutura que o escritório merece e vai merecer", explicou.

Comentários (0)

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Nome:
mensagem:
Notícias relacionadas
INDEFINIDO
NÃO TEM CHAPA FECHADA
NÃO TEM CHAPA FECHADA
PROPOSTA
REJANE QUER ABOLIR EXPRESSÃO “PORTADORES DE DEFICIÊNCIA”
REJANE QUER ABOLIR EXPRESSÃO “PORTADORES DE DEFICIÊNCIA”
ESPAÇOS
REGINA SOUSA NEGA POSSIBILIDADE DE SER VICE; JÁ WELLINGTON, NÃO
REGINA SOUSA NEGA POSSIBILIDADE DE SER VICE; JÁ WELLINGTON, NÃO
OPINIÃO
CHAPA, CHAPINHA, CHAPÃO E ‘CHAU POVO’
CHAPA, CHAPINHA, CHAPÃO E ‘CHAU POVO’