Selo

00:00
Coluna Lídia Brito Política Dinâmica
CRISE ECONÔMICA
WELLINGTON FALA SOBRE AMEAÇA DE ATRASO DOS SALÁRIOS

GOVERNO AFIRMA QUE A SITUAÇÃO É DELICADA E DIZ QUE FOI PRECISO REDUZ INVESTIMENTOS MANTER O PAGAMENTO DA FOLHA DE FUNCIONÁRIOS

25/05/2017 12:45

Governador cobra do Governo Federal uma solução para a crise econômica (Foto:JailsonSoares/PoliticaDinamica.com)

A instabilidade política que vive o país tem preocupado o governador Wellington Dias (PT). Na próxima semana ele participa do Fórum de Governadores do Nordeste onde discutirá o impacto da crise em Brasília na economia dos estados.

No caso do Piauí, o temor é que o agravamento da crise econômica possa levar ao atraso de salários. Wellington afirma que o governo cortou investimentos para manter o pagamento da folha de servidores, que ele chama de prioridade. As declarações foram dadas durante encontro com empresários do setor de energias renováveis. 

“O Piauí continua cumprindo a tabela salarial e quando mais cedo o Brasil sair da crise, maior a possibilidade de manter essa situação de relativa tranquilidade no estado. Estamos em uma situação favorável diante de outros estados, mas temos dificuldades. Tivemos que reduzir investimentos para continuar o pagamento da folha e outras prioridades. Pagar o servidor é um compromisso e uma prioridade. Nesse momento descartamos atrasos”, disse.

Mesmo negando a possibilidade de atrasar salários agora, Dias fala que se nada for feito no campo político, a economia poderá levar os demais estados para o nível do Rio de Janeiro. “O que pode acontecer de pior para o Brasil? Que possamos chegarmos a ter 27 estados na mesma situação do Rio de Janeiro. Será o fim do Brasil. Será falta de tudo. É uma situação delicada”, afirmou.

Wellington defende a união entre todos os estados para pressionar o Governo Federal por uma solução tanto político quanto econômica. Ele defende a continuação dos projetos e a liberação de financiamento para os estados.

“Na próxima semana temos uma agenda do Fórum dos Governadores do Nordeste, em Brasília. Em seguida será o Fórum dos Governadores do Brasil. Primeiro não podemos deixar o Brasil afundar. É preciso uma ação forte para que aquilo que está em andamento continue. Os projetos em tramitação na Câmara e no Senado precisam continuar. A mesma coisa com os projetos que dependem do Executivo como contratos de investimentos. Não é razoável os estados precisando de investimentos e a União proibindo que eles consigam novos financiamentos, mesmo quando cumprem as leis. A prioridade tem que ser fazer o Brasil crescer”, afirmou. 

Comente!
Notícias relacionadas
ELEIÇÕES 2018
VEREADORES CERCAM PRIMEIRA-DAMA NA CÂMARA
VEREADORES CERCAM PRIMEIRA-DAMA NA CÂMARA
REJEIÇÃO
“CÂMARA FOI DESELEGANTE E INJUSTA COM DÓRIA”, CRITICA FIRMINO FILHO
“CÂMARA FOI DESELEGANTE E INJUSTA COM DÓRIA”, CRITICA FIRMINO FILHO
ELEIÇÕES 2018
APOIO DE PREFEITOS FAZ WELLINGTON COLAR EM CIRO
APOIO DE PREFEITOS FAZ WELLINGTON COLAR EM CIRO
TECNOLOGIA
FESTIVAL DE TRAPALHADAS
FESTIVAL DE TRAPALHADAS